18042024Qui
AtualizadoQua, 17 Abr 2024 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

Pegargiminase + QT na 1ª linha do mesotelioma pleural não epitelioide

Pulm o DEZ NET OKEm pacientes com mesotelioma pleural não epitelioide, a depleção de arginina com pegargiminase mais quimioterapia demonstrou resultados de sobrevida em comparação com a quimioterapia padrão, com um perfil de segurança manejável. Os resultados são do estudo pivotal de Fase 3 ATOMIC-Meso e foram publicados no JAMA Oncology.

A privação de arginina usando ADI-PEG20 (pegargiminase) combinada com quimioterapia não foi testada em um estudo randomizado entre pacientes com câncer. O ATOMIC-Meso (ADI-PEG20 Targeting of Malignancing Induces Citotoxicity-Mesotelioma) é um ensaio pivotal que compara quimioterapia de primeira linha padrão mais pegargiminase ou placebo em pacientes com mesotelioma pleural não epitelioide.

Este ensaio clínico randomizado duplo-cego de fase 2-3 foi realizado em 43 centros em 5 países e incluiu pacientes com mesotelioma pleural não epitelioide virgens de quimioterapia entre 1º de agosto de 2017 e 15 de agosto de 2021, com acompanhamento de pelo menos 12 meses. O acompanhamento final ocorreu em 15 de agosto de 2022. A análise dos dados foi realizada entre março de 2018 e junho de 2023.

Os pacientes foram randomizados (1:1) para receber pegagiminase intramuscular semanal (36,8 mg/m2) ou placebo. Todos os pacientes receberam quimioterapia intravenosa com pemetrexede (500 mg/m2) e platina (75 mg/m2 cisplatina ou carboplatina área sob a curva 5) a cada 3 semanas até 6 ciclos. Pegargiminase ou placebo foram continuados até progressão, toxicidade ou 24 meses.

O endpoint primário foi a sobrevida global, e os endpoints secundários foram sobrevida livre de progressão e segurança. A taxa de resposta por revisão central independente e cega foi avaliada apenas na fase 2.

Resultados

Entre 249 pacientes randomizados (idade média [DP], 69,5 [7,9] anos; 43 indivíduos do sexo feminino [17,3%] e 206 indivíduos do sexo masculino [82,7%]), todos foram incluídos na análise. A mediana de sobrevida global foi de 9,3 meses (IC 95%, 7,9-11,8 meses) com quimioterapia com pegargiminase em comparação com 7,7 meses (IC 95%, 6,1-9,5 meses) com quimioterapia com placebo (taxa de risco [HR] para morte, 0,71; IC 95%, 0,55-0,93; P = 0,02). A mediana de sobrevida livre de progressão foi de 6,2 meses (IC 95%, 5,8-7,4 meses) com quimioterapia com pegargiminase em comparação com 5,6 meses (IC 95%, 4,1-5,9 meses) com quimioterapia com placebo (HR, 0,65; IC 95%, 0,46-0,90; P = ,02).

Eventos adversos de grau 3 a 4 com pegargiminase ocorreram em 36 pacientes (28,8%) e com placebo em 21 pacientes (16,9%); hipersensibilidade a medicamentos e reações cutâneas ocorreram no braço experimental em 3 pacientes (2,4%) e 2 pacientes (1,6%), respectivamente, e nenhum no braço placebo. As taxas de tratamentos pós-estudo foram comparáveis em ambos os braços (57 pacientes [45,6%] com pegargiminase vs 58 pacientes [46,8%] com placebo).

“Neste ensaio clínico randomizado de depleção de arginina com pegargiminase mais quimioterapia, a sobrevida foi estendida além da quimioterapia padrão com um perfil de segurança favorável em pacientes com mesotelioma pleural não epitelioide. A quimioterapia baseada em pegargiminase como uma nova estratégia antimetabólito para o mesotelioma valida testes clínicos mais amplos em oncologia”, concluíram os autores.

O estudo está registrado em ClinicalTrials.gov: NCT02709512.

Referência: Szlosarek PW, Creelan BC, Sarkodie T, et al. Pegargiminase Plus First-Line Chemotherapy in Patients With Nonepithelioid Pleural Mesothelioma: The ATOMIC-Meso Randomized Clinical Trial. JAMA Oncol. Published online February 15, 2024. doi:10.1001/jamaoncol.2023.6789

 


Publicidade
ABBVIE
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
banner_assine_300x75.jpg
Publicidade
300x250 ad onconews200519