13042024Sáb
AtualizadoSex, 12 Abr 2024 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

Meta-análise apoia segurança de T-DXd no câncer de mama metastático

ruffo ribeiro 2023O mastologista Ruffo de Freitas Júnior (na foto, à direita), da Universidade Federal de Goiás (UFG), é autor sênior de revisão sistemática e meta-análise publicada no ESMO Open que discute a segurança de trastuzumabe-deruxtecana (T-DXd) em pacientes com câncer de mama metastático. O estudo tem como primeiro autor o pesquisador Leonardo Ribeiro Soares, também da UFG, e os resultados reportados apoiam a segurança de T-DXd como opção de tratamento para essa população de pacientes. “A incidência geral de toxicidade cardíaca foi baixa e a maioria dos casos foi assintomática. Embora a pneumonite tenha ocorrido em 11,7% dos pacientes, a maioria dos casos foi leve e efetivamente tratada”, descrevem os autores.

O conjugado trastuzumabe-deruxtecana beneficia a sobrevida livre de progressão e a sobrevida global em pacientes com câncer de mama metastático após progressão a terapias-alvo direcionadas ao receptor 2 do fator de crescimento epidérmico humano (HER2). No entanto, a doença pulmonar intersticial (DPI) e a cardiotoxicidade são eventos adversos já descritos associados a T-DXd, motivando a realização desta revisão sistemática e meta-análise para avaliar a incidência e a gravidade dessas toxicidades durante o tratamento com T-DXd.

Após buscas sistemáticas nas principais bases de dados (PubMed, Cochrane e Scopus) e em resultados de ensaios clínicos apresentados em conferências científicas, foram incluídos 15 estudos envolvendo 1.970 pacientes, com foco em dois eventos adversos associados ao tratamento com T-DXd: doença pulmonar intersticial (DPI), também conhecida como pneumonite, e diminuição da Fração de Ejeção Ventricular Esquerda (FEVE).

Os resultados mostram que a incidência geral de DPI foi de 11,7%, significativamente maior em pacientes recebendo T-DXd na dose de 6,4 mg/kg (22,7%) em comparação com 5,4 mg/kg (10,2%). No entanto, a meta-análise mostra que a maioria (80%) dos casos de DPI foi leve, com aproximadamente 20% sendo eventos adversos graves. “Semelhante aos nossos resultados, o estudo fase I de Tamura et al. mostra que a proporção de DPI foi menor para aqueles que receberam dose de 5,4 mg/kg do que para pacientes que receberam dose de 6,4 mg/kg, favorecendo a escolha da menor dose (5,4 mg/kg) na prática clínica”, observam os autores.

Em relação à pneumonite, as taxas de incidência de DPI graus 1 e 2 foram de 9,4%, enquanto a ocorrência de DPI de graus 3 e 4 foram de 0,74%, com taxa de mortalidade de 0,09%. Os pesquisadores também observam que 1,95% dos pacientes tratados com T-DXd tiveram redução da FEVE, enquanto 7,7% tiveram prolongamento do QTi (intervalo de tempo que representa a duração completa da contração e relaxamento do coração durante uma batida cardíaca), sendo a maioria dos casos leves e assintomáticos.

Quando estratificada a expressão de HER2, pacientes HER2-positivos e HER2-low tiveram taxa similar de FEVE reduzida. Disfunção do ventrículo esquerdo e insuficiência cardíaca ocorreram em 0,26% dos pacientes.

Os autores lembram que várias diretrizes foram publicadas nos últimos anos para fornecer orientação clínica para o diagnóstico precoce, monitoramento e tratamento de pneumonite relacionada a T-DXd, tanto no ambiente de assistência, quanto no contexto de pesquisa clínica. “Essas diretrizes enfatizam a importância de monitorar de perto os sinais e sintomas durante a administração de T-DXd, assim como a importância de fornecer orientações para o uso de corticoterapia para reduzir o risco de resultados fatais”, destacam. Freitas Jr. e colegas também recomendam que uma equipe multidisciplinar gerencie os pacientes para melhorar os resultados clínicos.

Em conclusão, esses achados apoiam a segurança de T-DXd como opção de tratamento para pacientes com câncer de mama metastático. Nesta metanálise de 1.970 pacientes com câncer de mama metastático, o tratamento com T-DXd foi associado a uma incidência de 11,7% de DPI, 7,7% de incidência de QTi prolongado e 1,9% de incidência de FEVE reduzida. A detecção precoce e o manejo da toxicidade relacionada ao T-DXd por uma equipe multidisciplinar podem, em última análise, melhorar os resultados dos pacientes.

A íntegra do estudo está disponível em acesso aberto.

Referência: Incidence of interstitial lung disease and cardiotoxicity with trastuzumab deruxtecan in breast cancer patients: a systematic review and single-arm meta-analysis. L.R. Soares, M. Vilbert, V.D.L. Rosa, J.L. Oliveira, M.M. Deus, R. Freitas-Junior - Open Access. Published: July 21, 2023 DOI:https://doi.org/10.1016/j.esmoop.2023.101613


Publicidade
ABBVIE
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
banner_assine_300x75.jpg
Publicidade
300x250 ad onconews200519