30112020Seg
AtualizadoSeg, 30 Nov 2020 1am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Perda de peso traz benefícios no câncer de mama

Obesidade_ASCO_1.jpgDois estudos apresentados na ASCO este ano exploraram as relações entre exercício, perda de peso e o risco de câncer de mama, e comprovaram que a obesidade e o sedentarismo estão associados com um risco aumentado de desenvolver e morrer de câncer de mama.

O estudo SHAPE2 foi realizado em mulheres saudáveis na pós-menopausa, enquanto o estudo Lean foi realizado em sobreviventes de câncer de mama.

Estudo SHAPE-2

O SHAPE-2 foi projetado para comparar os efeitos de uma dieta de restrição calórica versus exercícios sobre parâmetros além da perda de peso. A atual revisão de 19 estudos de coorte e 29 estudos de caso-controle mostrou forte evidência para uma associação inversa entre atividade física e câncer de mama na pós-menopausa, com reduções de risco que variam de 20% a 40%.

O estudo envolveu 243 mulheres da Holanda pós-menopausadas, inativas, com excesso de peso e não-fumantes. Depois de 4 a 6 semanas de seguimento, período em que adotaram uma dieta padronizada, os participantes foram aleatoriamente designados para um grupo de dieta (97), um grupo de exercício mais baixa restrição calórica (98), ou um grupo de controle com o objetivo de manter o peso estável (48). O período de estudo foi de 16 semanas.

A intervenção da dieta implicou em uma redução calórica de 500 kcal por dia, enquanto a intervenção de exercício consistiu de 4 horas de resistência e exercício vigoroso por semana, além da ingestão calórica reduzida em 250 kcal por dia. O objetivo das duas intervenções foi a perda de 5 a 6 kg de peso. Os participantes do grupo controle foram orientados a manter seu peso corporal.

O endpoint primário foi a alteração dos níveis séricos de hormônios sexuais em 16 semanas. Ambos os grupos de intervenção tinham características demográficas semelhantes, com média de idade de 60 anos e índice de massa corporal de 29 kg/m2. Os dois grupos atingiram o endpoint primário para perda de peso em relação ao grupo controle (p <0,001), enquanto o peso se manteve estável no grupo de controle.

As intervenções também conseguiram reduzir significativamente os níveis de estradiol sérico, estradiol livre e testosterona no soro na comparação com o grupo controle (p <0,025). Quando os resultados foram ajustados para a variação percentual de gordura corporal, os efeitos foram atenuados ou eliminados.

Tanto o exercício quanto a dieta promoveram perda de peso similar, e os hormônios sexuais relacionados ao câncer de mama foram afetadas positivamente. No entanto, o exercício pareceu promover benefício superior. Os pacientes que se exercitaram mostraram maiores alterações em relação ao grupo tratado apenas com a dieta para o peso corporal, a gordura corporal, a preservação da massa muscular e a aptidão física, conforme medido pelos níveis de pico de VO2 (todos P <.001).

"Em comparação com a perda de peso induzida por dieta, a perda de peso por exercício teve efeitos mais benéficos sobre a composição corporal, incluindo maior perda de gordura do corpo e maior preservação da massa muscular, bem como melhor condicionamento físico", disse a principal investigadora do estudo, Anne Maio, Professora-Assistente no Julius Center for Health Sciences and Primary Care, da University Medical Center, em Utrecht, na Holanda.

Estudo LEAN

O estudo Estilo de Vida, Exercício, Nutrição (do inglês, LEAN) explorou os efeitos da perda de peso sobre marcadores inflamatórios e metabólicos em sobreviventes de câncer de mama. Curiosamente, o LEAN mostrou que houve perda de peso tanto nos pacientes designados para aconselhamento como naqueles a quem apenas foi dado um material com informações sobre perda de peso. No entanto, a perda de peso foi mais significativa nos grupos de aconselhamento.

A principal investigadora do estudo, Melinda Irwin, professora-associada de epidemiologia na Universidade de Yale School of Public Health, New Haven, Connecticut, observou que a motivação para perder peso parece ser um fator importante para o sucesso. "Todas as mulheres que entraram no estudo foram motivadas, e tanto as mulheres no grupo de intervenção como do grupo de cuidados habituais perderam peso", afirmou.

O estudo LEAN envolveu 100 pacientes com câncer de mama com sobrepeso ou obesidade; 33 foram designadas para os cuidados habituais e foram apresentadas às atividades nutricionais e folhetos do American Institute for Cancer Research, bem como assistiram a uma sessão de aconselhamento de 30 minutos aos 6 meses. As outras 67 mulheres foram designadas para 11 sessões de aconselhamento de perda de peso de 30 minutos por mais de 6 meses (33 mulheres pessoalmente e 33 mulheres por telefone). O objetivo da intervenção foi a perda de 10% do peso, 150 minutos de atividade física por semana e 10 mil passos por dia).

Cinquenta e duas mulheres (78%) completaram as intervenções, em comparação com 29 mulheres (88%) no grupo de cuidados habituais. A média de idade foi de 59 anos, e todos os participantes estavam acima do peso, eram sedentárias, com alto nível de instrução, pós-menopausadas, e tinham um tempo médio desde o diagnóstico de 2,8 anos. A maioria das mulheres eram brancas não-hispânicas, tiveram câncer de mama de fase I e II e estavam em terapia hormonal.

A perda de peso foi obtida em ambos os grupos. As mulheres do grupo de intervenção (seja o aconselhamento por telefone ou pessoalmente) perderam significativamente mais peso do que aquelas no grupo de cuidados habituais (6% de perda de peso versus 2% de perda de peso, respectivamente).

Como resultados semelhantes foram vistos tanto no aconselhamento pessoal como por telefone, os dois grupos foram reunidos para análise dos efeitos da perda de peso sobre os biomarcadores. Os grupos de dieta alcançaram uma redução de 30% da proteína C-reativa (um marcador de inflamação), em comparação com 1% no grupo de cuidados habituais. As mulheres dos grupos de intervenção dietética também tiveram maiores diminuições nos níveis de insulina, glicose, leptina, fator de necrose tumoral-alfa, e aumentos na adiponectina, interleucina-6 e IGF-1 em comparação com o grupo de cuidados habituais. As mulheres que perderam mais de 5% do peso corporal tiveram benefícios superiores.

Referências

1. May AM, van Gemert W, Peeters P, et al: Effectsofequivalentweightloss, withorwithoutexercise, on sex hormonesrelatedtobreastcancerrisk in postmenopausalwomen: The SHAPE-2 trial. ASCO Annual Meeting. Abstract 1504. Presented May 31, 2014.

2. Loftfield E, Harrigan M, Li F, et al: Effectofweightlossinterventiononinflammatoryandmetabolicmarkers in breastcancersurvivors: The lifestyle, exercise, andnutrition (LEAN) study. ASCO Annual Meeting. Abstract 1505. Presented May 31, 2014.
 

 

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519