28022024Qua
AtualizadoQua, 28 Fev 2024 5pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

Status mutacional do EGFR em pacientes brasileiros com CPCNP

tatiane montellaEstudo que analisou retrospectivamente mutações no receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR), detectadas em um cenário do mundo real em uma grande coorte de pacientes brasileiros com câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP), mostrou que de 7.413 amostras testadas, a taxa média de detecção positiva de mutações no EGFR foi de 24,2%. O trabalho tem como primeira autora a oncologista Tatiane Montella (foto), do Instituto Oncoclínicas (RJ), e é a maior análise do status mutacional do EGFR em pacientes brasileiros com CPCNP usando múltiplas plataformas.

Há escassez de dados sobre mutações genéticas em pacientes brasileiros com câncer de pulmão. Neste estudo multicêntrico, os pesquisadores se basearam em um banco de dados de análise molecular de EGFR a partir de amostras tumorais de pacientes com diagnóstico histopatológico confirmado de câncer de pulmão primário. As amostras foram coletadas de 2013 a 2017 e testadas usando cobas, sequenciamento de última geração e plataformas de sequenciamento Sanger.

Os resultados relatados por Montella et al. no JCO Global Oncology mostram que 7.413 amostras de tumor foram testadas e a presença de pelo menos uma mutação foi encontrada em 24,2% do total da amostra. Das amostras positivas, 23,58% (1.272/5.395) foram testadas usando PCR em tempo real, 25,86% (407/1.574) testadas usando NGS, 27,36% (116/424) usando sequenciamento Sanger e 10% (2/20) foram testadas usando pirosequenciamento.

Entre os pacientes positivos, duas ou mais mutações simultâneas foram observadas em 1,52% das amostras. Os autores descrevem que a deleção do éxon 19 foi a alteração mais prevalente (12,8%), seguida pelo éxon 21 L858R (6,9%) e inserção do éxon 20 (1,6%). Todas as outras mutações foram consideradas incomuns e observadas em 18,5% de todos os pacientes mutados e em 4,0% da amostra total (2,3%-18,7%), dependendo do método de sequenciamento.

Em síntese, ao examinar a prevalência de mutações de EGFR em pacientes brasileiros com CPCNP usando diferentes tecnologias, o estudo sugere que o tipo de método utilizado, direcionado ou não direcionado contra mutações específicas, influencia a análise. Mutações incomuns afetaram 2,3% a 18,7% dos pacientes, dependendo do método de sequenciamento, e mutações EGFR foram encontradas em 24,2% da amostra.

“Até onde sabemos, esta é a maior análise do status mutacional do EGFR em pacientes brasileiros com CPCNP usando múltiplas plataformas”, destacam os autores, acrescentando que essas estimativas são as maiores da América Latina. Para Montella e colegas, a variabilidade observada entre os diferentes métodos é provavelmente semelhante ao cenário clínico do mundo real que os oncologistas brasileiros enfrentam em sua prática diária e reflete o avanço de tecnologias e sua incorporação de forma não homogênea.

Com cerca de 2,3 milhões de casos e 1,8 milhão de mortes em 2020, o câncer de pulmão é a principal causa de mortes por câncer em todo o mundo. No Brasil, aproximadamente 38.200 mortes relacionadas ao câncer de pulmão foram registradas em 2020. O câncer de pulmão de células não pequenas é o subtipo mais comum, responsável por aproximadamente 80%-90% de todos os casos.

Desde a introdução de terapias direcionadas a mutações específicas, o arsenal terapêutico para CPCNP enfrenta mudanças significativas, e a identificação de alterações genéticas acionáveis levou à integração de testes moleculares para planejamento de tratamento.​

Mutações no receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR) são a alteração genética acionável mais frequente no CPCNP. Mutações do EGFR podem ser detectadas em 15% dos subtipos de adenocarcinoma de pacientes brancos na América do Norte e na Europa, em aproximadamente 25% dos pacientes brasileiros e latino-americanos., enquanto no Leste Asiático a incidência é muito mais elevada, chegando a 50% dos pacientes com CPCNP.

Além da variabilidade nos métodos aqui descritos à medida que a incorporação de tecnologia avança de maneira não homogênea, é provavelmente semelhante ao cenário clínico do mundo real que os oncologistas brasileiros enfrentam em sua prática diária.

Além da oncologista Tatiane Montella (Instituto Oncoclínicas RJ), que assina como primeira autora, o estudo tem a co-autoria de Mariano Zalis, Mauro Zukin, Vladmir Claudio Cordeiro de Lima, Clarissa Baldotto, Pedro De Marchi, Paulo Salles, Clarissa Mathias, Carlos Barrios, Carolina Kawamura, Aknar Calabrich, Gilberto Castro, André Santa Maria, Marcelo Reis, Carlos Gil Ferreira.

A íntegra do estudo está disponível em acesso aberto.

Referência: Montella T, Zalis M, Zukin M, Cordeiro de Lima VC, Baldotto C, De Marchi P, Salles P, Mathias C, Barrios C, Kawamura C, Calabrich A, Araújo LH, Castro G, Bustamante C, Santa Maria A, Reis M, Ferreira CG. EGFR Mutation Detection in Brazilian Patients With Non-Small-Cell Lung Cancer: Lessons From Real-World Data Scenario of Molecular Testing. JCO Glob Oncol. 2023 Sep;9:e2200426. doi: 10.1200/GO.22.00426. PMID: 37769218.


Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ABBVIE
Publicidade
LIBBS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
INTEGRAL HOME CARE
Publicidade
300x250 ad onconews200519