25052022Qua
AtualizadoTer, 24 Maio 2022 1pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Segurança da vacina de mRNA contra a COVID-19 em pacientes com câncer

vacina pfizer bxEstudo liderado por pesquisadores do Fox Chase Cancer Center confirma que a vacina de mRNA contra a COVID-19 é tão segura para pessoas com câncer quanto para indivíduos livres da doença. “Este é o maior estudo publicado até o momento examinando os eventos adversos de curto prazo da vacinação contra COVID-19 em pacientes com câncer e seu potencial impacto em pacientes em tratamento oncológico ativo”, afirmam os autores em artigo publicado na edição de fevereiro do Journal of the National Comprehensive Cancer Network (JNCCN).

Um total de 2.033 pacientes foram incluídos no estudo. A primeira pesquisa foi completada por 1.752 pacientes após a dose 1 da vacina; ambas as pesquisas foram preenchidas por 1.260 pacientes. Dos entrevistados que completaram pelo menos uma pesquisa pós-vacinação, 67,5% (1.183/1.753) tinham histórico de câncer, dos quais 17,8% (n=211) estavam em tratamento ativo contra a doença.

Entre os 1.183 pacientes com histórico de câncer, 92,5% (n=1.094) tinham uma neoplasia sólida e 7,5% (n=89) uma neoplasia hematológica. “As malignidades hematológicas estavam subrepresentadas e relativamente poucos pacientes estavam recebendo tratamento ativo. Também é importante ressaltar que a população do estudo recebeu apenas a vacina mRNA Pfizer BNT162b2”, observam os autores.

As formas de tratamento ativo incluíram cirurgia (24,2%, 51/211) dos pacientes, radioterapia (18,0%, 38/211), quimioterapia para 39,8% (84/211) e outras terapias sistêmicas (imunoterapia [16,6%; 35/ 211], terapia direcionada [24,2%; 51/211] ou terapia hormonal [59,2%; 125/211]) para 26,1% (55/211) (Tabela 1).

Os pacientes com diagnóstico de câncer eram mais velhos do que aqueles na coorte sem câncer (idade mediana, 68 vs 66 anos; P <0,001) e mais propensos a ser afro-americanos/negros (20,0% vs 9,8%; P <0,001) e do sexo masculino (42,2% vs 31,9%; P <0,001). Um histórico de infecção por COVID-19 antes da vacinação foi relatado por 3,4% de todos os entrevistados.

Resultados

Os sintomas pós-vacinação foram comuns e relatados com frequências semelhantes por pacientes com e sem câncer (73,3% vs 72,5%; P = 0,71). Não foram encontradas diferenças significativas entre pacientes com e sem câncer, respectivamente, na frequência de eventos adversos quando as respostas à primeira e segunda dose de vacina foram tabuladas separadamente (dose 1: 61,3% vs 60,2%; P = 0,67 vs dose 2: 64,2% vs 62,8%; P = 0,63).

Entre os entrevistados de ambas as pesquisas, pelo menos um evento adverso foi relatado com mais frequência para a dose 2 do que para a dose 1 (63,7% vs 60,2%; P = 0,024). Para pacientes com câncer, os eventos adversos relatados com mais frequência após a dose 2 incluíram fadiga, dor nas articulações, febre, calafrios, dor de cabeça e náusea. As reações alérgicas foram raras após a dose 1 (6/1.752) e a dose 2 (9/1.261). Os sintomas pós-vacinação para todos os pacientes foram relatados com mais frequência por mulheres do que por homens (77,8% vs 65,5%; P <0,001) e foram mais comuns em pacientes mais jovens (idade 18-59 anos: 84,4%; 60-79 anos: 72,2%; ≥80 anos: 50,0%; P <0,001).

A dor local no local da injeção foi o sintoma relatado com mais frequência para todos os entrevistados e não distinguiu pacientes com câncer daqueles sem câncer após a dose 1 (39,3% vs 43,9%; P = 0,07) ou dose 2 (42,5% vs 40,3 %; P = 0,45). A dor muscular após a primeira vacinação foi mais frequente em pacientes com câncer do que naqueles sem (16,5% vs 11,9%; P=0,012), mas foi de menor duração (média, 2,2 vs 3,0 dias; P=0,04). Dor nas articulações, febre, calafrios, dor de cabeça e náusea não foram relacionados ao estado do câncer.

Relatos de qualquer sintoma com duração superior a 5 dias foram incomuns para ambos os grupos (10,2% vs 9,8%; P = 0,90). Entre os pacientes com câncer, aqueles que receberam tratamento ativo foram menos propensos a relatar dor no local da injeção após a dose 1 em comparação com aqueles que não receberam tratamento ativo (30,0% vs 41,4%; P = 0,002). O perfil de eventos adversos para pacientes com câncer recebendo tratamento ativo não diferiu por tipo de tratamento para a dose 1 ou a dose 2.

“Esse estudo aborda apenas os eventos adversos de curto prazo da vacina COVID-19 em pacientes com câncer. Os primeiros relatórios sugerem que o protocolo de 2 doses da vacina de mRNA induz imunidade na maioria dos pacientes com câncer, incluindo aqueles que recebem imunoterapia ativa. Estudos futuros de vacinação para COVID-19 envolvendo pacientes com câncer precisarão abordar possíveis casos raros e eventos adversos de longo prazo nesta população, avaliar a durabilidade da resposta imune mediada pela vacina e determinar o impacto, se houver, da vacina nos tratamentos contra o câncer”, concluem os autores.

Referência: Shulman, R. M. et al - Adverse Events Reported by Patients With Cancer After Administration of a 2-Dose mRNA COVID-19 Vaccine, Journal of the National Comprehensive Cancer Network, 20(2), 160-166. Retrieved Feb 8, 2022

   

 

Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519