02122021Qui
AtualizadoSeg, 29 Nov 2021 7pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Testes de PSA têm tendência de alta nos EUA

RASTREAMENTO NET OKEstudo de coorte nacional identificou aumento relativo de 12,5% nas taxas de teste de PSA nos Estados Unidos para homens com idade entre 40 e 89 anos de 2016 a 2019, revertendo a tendência de queda observada após a orientação da Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA (USPSTF) de 2017, que desencorajava o teste de PSA para todos os pacientes. É o que apontam Leapman et al, em artigo no Jama Oncology.“O aumento dos testes também foi observado entre os homens mais velhos, que podem ter menos probabilidade de se beneficiar do rastreamento do câncer de próstata”, analisam os autores.

Em abril de 2017, a Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA (USPSTF) publicou um projeto de diretriz revertendo sua orientação de 2012 que desaconselhava o rastreamento do câncer de próstata baseado no antígeno específico da próstata (PSA) em todos os homens (grau D), em vez de endossar a decisão individual - realizar o PSA para homens de 55 a 69 anos (grau C).

Este grande estudo de coorte retrospectivo considerou pacientes com seguro privado e de 1º de janeiro de 2013 a 31 de dezembro de 2019 inscreveu beneficiários com idade entre 40 e 89 anos. O número médio de beneficiários elegíveis para cada período bimestral foi 8087565 (variação, 6407602-8747308) e a idade média de todos os beneficiários elegíveis foi de 53 anos (IQR, 47-59 anos).

Os resultados mostram que entre 2016 e 2019, a taxa média (SD) de teste de PSA aumentou de 32,5 (1,1) para 36,5 (1,1) testes por 100 pessoas-ano, refletindo aumento relativo de 12,5% (IC de 95%, 1,1% -24,4%). Durante o mesmo período, as taxas médias (DP) de teste de PSA aumentaram de 20,6 (0,8) para 22,7 (0,9) testes por 100 pessoas-ano entre homens com idade entre 40 e 54 anos (aumento relativo, 10,1%; IC de 95%, -2,8 % a 23,7%), de 49,8 (1,9) para 55,8 (1,8) testes por 100 pessoas-ano na faixa de 55 a 69 anos (aumento relativo de 12,1%; IC de 95%, -0,2% a 25,2%) e passou de 38,0 (1,4) a 44,2 (1,4) testes por 100 pessoas-ano entre homens com idade entre 70 e 89 anos (aumento relativo de 16,2%; IC de 95%, 4,2% -29,0%).

Em conclusão, a análise de série temporal interrompida revelou tendência de aumento significativo nos testes de PSA após abril de 2017 entre todos os beneficiários (0,30 testes por 100 pessoas-ano para cada período bimestral; P <0,001).

Artigo de opinião publicado na mesma edição do Jama Oncology traz a análise de Freddie C. Hamdy, da Universidade de Oxford, acerca desses achados.  “Há uma percepção pública profundamente enraizada por muitos profissionais de que a detecção do câncer o mais cedo possível salva vidas e, portanto, deve ser promovida a qualquer custo, seja financeiro ou em espécie, como os inevitáveis ​​efeitos adversos causados ​​por tratamentos radicais. Embora isso possa ser verdade para alguns tipos de câncer, mais de 3 décadas de testes de PSA entre homens assintomáticos em todo o mundo, particularmente no mundo ocidental, provaram o contrário. Leapman e colegas ilustram esse ponto em seu artigo sobre as mudanças nas taxas de teste de PSA associadas às atualizações recentes nas recomendações da USPSTF sobre rastreamento do câncer de próstata”, diz Hamdy.

Referência: Leapman MS, Wang R, Park H, et al. Changes in Prostate-Specific Antigen Testing Relative to the Revised US Preventive Services Task Force Recommendation on Prostate Cancer Screening. JAMA Oncol. Published online November 11, 2021. doi:10.1001/jamaoncol.2021.5143

Hamdy FC. Prostate-Specific Antigen Testing for Prostate Cancer Screening—Is the Message Getting Through? JAMA Oncol. Published online November 11, 2021. doi:10.1001/jamaoncol.2021.5129

 

 

Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519