30062022Qui
AtualizadoQua, 29 Jun 2022 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

IKEMA: resultados atualizados reforçam eficácia de isatuximabe no mieloma múltiplo recidivado

sangueOs últimos resultados do ensaio clínico de Fase 3 IKEMA demonstraram uma sobrevida livre de progressão mediana (mPFS) de 35,7 meses para o anticorpo monoclonal anti-CD38 isatuximabe (Sarclisa®, Sanofi) em combinação com carfilzomibe e dexametasona (Kd) em comparação com 19,2 meses de mPFS em pacientes tratados com Kd isoladamente. Apresentados no Controversies in Multiple Myeloma World Congress, esses resultados representam a mPFS mais longa entre os estudos que investigam um inibidor de proteassoma no cenário de segunda linha para o tratamento de mieloma múltiplo recidivado. Os dados também serão apresentados na Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO) no dia 19 de maio.

O IKEMA é um ensaio clínico randomizado, multicêntrico e aberto de Fase 3 IKEMA envolveu 302 pacientes com mieloma múltiplo recidivado em 69 centros em 16 países. Todos os participantes do estudo receberam de uma a três terapias anti-mieloma anteriores. Durante o estudo, isatuximabe foi administrado por infusão intravenosa na dose de 10mg/kg uma vez por semana por quatro semanas, depois a cada duas semanas por ciclos de 28 dias em combinação com carfilzomibe duas vezes por semana na dose de 20/56mg/m2 e dexametasona na dose padrão para a duração do tratamento. O desfecho primário foi a sobrevida livre de progressão. Desfechos secundários incluíram taxa de resposta global, taxa de resposta completa ou melhor, taxa de resposta parcial muito boa ou melhor, taxa de negatividade de doença residual mínima, sobrevida global e segurança.

A atualização do estudo demonstrou uma sobrevida livre de progressão mediana (mPFS) de 35,7 meses (HR 0,58; 95% CI: 25,8 a 44,0; n=179) para isatuximabe (Sarclisa®, Sanofi) em combinação com carfilzomibe e dexametasona (Kd) em comparação com 19,2 meses de mPFS em pacientes tratados com Kd isoladamente (95% CI: 15,8 a 25,1; n=123). Uma análise de sobrevida livre de progressão seguindo as recomendações da agência norte-americana Food and Drug Administration sobre regras de censura, conforme aplicado nas informações de prescrição aprovadas nos EUA, mostrou mPFS de 41,7 meses para isatuximabe adicionado a Kd em comparação com 20,8 meses em pacientes tratados apenas com Kd (HR 0,59; 95% CI: 27,1 para NC não calculável).

“O aumento na sobrevida livre de progressão, observado consistentemente em todos os subgrupos, ao adicionar isatuximabe ao carfilzomibe e dexametasona é notável em pacientes com mieloma múltiplo recidivado em uma combinação de inibidores de proteassoma. A recaída é comum no mieloma múltiplo, criando a necessidade de tratamentos diferenciados de segunda linha que proporcionem aos pacientes um maior período de tempo sem progressão da doença. Esta análise atualizada reforça o potencial de isatuximabe se tornar um novo padrão de atendimento para pacientes com recidiva de mieloma múltiplo”, destacou Philippe Moreau, chefe do Departamento de Hematologia do Hospital Universitário de Nantes, na França.

O tempo para o próximo tratamento para pacientes tratados com a terapia combinada de isatuximabe foi de 44,9 meses (HR 0,55; IC 95%: 31,6 a NC) versus 25 meses para aqueles tratados com Kd isolado (IC 95%: 17,9 a 31,3). O tempo para o próximo tratamento mediu o intervalo desde a data de randomização até a data de início da próxima linha de terapia, permitindo assim a medição do período de benefício terapêutico.

A segurança e tolerabilidade de isatuximabe nesta análise foram consistentes com o perfil de segurança observado em outros ensaios clínicos, sem novos sinais de segurança. Para os grupos de terapia combinada isatuximabe e Kd, os eventos adversos mais comuns foram reação relacionada à infusão (45,8%, 3,3%), diarreia (39,5%, 32%), hipertensão (37,9%, 35,2%), infecção do trato respiratório superior (37,3% %, 27%), fadiga (31,6%, 20,5%), dispneia (30,5%, 22,1%), pneumonia (27,1%, 21,3%), dor nas costas (25,4%, 21,3%), insônia (25,4%, 24,6%) e bronquite (24,3%, 12,3%). A exposição ao tratamento no braço da terapia combinada foi 30 semanas mais longa do que no braço controle.

Eventos adversos emergentes do tratamento (TEAEs) de grau 3 ou superior foram relatados em 83,6% dos pacientes tratados com a terapia combinada e em 73% daqueles tratados apenas com Kd. TEAEs graves foram maiores no braço de terapia combinada versus Kd isolado (70,1% versus 59,8%). Nenhuma diferença foi observada após o ajuste da exposição.


Publicidade
Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
FARMAUSA
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519