25052022Qua
AtualizadoTer, 24 Maio 2022 1pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Vacina baseada em peptídeos induz resposta imune de células T em pacientes com deficiência de células B

covid hematoCoVac-1, uma nova vacina contra SARS-CoV-2, induziu respostas imunes de células T em 93% dos pacientes com deficiências de células B, incluindo muitos pacientes com leucemia e linfoma. Os resultados foram apresentados na AACR 2022. “Até onde sabemos, a CoVac-1 é atualmente a única candidata a vacina à base de peptídeo desenvolvido e avaliado especificamente para pacientes imunocomprometidos”, destacou Juliane Walz (foto), autora sênior do estudo e professora de imunoterapia no Hospital Universitário de Tübingen, na Alemanha.

Embora a vacinação induza uma resposta imune robusta contra o vírus SARS-CoV-2 na maioria dos indivíduos, as vacinas aprovadas mostraram eficácia diminuída em muitas pessoas imunocomprometidas. Pacientes em tratamento para câncer hematológico representam uma dessas populações, pois seus regimes de tratamento geralmente danificam células imunes saudáveis, particularmente células B, além das malignas. “Na clínica, vemos muitos pacientes com câncer que não apresentam respostas imunes humorais suficientes após a vacinação com as vacinas SARS-CoV-2 disponíveis. Esses pacientes estão em alto risco de um curso grave de COVID-19”, disse Walz.

Muitas quimioterapias e algumas imunoterapias destroem as células B, as células imunes responsáveis ​​pelas respostas humorais (mediadas por anticorpos). As vacinas atualmente aprovadas contra SARS-CoV-2 dependem fortemente de respostas humorais, que podem ser prejudicadas em pacientes com deficiência de células B. Uma maneira de compensar isso é aumentar a resposta das células T, outro tipo de célula imune.

“As respostas imunes de células T contra SARS-CoV-2 são de particular importância para pacientes com deficiências de células B, que desenvolvem respostas de anticorpos muito limitadas após infecção ou vacinação”, afirmaram os autores. “A imunidade mediada por células T é indispensável para o desenvolvimento de respostas antivirais protetoras, e evidências anteriores mostraram que as células T podem combater o COVID-19 mesmo na ausência de anticorpos neutralizantes”, acrescentaram.

Enquanto as vacinas atuais baseadas em mRNA produzem um pedaço maior de uma única proteína – a proteína spike – que as células podem quebrar em antígenos, os pesquisadores escolheram seis antígenos específicos de diferentes partes do vírus (não limitados a spike) para compor sua vacina. CoVac-1 é uma vacina peptídica, o que significa que os pedaços de proteína são injetados diretamente, em vez de serem codificados via mRNA. “A imunidade de células T induzida por CoVac-1 é muito mais intensa e ampla, pois é direcionada a diferentes componentes virais do que as vacinas baseadas em mRNA ou adenovirais que são limitadas à proteína spike e, portanto, são propensas à perda de atividade devido a mutações virais”, explicaram.

Os pesquisadores testaram anteriormente a segurança e a eficácia preliminar da CoVac-1 em indivíduos sem imunodeficiência e descobriram que todos aqueles que receberam a vacina mantiveram respostas robustas de células T três meses após a vacinação, incluindo respostas contra ômicron e outras variantes preocupantes do SARS-CoV-2, com efeitos colaterais sistêmicos mínimos. Esses resultados forneceram a base para um ensaio clínico de fase I/II testando a eficácia da vacina em pacientes imunocomprometidos.

Na fase I deste estudo, foram recrutados 14 pacientes com deficiência de células B, incluindo 12 pacientes com leucemia ou linfoma. Os pacientes receberam uma dose única de CoVac-1 e foram monitorados por até seis meses para segurança e imunogenicidade. 64% dos pacientes neste estudo foram previamente vacinados com uma vacina aprovada para SARS-CoV-2 que não conseguiu provocar uma resposta imune humoral.

Quatorze dias após a vacinação, as respostas imunes das células T foram observadas em 71% dos pacientes, índice que aumentou para 93% dos pacientes 28 dias após a vacinação. Os pesquisadores mediram a potência das respostas de células T induzidas por CoVac-1 e descobriram que elas excedem as respostas específicas de células T observadas em pacientes com deficiência de células B após a vacinação com vacinas de mRNA. As respostas das células T do CoVac-1 também excederam aquelas observadas em indivíduos que não estão imunocomprometidos após uma infecção por SARS-CoV-2.

Agora, os pesquisadores estão preparando um ensaio clínico de fase III para avaliar a CoVac-1 em uma população maior de indivíduos imunocomprometidos. A expectativa é que os resultados permitam que essa nova vacina proteja pacientes com câncer com deficiências de células B de casos graves de COVID-19. “A CoVac-1 foi projetada para induzir imunidade ampla e duradoura das células T SARS-CoV-2, mesmo em indivíduos que têm capacidade prejudicada de montar imunidade suficiente de uma vacina atualmente aprovada e, assim, proteger esses pacientes de alto risco de uma COVID-19 grave”, disse Walz.

As limitações do estudo incluem um tamanho de amostra relativamente pequeno com baixa diversidade racial e étnica.

O financiamento deste estudo foi fornecido pelo Ministry of Science, Research and the Arts of the State Baden-Württemberg, Germany; Federal Ministry of Research and Education in Germany; German Research Foundation under Germany’s Excellence Strategy; e the Clinical Cooperation Unit Translational Immunology.

Referência: 
Session Type: Minisymposium
Session Number: MS.COVID01.01
Session Title: COVID-19 and Cancer
Session Time: Tuesday, April 12, 2022, 2:30 pm - 4:45 pm
Presentation Number: CT258
Publishing Title: Interim safety and immunogenicity results of a Phase I trial evaluating the multi-peptide COVID-19 vaccine candidate CoVac-1 for induction of SARS-CoV-2 T cell immunity in cancer patients with disease- or treatment-related immunoglobulin deficiency
Authors: Claudia Tandler, Jonas S. Heitmann, Maddalena Marconato, Yacine Maringer, Monika Denk, Marion Richter, Annika Nelde, Imma Fischer, Markus W. Löffler, Hans-Georg Rammensee, Helmut R. Salih, Juliane S. Walz.


Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519