18042024Qui
AtualizadoQua, 17 Abr 2024 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

Olaparibe em manutenção mostra ganho de SLP no câncer de ovário

OvarioPesquisadores do OReO/ENGOT-ov38 relatam resultados do primeiro estudo a mostrar que a reintrodução de olaparibe como tratamento de manutenção proporciona ganho de sobrevida livre de progressão no câncer de ovário recidivado, com benefício clínico e estatisticamente significativo, independente do status da mutação BRCA.

A terapia de manutenção com o inibidor da poli (ADP-ribose) polimerase (PARP) é o tratamento padrão para alguns pacientes com câncer de ovário avançado.Neste estudo randomizado, duplo-cego e multicêntrico (OReO) de fase 3b, o objetivo foi avaliar a eficácia e segurança da reexposição ao inibidor de PARP.

Foram inscritos pacientes com câncer de ovário recidivado sensível à platina, que receberam terapia anterior com inibidor de PARP por ≥18 e ≥12 meses nas coortes com mutação BRCA e sem mutação BRCA, respectivamente, após quimioterapia de primeira linha ou por ≥12 e ≥6 meses, respectivamente, após segunda linha de quimioterapia subsequente. Os pacientes responderam ao último regime de quimioterapia à base de platina e foram randomizados (2:1) para comprimidos de manutenção de olaparibe 300 mg duas vezes ao dia ou placebo. A sobrevida livre de progressão (SLP) avaliada pelo investigador foi o endpoint primário.

Os autores descrevem que 74 pacientes na coorte com mutação BRCA foram randomizados para olaparibe e 38 para placebo, enquanto 72 pacientes na coorte sem mutação BRCA foram randomizados para olaparibe e 36 para placebo; >85% dos pacientes em ambas as coortes receberam ≥3 linhas anteriores de quimioterapia.

Os resultados relatados no Annals of Oncology mostram que na coorte com mutação BRCA, a SLP mediana foi de 4,3 meses com olaparibe versus 2,8 meses com placebo (razão de risco [HR] 0,57; intervalo de confiança [IC] de 95% 0,37-0,87; P = 0,022); As taxas de SLP em 1 ano foram de 19% versus 0% (estimativas de Kaplan-Meier). Na coorte sem mutação BRCA, a SLP mediana foi de 5,3 meses para olaparibe versus 2,8 meses para placebo (HR 0,43; IC 95% 0,26-0,71; P = 0,0023) e as taxas de SLP em 1 ano foram de 14% versus 0% (estimativas de Kaplan-Meier).

 Não foram identificados novos sinais de segurança com a reexposição a olaparibe.

“Em pacientes com câncer de ovário previamente tratados com um inibidor de PARP e pelo menos duas linhas de quimioterapia à base de platina, a reexposição a olaparibe de manutenção proporcionou melhora estatisticamente significativa, embora modesta, da SLP em relação ao placebo em ambas as coortes com mutação BRCA e sem mutação BRCA , com uma proporção de pacientes no braço de reintrodução de olaparibe de manutenção permanecendo livre de progressão em 1 ano em ambas as coortes”, concluem os autores.

​O estudo OReO está registrado na plataforma ClinicalTrials.gov: NCT03106987.

Referência: Published:October 03, 2023. DOI: https://doi.org/10.1016/j.annonc.2023.09.3110


Publicidade
ABBVIE
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
banner_assine_300x75.jpg
Publicidade
300x250 ad onconews200519