04122020Sex
AtualizadoSex, 04 Dez 2020 6pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Trebananib para o câncer de ovário recorrente (TRINOVA-1)

C__ncer_Ov__rio.jpgRealizado entre 2010 e 2012 com mulheres com câncer epitelial de ovário recorrente de 32 países, o estudo de fase III TRINOVA-1 mostrou que a inibição das angiopoietinas aumentou significativamente a sobrevida livre de progressão (SLP), o que indica que esta opção terapêutica deve ser mais investigada em outros ambientes e em novas combinações. 

O TRINOVA-1, randomizado, duplo-cego, buscou avaliar se a adição de trebananib ao agente único paclitaxel semanal nesse grupo de pacientes melhora a SLP, endpoint primário do estudo. Foram incluídos pacientes tratados com três ou menos regimes anteriores, e um intervalo livre de platina de menos de 12 meses, randomizados aleatoriamente para receber paclitaxel semanal intravenoso (80 mg/m2) mais placebo intravenoso semanal ou trebananib (15 mg / kg).

O estudo mostrou que o trebananib inibe a ligação das angiopoietinas 1 e 2 para o receptor Tie2, inibindo assim a angiogênese de um alvo válido para o tratamento do câncer epitelial de ovário. “O estudo é muito interessante porque demonstrou atividade no câncer de ovário por uma via diferente da utilizada por outros medicamentos. Ele age como antiangiogênico, mas não pela via do VEGF. Essa é uma das inovações desse estudo”, afirma Maria Del Pilar Estevez Diz, coordenadora da oncologia clínica do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) e especialista em câncer de ovário.

Vários estudos já foram conduzidos com trebananib, mas esse é o primeiro de fase III, indispensável para a aprovação comercial da droga. Segundo a especialista, é mais uma alternativa importante para ser incluída no arsenal terapêutico de uma doença grave como o câncer de ovário. “Os pacientes responderam ao tratamento e a toxicidade foi aceitável, diferente da toxicidade dos outros antiangiogênicos”, ressalta.

Descobertas

Foram inscritos 919 pacientes, dos quais 461 foram aleatoriamente designados para o grupo trebananib e 458 para o grupo placebo. A mediana de sobrevida livre de progressão foi significativamente maior no grupo trebananib em comparação ao grupo placebo (7,2 meses [5,8 – 7,4] vs 5,4 meses [95% CI 4,3-5,5], respectivamente, HR de 0,66, 95% CI 0,57 – 0, 77, p <0,0001).

A incidência de eventos adversos de grau 3 ou superiores foi similar entre os grupos de tratamento (244 [54%] de 452 pacientes no grupo placebo vs 258 [56%] de 461 pacientes no grupo trebananib). O trebananib foi associada com mais eventos adversos relacionados com a interrupção do tratamento do que o placebo (77 [17%] vs 27 pacientes [6%], respectivamente) e maior incidência de edema (294 [64%] pacientes tiveram edema de qualquer grau no grupo trebananib grupo vs 127 [28%] pacientes no grupo placebo).

Os eventos adversos de grau 3 ou superiores incluíram ascite (34 [8]% no grupo placebo vs 52 [11%] no grupo trebananib), neutropenia (40 [9%] vs 26 [6%]), e dor abdominal (21 [5%] vs 22 [5%]). Foram registrados eventos adversos graves em 125 (28%) pacientes no grupo placebo e 159 (34%) pacientes no grupo trebananib.

O estudo foi financiado pela Amgem e está registrado no ClinicalTrials.gov, NCT01204749.

Referência:http://www.thelancet.com/journals/lanonc/article/PIIS1470-2045(14)70244-X/fulltext

 
 

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519