12082022Sex
AtualizadoQui, 11 Ago 2022 5pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Variante do gene CTLA-4 associada à doença autoimune e resposta à imunoterapia no CPCNP

Clarissa Baldotto NET OKEstudo apresentado na AACR 2022 demonstrou que uma variante do gene CTLA-4 associada à doença autoimune foi mais freqüente em pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP) que apresentaram uma resposta excepcionalmente alta à imunoterapia anti-PD-1 e mais efeitos colaterais imuno-relacionados em comparação com duas coortes, uma de pacientes com câncer de pulmão em geral e outra de indivíduos saudáveis. A oncologista Clarissa Baldotto (foto), Diretora do Núcleo de Integração Oncológica da Oncologia D'Or, comenta os resultados.

O bloqueio da proteína de checkpoint imunológico PD-1 e seu ligante PD-L1 permite o controle durável do câncer em uma proporção de pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP). No entanto, uma proporção substancial de pacientes tem resultados abaixo do ideal e a variabilidade na resposta permanece incompletamente compreendida. Eventos adversos imuno-relacionados (irAEs) correlacionam-se com a sobrevida para terapia anti-PD1/PD-L1 de agente único no CPNPC, sugerindo benefícios da ativação imune sistêmica. Da mesma forma, o bloqueio farmacológico combinado de um segundo checkpoint imune, como o CTLA-4, com o PD-1, aumenta a ativação imunológica, podendo resultar em melhores resultados oncológicos e mais irAEs.

“Isso sugere um mecanismo compartilhado por trás da predisposição que impulsiona a autoimunidade e uma melhor resposta à imunoterapia contra o câncer”, disse Allen. “Nós levantamos a hipótese de que os pacientes que apresentam resposta aumentada podem abrigar mutações genéticas dentro do gene CTLA-4 que podem contribuir para melhores resultados”, acrescentou.

No estudo, os autores realizaram o sequenciamento do genoma completo (Illumina HiSeq X Ten) no DNA da linhagem germinativa de 35 pacientes com CPCNP que apresentaram resposta excepcional à terapia anti-PD-1, definida como sobrevida livre de progressão de pelo menos dois anos e um ou mais eventos adversos imuno-relacionados (irAEs) de grau 2 ou superior. Nesses pacientes, a frequência de certos polimorfismos de nucleotídeo único (SNPs) na região genética que engloba o gene CTLA-4 foi analisada e comparada com a de pacientes com câncer de pulmão do Pan-Cancer Analysis of Whole Genomes (PCAWG) e idosos sem câncer e demência incluídos no Medical Genome Reference Bank (MGRB).

Allen e colegas identificaram vários polimorfismos de nucleotídeo único que eram mais frequentes nos respondedores excepcionais em comparação com as outras duas coortes. Em particular, um SNP estava presente em 15,7% dos respondedores excepcionais e foi duas vezes mais frequente do que em pacientes da coorte PCAWG e quase quatro vezes mais frequente do que aqueles indivíduos na coorte MGRB.

“Foi relatado que este SNP afeta a função da proteína do checkpoint imune CTLA-4 para aumentar a suscetibilidade a doenças autoimunes, como diabetes tipo 1 e artrite reumatóide. O enriquecimento dessa variante em nossa coorte sugere um mecanismo pelo qual ela pode estar conferindo maior resposta ao tratamento. Como tal, esta variante CTLA-4 pode ser usada para identificar pacientes que se beneficiariam do tratamento anti-PD-1”, esclareceu Allen.

Segundo os pesquisadores, a identificação dessa variante genética por meio do sequenciamento genômico pode ser utilizada em conjunto com biomarcadores existentes para ajudar a selecionar pacientes com CPCNP que podem apresentar melhor resposta aos inibidores de checkpoint imune anti-PD1/PD-L1 e aqueles em risco de efeitos colaterais autoimunes mais graves. Os autores estão expandindo a busca por biomarcadores de resposta genética para outros genes autoimunes, incluindo genes vizinhos do CTLA-4, como CD28 e ICOS.

“A imunoterapia mudou o tratamento e prognóstico dos pacientes com câncer de pulmão. Atualmente quase todos os pacientes serão candidatos a usar inibidores de PD-1/PD-L1 e/ou anti-CTLA-4, com doença avançada e mais recentemente, doença inicial”, observa Clarissa. “Além do PD-L1, com todas as suas limitações, não há outros biomarcadores preditivos que possam ser utilizados neste cenário. Por esta razão este estudo é muito interessante, pela tentativa de encontrar um biomarcador molecular, mais preciso e precoce, a partir de um biomarcador clínico já descrito (toxicidade)”, acrescenta.

“Uma análise mais aprofundada do impacto imunológico de tais variantes genéticas pode ajudar a entender melhor os mecanismos subjacentes à variabilidade atual na resposta e por que alguns pacientes desenvolvem efeitos colaterais autoimunes mais graves após a terapia de checkpoint imunológico”, disse Allen. “Compreender os mecanismos de resposta a esses medicamentos é fundamental para ampliar seu potencial benefício clínico”, avalia.

Como limitação do estudo, os autores apontam a falta de comparação direta com não respondedores, que estão sendo recrutados e submetidos ao sequenciamento para análise futura. Além disso, os custos associados ao sequenciamento do genoma completo e a raridade de pacientes com resposta excepcional à imunoterapia limitou o tamanho da amostra. Outras limitações incluem as diferenças na demografia do paciente, incluindo sexo, idade e tabagismo, e diferenças no processo de recrutamento entre a coorte de respondedores excepcionais e as coortes de comparação (MGRB e PCAWG), embora essas diferenças tenham sido levadas em consideração nas comparações.

“Apesar de se tratar de um estudo pequeno, com um grupo controle ainda imperfeito, gerador de hipótese, a identificação de uma alteração genômica potencialmente candidata a biomarcador é animadora”, conclui Clarissa.

O estudo foi financiado pela Bioplatforms Australia, The Kinghorn Foundation e The Garvan Institute.

Referência:
Session Type: Minisymposium
Session Number: MS.IM02.03

Session Title: Immune Checkpoint and Immune Modulatory Therapy
Session Time: Sunday, April 10, 2022, 3:00 pm - 5:00 pm
Presentation Number: 665
Publishing Title: Correlation between a CTLA-4 single nucleotide polymorphism and high response to anti PD1/PDL1 immunotherapy in advanced non small cell lung câncer
Authors: India A. Allen, Amanda Russell, Katherine J. L. Jackson, Timothy Peters, Greg Gibson, Anthony M. Joshua, Christopher C. Goodnow, Deborah L. Burnett, Megan B. Barnet. The Garvan Institute, Sydney, Australia


Publicidade
Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
FARMAUSA
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519