12082022Sex
AtualizadoQui, 11 Ago 2022 5pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Congresso aprova MP e agiliza a incorporação de medicamentos orais

ComprimidosA Câmara dos Deputados aprovou quinta-feira, 10 de fevereiro, a Medida Provisória 1067/21, que estabelece novas regras para a incorporação de novos tratamentos na saúde suplementar. O texto aprovado determina o prazo de 180 dias para análise do processo de inclusão de procedimentos e medicamentos na lista da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), prorrogáveis por mais 90 dias. A matéria será enviada à sanção presidencial.

O prazo é o mesmo concedido à Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) e foi incluído por meio de uma das emendas aprovadas.

Em relação aos medicamentos oncológicos de uso oral e domiciliar, inclusive aqueles com tratamento iniciado na internação hospitalar, o fornecimento pelos planos de saúde será obrigatório, em conformidade com a prescrição médica e desde que estejam registrados na Anvisa com uso terapêutico aprovado para essas finalidades.

Outra emenda aprovada fixou prazo menor, de 120 dias, prorrogáveis por 60 dias corridos. O texto garante a obrigatoriedade automática dos medicamentos e tratamentos até a decisão final caso o prazo não seja cumprido. Será garantida ainda a continuidade do tratamento ou do uso do medicamento em análise mesmo se essa decisão for desfavorável.

A Medida Provisória determina que os medicamentos orais contra o câncer sejam fornecidos em 10 dias após a prescrição médica, por meio de rede própria, credenciada, contratada ou referenciada, podendo ser fracionado por ciclo de tratamento. É obrigatório comprovar que o paciente ou seu representante legal recebeu as devidas orientações sobre o uso, conservação e eventual descarte do medicamento.

A MP também cria uma comissão técnica de apoio, a exemplo do que já existe no SUS, para assessorar a ANS na tomada de decisões sobre novas tecnologias e medicamentos. A Comissão de Atualização do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde Suplementar será composta por um representante indicado pelo Conselho Federal de Medicina; um representante da sociedade de especialidade médica, conforme a área terapêutica ou o uso da tecnologia analisada, indicado pela Associação Médica Brasileira (AMB); um representante de entidade representativa de consumidores de planos de saúde; um representante de entidade representativa dos prestadores de serviços de saúde suplementar; um representante de entidade representativa das operadoras de planos privados de assistência à saúde; e representantes de áreas de atuação profissional da saúde relacionadas ao evento ou procedimento sob análise.

Com informações da Agência Câmara de Notícias.

Publicidade
Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
FARMAUSA
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519