02122021Qui
AtualizadoSeg, 29 Nov 2021 7pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Risco de doenças relacionadas à idade em sobreviventes jovens de linfoma não-Hodgkin de células B

chiattone 21Os sobreviventes de linfoma não Hodgkin de células B (B-NHL) diagnosticados em idade mais jovem tiveram um risco relativo maior de desenvolver doenças relacionadas à idade em comparação com sobreviventes mais velhos da doença. Os resultados são de estudo de base populacional publicado na Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention, periódico da American Association for Cancer Research (AACR). O hematologista Carlos Chiattone (foto), professor titular da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e coordenador do Núcleo de Onco-Hematologia do Hospital Samaritano, comenta os resultados.

O linfoma não Hodgkin é mais frequentemente diagnosticado em pessoas com idades entre 65-74; no entanto, alguns subtipos são diagnosticados em idades mais precoces, e os pacientes mais jovens geralmente são submetidos a regimes de tratamento mais agressivos.

Os autores estabeleceram anteriormente que os sobreviventes mais jovens de linfoma não Hodgkin têm maior risco relativo de doenças cardíacas e arteriais em comparação com pacientes diagnosticados em idade mais avançada. Nesse estudo, os pesquisadores compararam o risco de longo prazo de doenças respiratórias, renais e outras doenças relacionadas ao envelhecimento entre sobreviventes de linfoma não Hodgkin diagnosticados em idade mais jovem e mais avançada.

O estudo incluiu dados de 2.129 sobreviventes de B-NHL do Registro de Câncer de Utah diagnosticados entre 1997 e 2015. Utilizando o Banco de Dados de População de Utah, os autores compararam até cinco indivíduos livres de câncer da população em geral (8.969 indivíduos no total) com cada sobrevivente de B-NHL, com base no sexo, idade e estado de nascimento.

Foram identificados resultados de doenças relacionadas à idade por meio de registros médicos da Intermountain Healthcare e da University of Utah, juntamente com dados de instalações de saúde em todo o estado, e estimados os riscos relativos desses resultados para sobreviventes B-NHL mais jovens e mais velhos (diagnosticados com menos de 65 anos idade ou mais de 65 anos de idade, respectivamente) pelo menos cinco anos após o diagnóstico de câncer.

Resultados

Os riscos relativos de insuficiência renal aguda, pneumonia e deficiência nutricional foram maiores entre os sobreviventes de linfoma não Hodgkin mais jovens do que os mais velhos em comparação com suas respectivas coortes da população geral: em comparação com a população em geral, o risco de insuficiência renal aguda aumentou 2,24 vezes nos sobreviventes mais jovens e 1,13 vezes em sobreviventes mais velhos [HR, 2,24; IC de 99%, 1,48–3,39; Pheterogeneity = 0,017); o risco de pneumonia aumentou 2,42 vezes em sobreviventes mais jovens e 1,44 vezes em sobreviventes mais velhos ((HR, 2,42; IC 99%, 1,68–3,49; Pheterogeneity = 0,055); e o risco de deficiências nutricionais aumentou 2,08 vezes nos sobreviventes mais jovens e 1,25 vezes nos sobreviventes mais velhos (HR, 2,08; 99% CI, 1,48–2,92; Pheterogeneity = 0,051).

Os pesquisadores não observaram diferenças de risco para outras doenças relacionadas à idade, como doença renal crônica e osteoporose, entre sobreviventes mais jovens e mais velhos, embora sobreviventes de linfoma não Hodgkin tenham um risco geral elevado dessas doenças em comparação com a população em geral.

"Graças às melhorias no tratamento, os sobreviventes de linfoma não Hodgkin estão vivendo mais. No entanto, os efeitos colaterais dos regimes de tratamento atuais podem ser debilitantes com o tempo, afetando a saúde geral dos sobreviventes à medida que envelhecem", observou Krista Ocier, pesquisadora de pós-doutorado na Universidade de Utah e primeira autora do trabalho, acrescentando que uma explicação para os resultados do estudo pode ser os regimes de tratamento agressivos que costumam ser administrados a pacientes mais jovens com linfoma não Hodgkin em comparação com pacientes mais velhos.

"Observamos que o início precoce de doenças relacionadas à idade pode ocorrer entre os sobreviventes mais jovens de linfoma não Hodgkin e, portanto, a triagem periódica para uma série de resultados de saúde e cuidados padronizados direcionados a esses resultados podem ser benéficos. Nossos resultados também apoiam a possível necessidade de intervenção nutricional durante e após o tratamento do câncer, porque as deficiências nutricionais podem afetar a qualidade de vida dos sobreviventes do B-NHL, especialmente os mais jovens, à medida que envelhecem",conclui.

O estudo foi financiado pela National Institutes of Health, the Huntsman Cancer Institute, the Utah Cancer Registry, the U.S. Center for Disease Control and Prevention's National Program of Cancer Registries, the University of Utah, and the Huntsman Cancer Foundation.

Identificar complicações contribui para reformular tratamentos 

Por Carlos Chiattone, Hematologista, Professor Titular da Disciplina de Hematologia e Oncologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e Coordenador do Núcleo de Onco-Hematologia do Hospital Samaritano

Este artigo de Ocier K et al., recentemente publicado pela Escola de Medicina da Universidade de Utah nos EUA, foca em um assunto de extrema relevância na oncologia atual. Os notórios avanços alcançados no tratamento do câncer têm propiciado número cada vez maior de pacientes curados, além de doentes sobrevivendo períodos cada vez mais longos com controle de suas doenças. Hoje, temos cada vez mais pessoas da população geral incluídas no que se chama de cancer long-term survivors.

O melhor conhecimento de possíveis complicações tardias (ou às vezes muito tardias), decorrentes da própria doença ou mais frequentemente secundárias aos tratamentos anti-neoplásicos realizados é muito importante, permitindo acompanhamento periódico focado na identificação mais precoce destas possíveis ocorrências.

A meu ver, o mais relevante ao identificar estas complicações é atuarmos reformulando os tratamentos visando mitigar estas complicações.

Muitas neoplasias, particularmente entre os Linfomas não-Hodgkin tendem, hoje em dia, a serem tratadas livres de quimioterapia, utilizando terapias-alvo, mais efetivas e geralmente com menos efeitos adversos. Como estas terapias são recentes, precisamos também ficar atentos às suas possíveis complicações de longo prazo.

Referência:
Age-Related Disease Risks in Younger versus Older B-Cell Non-Hodgkin's Lymphoma Survivors -Krista Ocier, Sarah Abdelaziz, Seungmin Kim, Kerry Rowe, John Snyder, Vikrant G. Deshmukh, Michael Newman, Alison Fraser, Ken R. Smith, Christina A. Porucznik, Kimberley Shoaf, Joseph B. Stanford, Catherine J. Lee and Mia Hashibe - Cancer Epidemiol Biomarkers Prev November 3 2021 DOI: 10.1158/1055-9965.EPI-21-0190

 


Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519