21052022Sáb
AtualizadoSex, 20 Maio 2022 7pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

American Cancer Society atualiza diretrizes de nutrição e atividade física para sobreviventes de câncer

GuidelinesAtividade física regular e uma dieta saudável são dois dos fatores modificáveis ​​mais importantes na saúde a longo prazo em sobreviventes de câncer, segundo as diretrizes atualizadas da American Cancer Society para Nutrição e Atividade Física em Sobreviventes de Câncer. “Desde a publicação da última Diretriz para Sobreviventes, em 2012, as evidências cresceram substancialmente, embora muitas lacunas permaneçam, especialmente para os tumores menos comuns”, observam os autores. O guideline foi publicado no periódico CA: A Cancer Journal for Clinicians.

Atualmente, a taxa de sobrevida relativa global em 5 anos para todos os cânceres combinados é de 68%, e há mais de 16,9 milhões de sobreviventes nos Estados Unidos. Evidências de estudos laboratoriais e observacionais sugerem que fatores como dieta, atividade física e obesidade podem afetar o risco de recorrência e sobrevida global após o diagnóstico de câncer. “O objetivo desta diretriz é oferecer recomendações específicas baseadas em evidências para parâmetros antropométricos, atividade física, dieta e ingestão de álcool para reduzir a recorrência e a mortalidade geral e câncer-específica”, esclarecem os autores.

As fontes de evidência que formam a base desta diretriz são revisões sistemáticas da literatura, meta-análises, análises agrupadas de estudos de coorte e grandes ensaios clínicos randomizados publicados desde 2012. Para fornecer contexto adicional para as diretrizes, os autores também incluem informações sobre a relação entre comportamentos relacionados à saúde e comorbidades, sequelas de longo prazo e resultados relatados pelo paciente e disparidades de saúde, com atenção para permitir que os sobreviventes possam aderir às recomendações.

Câncer de mama

As revisões sistemáticas indicam que maior obesidade, seja pré-diagnóstico ou pós-diagnóstico, está associada a maior risco de recorrência, mortalidade específica por câncer de mama e mortalidade geral. É menos claro se a perda de peso independente daquela relacionada à doença afeta os resultados do câncer de mama. Há evidências fortes e consistentes de que a atividade física, tanto no pré-diagnóstico quanto no pós-diagnóstico, está associada à redução do risco de mortalidade específica por câncer de mama e por todas as causas.

Estudos indicam que o aumento da atividade após o diagnóstico tem efeitos positivos nos resultados do câncer de mama. Padrões alimentares mais saudáveis ​​​​após o diagnóstico estão associados a menor risco de mortalidade geral e não por câncer de mama, enquanto padrões alimentares menos saudáveis ​​​​após o diagnóstico estão associados a maior risco desses desfechos de mortalidade. O consumo de alimentos à base de soja antes do diagnóstico está associado a menor risco de mortalidade geral. As evidências de que a ingestão de gordura ou seus subtipos estão associados à mortalidade são inconsistentes e limitadas.

As evidências existentes sugerem que não há associação entre ingestão de álcool e mortalidade geral em sobreviventes de câncer de mama, embora essa evidência seja limitada. A evidência para o consumo de álcool, incluindo pós-diagnóstico, em relação à recorrência do câncer de mama é inconsistente. Possíveis associações heterogêneas por receptor de estrogênio e status menopausal justificam uma investigação mais aprofundada.

Tumores gastrointestinais e do sistema aerodigestivo Superior e Digestivo

O índice de massa corporal (IMC) mais alto não está consistentemente associado à sobrevida após o câncer gastrointestinal; as relações diferem por tipo de câncer, tempo de medição do IMC e resultado do câncer. Não há dados que abordem se a perda de peso intencional após um diagnóstico de câncer gastrointestinal melhorará os resultados.

Algumas evidências apoiam um papel para o aumento da adiposidade visceral, levando a uma maior mortalidade por todas as causas após o câncer colorretal. Maior atividade física está associada a melhor sobrevida global e específica do câncer colorretal, e menor tempo sedentário também está associado a menor mortalidade específica ao CCR; a evidência para outros cânceres GI é limitada e inconclusiva.

