18042024Qui
AtualizadoQua, 17 Abr 2024 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

Lenvatinibe mais pembrolizumabe no câncer de endométrio avançado

Gineco NET OKEm publicação ahead of print na New England Journal of Medicine (NEJM), Makker V et al. apresentam resultados de estudo randomizado de Fase 3 que avaliou lenvatinibe mais pembrolizumabe em pacientes com câncer de endométrio avançado. O estudo atingiu seu principal endpoint e mostrou que a combinação trouxe benefício de sobrevida global e sobrevida livre de progressão nessa população de pacientes.

A terapia padrão para câncer de endométrio avançado após falha da quimioterapia à base de platina permanece incerta. Este estudo de Fase 3 inscreveu pacientes com câncer de endométrio avançado previamente expostos a pelo menos um regime de quimioterapia à base de platina. Os pacientes elegíveis foram randomizados 1:1 para receber lenvatinibe (20 mg via oral uma vez ao dia) mais pembrolizumabe (200 mg via intravenosa a cada 3 semanas) ou quimioterapia de escolha do médico (doxorrubicina a 60 mg/m2 de superfície corporal, por via intravenosa a cada 3 semanas, ou paclitaxel a 80 mg/m2 via intravenosa semanalmente [com um ciclo de 3 semanas de tratamento e 1 semana de pausa]). Os endpoints primários foram a sobrevida livre de progressão (SLP) avaliada por revisão central independente e cega (RECIST v 1.1) e sobrevida global (SG), além de dados de segurança. Os endpoints foram avaliados em pacientes com doença proficiente em genes de reparo (pMMR) e em todos a população do estudo.

Resultados

Um total de 827 pacientes (697 com doença pMMR e 130 com deficiência em genes de reparo) foram randomizados para receber lenvatinibe mais pembrolizumabe (N=411) ou quimioterapia (N=416).

Os resultados reportados por Makker V et al. mostram que a sobrevida livre de progressão mediana foi maior com lenvatinibe mais pembrolizumabe do que com quimioterapia, tanto na população pMMR (6,6 vs. 3,8 meses; razão de risco para progressão ou morte, 0,60; intervalo de confiança de 95% [IC], 0,50 a 0,72; P <0,001), quanto na população geral (7,2 vs. 3,8 meses; HR, 0,56; IC 95%, 0,47 a 0,66; P <0,001).

Os dados de sobrevida global também favoreceram a combinação versus quimioterapia, tanto na população pMMR (17,4 vs. 12,0 meses; HR, 0,68; IC 95%, 0,56 a 0,84; P<0,001), quanto na população geral (18,3 vs. 11,4 meses; razão de risco, 0,62; IC 95%, 0,51 a 0,75; P <0,001).

Em relação ao perfil de segurança, eventos adversos de grau 3 ou superior ocorreram em 88,9% dos pacientes que receberam a combinação e em 72,7% daqueles tratados com quimioterapia.

“Lenvatinibe mais pembrolizumabe levou a uma sobrevida livre de progressão e sobrevida global significativamente mais longa do que a quimioterapia em pacientes com câncer de endométrio avançado”, concluem os autores.

Este estudo (Study 309–KEYNOTE-775) está registrado na plataforma ClinicalTrials.gov: NCT03517449.

https://clinicaltrials.gov/ct2/show/NCT03691051

Referências
Makker V, Colombo N, Casado Herráez A, Santin AD, Colomba E, Miller DS, Fujiwara K, Pignata S, Baron-Hay S, Ray-Coquard I, Shapira-Frommer R, Ushijima K, Sakata J, Yonemori K, Kim YM, Guerra EM, Sanli UA, McCormack MM, Smith AD, Keefe S, Bird S, Dutta L, Orlowski RJ, Lorusso D; Study 309–KEYNOTE-775 Investigators. Lenvatinib plus Pembrolizumab for Advanced Endometrial Cancer. N Engl J Med. 2022 Jan 19. doi: 10.1056/NEJMoa2108330. Epub ahead of print. PMID: 35045221.


Publicidade
ABBVIE
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
banner_assine_300x75.jpg
Publicidade
300x250 ad onconews200519