28012021Qui
AtualizadoQua, 27 Jan 2021 7pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Proteína pode estar ligada ao mecanismo de metástase

DNA_ASCO_2_OK.jpgPesquisa realizada no Instituto de Oncologia Molecular da Universidade de Milão identificou uma proteína que dá às células cancerosas o dom da plasticidade, definida como a capacidade celular de assumir novos papeis, como por exemplo as metástases.


Ainvestigação sugere que uma proteína-chave relacionada com a supressão do tumor está, paradoxalmente, envolvida também no processo de metástase.

A investigação se concentrou na proteína ATR, conhecida por atuar como um sensor de danos em processos de reparação do DNA. Depois de detectar danos no DNA, a ATR ativa a p53, proteína conhecida como "o guardião do genoma", com papel fundamental na prevenção das mutações do DNA que levam ao câncer. Agora, a equipe de Milão descobriu que a ATR tem funções na célula mesmo na ausência de danos no DNA. "Observamos a atividade molecular de ATR e seu papel crucial na plasticidade celular", diz o coordenador da pesquisa, Marco Foiani.

O novo papel da ATR pode lançar pistas sobre os mecanismos da plasticidade das células-tronco. Alguns cientistas suspeitam que as células-tronco podem desencadear recaídas após o tratamento de câncer, atuando como reservatórios. "A relação de causa e efeito entre a ATR e a plasticidade das células-tronco é altamente provável", diz Foiani. "Agora, estamos estudando o papel da ATR no contexto de diferenciação celular."

O estudo tem a colaboração da Universidade Nacional de Cingapura e do Centro de Pesquisa em Câncer de Copenhague, na Dinamarca.
 


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519