29022024Qui
AtualizadoQua, 28 Fev 2024 5pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

Diretrizes para câncer de mama metastático em cenários com recursos limitados

BARRIOS NET OKA Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) publicou em janeiro novas diretrizes de conduta para o tratamento sistêmico do câncer de mama metastático, com o objetivo de orientar médicos e legisladores em ambientes com recursos limitados. As diretrizes têm participação do oncologista Carlos Barrios (foto), do Grupo Oncoclínicas, e reconhecem variações importantes na oferta de recursos em diferentes contextos globais.

As recomendações da ASCO para o tratamento do câncer de mama metastático em cenários de recursos limitados reforçam que as decisões médicas devem considerar sempre o status da menopausa, características patológicas e de biomarcadores quando resultados de qualidade estiverem disponíveis. Na primeira linha, para câncer de mama metastático positivo para receptor hormonal (HR), quando uma combinação de inibidor não esteroidal de aromatase e inibidor de ciclinas CDK 4/6 não estiver disponível, o painel de especialistas preconiza o uso de terapia hormonal isoladamente.  

Para doenças potencialmente fatais, as diretrizes da ASCO para cenários de recursos limitados recomendam a cirurgia para controle local e o uso de quimioterapia de agente único.  Para pacientes na pré-menopausa, a orientação é a supressão ou ablação ovariana mais terapia hormonal nas configurações básicas. Para câncer de mama metastático positivo para receptor 2 do fator de crescimento epidérmico humano (HER2), se trastuzumabe, pertuzumabe e quimioterapia não estiverem disponíveis, usar trastuzumabe e quimioterapia; se não estiver disponível, use quimioterapia.

No cenário do câncer de mama metastático HER2 positivo e HR positivo, a recomendação é usar terapia padrão de primeira linha ou terapia endócrina se houver contraindicação. Para câncer de mama metastático triplo negativo com status de PD-L1 desconhecido, ou se PD-L1 positivo e imunoterapia não estiver disponível, a recomendação é o uso de quimioterapia de agente único.

Para câncer de mama metastático positivo para mutação germinativa BRCA1/2, a nova diretriz de conduta prevê que, se o inibidor da poli (ADP-ribose) polimerase não estiver disponível, os médicos devem usar terapia hormonal (HR-positivo) e quimioterapia (HR-negativo).

Na segunda linha, para câncer de mama metastático HR positivo, as recomendações dependem do tratamento prévio e tamoxifeno ou quimioterapia estão entre as opções de conduta. Para câncer de mama HER2 positivo, se trastuzumabe deruxtecana não estiver disponível, usar trastuzumabe emtansina; se não estiver disponível, capecitabina e lapatinibe são opções; se não estiver disponível, trastuzumabe e/ou quimioterapia (terapia hormonal isolada para HR-positivo).

Outras informações estão disponíveis em www.asco.org/resource-stratified-guidelines.

Referência: Sana Al Sukhun et al., Systemic Treatment of Patients With Metastatic Breast Cancer: ASCO Resource–Stratified Guideline. JCO Glob Oncol 10, e2300285(2024). DOI:10.1200/GO.23.00285

Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ABBVIE
Publicidade
LIBBS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
INTEGRAL HOME CARE
Publicidade
300x250 ad onconews200519