28022024Qua
AtualizadoTer, 27 Fev 2024 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

Cuidados de final da vida na assistência oncológica

caponero 2019 bxEstudo liderado por Jennifer W. Mack, do Dana-Farber Cancer Institute, concluiu que adolescentes e adultos jovens, com idades entre 12 e 39 anos, recebem frequentemente medidas médicas intensivas no final da vida, incluindo cuidados na UTI em cerca de um terço dos casos. “Os dados descritos são, com certeza, muito melhores do que a realidade brasileira, e mostram claramente o quanto essa população ainda necessita de uma abordagem apropriada”, diz o oncologista Ricardo Caponero (foto), que analisa os resultados.

Adolescentes e adultos jovens recebem altas taxas de medidas médicas intensivas no final da vida, mas sabe-se menos sobre outras medidas de cuidados oncológicos de qualidade. Neste estudo, os pesquisadores realizaram uma revisão de dados eletrônicos de saúde e prontuários médicos de 1.929 adolescentes e adultos jovens entre 12 e 39 anos que morreram após receber tratamento contra câncer em um dos três centros oncológicos de referência nos EUA (Dana-Farber Cancer Institute, Kaiser Permanente Northern California e Kaiser Permanente Southern California) entre 2003 e 2019.

Os resultados publicados por Mack e colegas no Journal of Clinical Oncology mostram que essa população de pacientes foi frequentemente exposta a visitas tardias ao pronto-socorro (25% com duas ou mais no último mês) e internações em unidades de terapia intensiva (UTI) (31%). No entanto, a maioria também recebeu cuidados paliativos (73%) e assistência em hospice (62%). Pouco mais de metade (58%) recebeu cuidados psicossociais nos últimos 90 dias de vida e 49% receberam cuidados espirituais, com mais 7% de recusas de cuidados espirituais. Quase todos os pacientes tiveram dor avaliada nos últimos 90 dias de vida, mas apenas 34% tiveram avaliação para depressão e 40% para ansiedade.

Esses dados mostram taxas abaixo do ideal de cuidados psicossociais, espirituais e de avaliação de sintomas psicológicos, oferecendo uma oportunidade para melhor abordar as angústias emocionais e espirituais no final da vida nesta população de pacientes.

Para Ricardo Caponero, o estudo merece um olhar cauteloso. “Adolescentes e adultos jovens com câncer apresentam certas particularidades em seu cuidado e no planejamento de seu tratamento. O estudo engloba uma grande população, de quase dois mil pacientes, mas inclui adolescentes (incapazes legalmente para a tomada de decisão) e adultos jovens, legalmente capazes. Isso dificulta a interpretação dos dados de que apesar da maioria (73%) ter recebido cuidados paliativos, 31% acabaram sendo internados em unidades de terapia intensiva”, diz.

Outra dificuldade, segundo o especialista, é o longo intervalo de tempo para a coleta dos dados, de 2003 a 2019 (mais de uma década!), período no qual os conceitos dos cuidados paliativos se desenvolveram de maneira significativa.

“Não é a intensão do artigo, mas a comparação com nossa prática, incluindo pacientes idosos, é que as expectativas de vida e desejos dos pacientes variam muito de acordo com a faixa etária. Para os pacientes legalmente incapazes, as decisões devem estar sendo tomadas por seus cuidadores, e sabemos que é muito difícil que os pais desistam do tratamento de seus filhos, admitindo a falta de esperança”, prossegue Caponero. “Também é notório que apesar de quase todos os pacientes terem a dor avaliada, o mesmo não ocorreu com as necessidades psicológicas e espirituais, negligenciadas nessa faixa etária”, acrescenta. 

Referência: DOI: 10.1200/JCO.23.01272 Journal of Clinical Oncology. Published online October 27, 2023.

 

Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ABBVIE
Publicidade
LIBBS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
INTEGRAL HOME CARE
Publicidade
300x250 ad onconews200519