Um padrão alimentar ocidental está relacionado à pior sobrevida após o CCR; a evidência é limitada para outros tumores gastrointestinais. O consumo de álcool pré-diagnóstico <30 g por dia está associado a uma menor mortalidade geral e específica do CCR; não há associação entre consumo de álcool pós-diagnóstico e desfechos de sobrevida. As evidências disponíveis suportam limitar ou evitar o álcool após o câncer de laringe, cabeça e pescoço ou hepático, porque o álcool pode aumentar a mortalidade por todas as causas entre os sobreviventes desses tumores.

Tumores geniturinários

As evidências de fatores relacionados à nutrição e atividade física que podem influenciar a sobrevida de tumores geniturinários são inconsistentes e, para alguns dos tumores GU menos comuns, inexistentes. A totalidade das evidências em revisões sistemáticas não suporta uma associação de peso corporal, IMC ou composição corporal com progressão do câncer de próstata ou mortalidade específica por câncer de próstata.

Os dados são inconclusivos para o câncer de bexiga em termos de mortalidade geral e câncer-específica; recorrência e progressão estão associadas ao estado de sobrepeso/obesidade para doença não invasiva. No entanto, um IMC mais alto pode aumentar o risco de recorrência ou progressão em pacientes com câncer de bexiga e está inversamente associado à sobrevida do câncer renal.

Há evidências consistentes de que a atividade física está associada a uma menor mortalidade geral e específica do câncer de próstata. As análises de revisão sistemática dos padrões de dieta e tumores geniturinários são poucas e sugerem que os padrões de dieta ocidentais estão associados a maior mortalidade específica e geral por câncer de próstata, e um padrão alimentar estilo mediterrâneo está associado a menor mortalidade por todas as causas entre os sobreviventes do câncer de próstata. Nenhuma revisão sistemática que atendeu aos critérios de inclusão foi realizada avaliando a ingestão de álcool e os resultados do câncer geniturinário.

Tumores ginecológicos

Embora as evidências atuais sejam limitadas e inconclusivas, há evidências emergentes de que a obesidade pode estar associada a uma menor sobrevida após um diagnóstico de câncer de endométrio, e evidências precoces, mas limitadas, sugerem que a atividade física após o diagnóstico pode melhorar a sobrevida de tumores ginecológicos. Para o câncer de ovário, não há evidências suficientes sobre o papel de comportamentos como dieta, atividade física e consumo de álcool em sobreviventes da doença.

Nenhuma revisão sistemática ou meta-análise sobre o papel de fatores de risco modificáveis no prognóstico de câncer cervical, vaginal ou vulvar estava disponível no momento do relatório. 

Câncer de pulmão

As evidências sobre parâmetros antropométricos, atividade física e dieta em relação ao prognóstico do câncer de pulmão permanecem limitadas. Apesar de algumas associações benéficas entre ser fisicamente ativo e ter um IMC mais alto com a sobrevida específica do câncer de pulmão em pacientes com câncer de pulmão, mais estudos são necessários para confirmar essas associações.

Não foram identificadas revisões sistemáticas, meta-análises ou ensaios clínicos randomizados controlados de consumo de álcool e sobrevida de câncer de pulmão. É importante ressaltar que as evidências atuais avaliaram as exposições antes do diagnóstico como impulsionadoras de resultados relacionados à sobrevida mais do que avaliaram comportamentos ou mudanças de comportamento após o diagnóstico.

Cânceres hematológicos

Há alguma evidência de um efeito protetor da atividade física pré-diagnóstico, bem como um efeito adverso da ingestão de álcool pré-diagnóstico no prognóstico em pacientes com cânceres hematológicos, embora a confusão pelo tabaco deva ser descartada. As evidências são escassas e não suportam os benefícios das recomendações dietéticas para esses pacientes no momento, e mais pesquisas são necessárias.

Referência: Rock CL, Thomson CA, Sullivan KR, et al. American Cancer Society nutrition and physical activity guideline for cancer survivors. CA Cancer J Clin. 2022. https://doi.org/10.3322/caac.21719


Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519