12082022Sex
AtualizadoQui, 11 Ago 2022 5pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Ressonância magnética multiparamétrica ou ultrassonografia multiparamétrica no diagnóstico do câncer de próstata

Prostata 2017 NET OK 1Qual a concordância entre a ultrassonografia multiparamétrica e a ressonância magnética (MRI) multiparamétrica para diagnosticar câncer de próstata clinicamente significativo? Grey et al. relatam no Lancet Oncology resultados de análise comparativa, indicando que a ultrassonografia multiparamétrica pode ser uma alternativa à RM multiparamétrica para pacientes com risco de câncer de próstata.

A ressonância magnética multiparamétrica da próstata seguida de biópsia direcionada é recomendada para pacientes com risco de câncer de próstata, mas a ultrassonografia multiparamétrica está mais prontamente disponível. No entanto, quando analisada a base de evidências, o uso de RM multiparamétrica é apoiado por estudos de validação de coorte e ensaios randomizados controlados, enquanto a evidência para ultrassonografia individual e ultrassonografia multiparamétrica é derivada apenas de séries de casos.

Neste estudo de coorte prospectivo, que envolveu sete hospitais no Reino Unido, o objetivo dos pesquisadores foi estabelecer a concordância entre ressonância magnética multiparamétrica e ultrassonografia multiparamétrica como estratégia diagnóstica no câncer de próstata clinicamente significativo.

Foram inscritos pacientes com risco de câncer de próstata, com concentração elevada de antígeno prostático específico (PSA) ou achados anormais no toque retal, submetidos à ultrassonografia multiparamétrica e à ressonância magnética multiparamétrica.

O estudo considerou a ultrassonografia multiparamétrica modo-B, Doppler colorido, elastografia em tempo real e ultrassonografia com contraste. A RM multiparamétrica compreender imagens ponderadas em T2 de alta resolução, imagens ponderadas em difusão (dedicado B 1400 s/mm2 ou 2000 s/mm2 e mapa de coeficiente de difusão aparente) e imagens axiais ponderadas em T1 com contraste dinâmico. Pacientes com achados positivos na ultrassonografia multiparamétrica ou na RM multiparamétrica foram submetidos a biópsias direcionadas, mas os resultados foram mascarados. Os endpoints co-primários foram a proporção de lesões positivas e a concordância entre ressonância magnética multiparamétrica e ultrassonografia multiparamétrica na identificação de lesões suspeitas (escore de Likert de ≥3) e detecção de câncer clinicamente significativo (definido como um escore de Gleason de ≥4 + 3 em qualquer área ou comprimento máximo do núcleo do câncer de ≥6 mm de qualquer grau [definição PROMIS 1]) nos indivíduos submetidos à biópsia. 

Resultados

Entre 15 de março de 2016 e 7 de novembro de 2019, 370 pacientes elegíveis foram inscritos; 306 pacientes completaram ultrassom multiparamétrico e ressonância magnética multiparamétrica e 257 foram submetidos à biópsia de próstata.

Os resultados reportados por Grey et al. mostram que a ultrassonografia multiparamétrica foi positiva em 272 (89% [IC 95% 85–92]) de 306 pacientes e a RM multiparamétrica foi positiva em 238 pacientes (78% [73–82]; diferença 11,1% [IC 95% 5 1] -171]). A concordância positiva do teste foi de 73,2% (IC 95% 67,9–78,1; κ=0 06 [IC 95% -0 56 a 0 17]).

133 (52% [95% CI 45 5–58]) de 257 pacientes tiveram câncer detectado, com 83 (32% [26–38]) de 257 sendo clinicamente significativos pela definição 1 do PROMIS. A ultrassonografia multiparamétrica sozinha foi capaz de detectar câncer PROMIS definição 1 em 66 (26% [95% CI 21-32]) de 257 pacientes que fizeram biópsias, enquanto a RM multiparamétrica detectou câncer de próstata clinicamente significativo em 77 (30% [24-36]; diferença -4,3% [ IC 95% –8 3% a –0 3]).

Os autores descrevem que a combinação de ambos os testes detectou 83 (32% [IC 95% 27–38]) de 257 casos de câncer clinicamente significativos de acordo com a definição do PROMIS. Desses 83 casos de câncer, seis (7% [IC 95% 3-15]) foram detectados exclusivamente com ultrassom multiparamétrico e 17 (20% [12-31]) foram detectados exclusivamente por ressonância magnética multiparamétrica (concordância 91,1% [95] % CI 86 9–94 2]; κ=0 78 [95% CI 0 69–0 86]).

Nenhum evento adverso grave foi relacionado à atividade do estudo.

Em conclusão, a ultrassonografia multiparamétrica detectou 4,3% menos casos de câncer de próstata clinicamente significativos do que a ressonância magnética multiparamétrica, mas levaria a 11,1% mais pacientes sendo encaminhados para biópsia. “A ultrassonografia multiparamétrica pode ser uma alternativa à RM multiparamétrica como primeiro exame para pacientes com risco de câncer de próstata, principalmente se a RM multiparamétrica não puder ser realizada”, destacam os autores. O uso combinado de ambos os métodos aumentaria a detecção de casos de câncer de próstata clinicamente significativos em comparação com o uso de cada teste isoladamente.

O estudo tem financiamento da Jon Moulton Charity Trust, Prostate Cancer UK e UCLH Charity and Barts Charity (ClinicalTrials.govNCT02712684).

Referência: Alistair D R Grey, Rebecca Scott, Bina Shah, Peter Acher, Sidath Liyanage, Menelaos Pavlou, Rumana Omar, Frank Chinegwundoh, Prasad Patki, Taimur T Shah, Sami Hamid, Maneesh Ghei, Kayleigh Gilbert, Diane Campbell, Chris Brew-Graves, Nimalan Arumainayagam, Alex Chapman, Laura McLeavy, Angeliki Karatziou, Zayneb Alsaadi, Tom Collins, Alex Freeman, David Eldred-Evans, Mariana Bertoncelli-Tanaka, Henry Tam, Navin Ramachandran, Sanjeev Madaan, Mathias Winkler, Manit Arya, Mark Emberton, Hashim U Ahmed, Multiparametric ultrasound versus multiparametric MRI to diagnose prostate cancer (CADMUS): a prospective, multicentre, paired-cohort, confirmatory study, The Lancet Oncology, Volume 23, Issue 3, 2022, Pages 428-438, ISSN 1470-2045, https://doi.org/10.1016/S1470-2045(22)00016-X.


Publicidade
Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
FARMAUSA
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519