20102021Qua
AtualizadoTer, 19 Out 2021 8pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Quimioterapia de indução no câncer de cavidade oral avançado

thiago bueno de oliveira bxThiago Bueno de Oliveira (foto), oncologista do A.C.Camargo Cancer Center, é primeiro autor de artigo de revisão publicado no periódico Current Oncology Reports que busca avaliar o papel da quimioterapia de indução em pacientes com câncer de cavidade oral localmente avançado. O trabalho discute perspectivas futuras, incluindo a incorporação de inibidores de checkpoint e biomarcadores para a seleção de pacientes.

O câncer de cabeça e pescoço é uma doença heterogênea, compreendendo vários subsítios com diferentes fatores etiológicos, patologia e características moleculares, resposta ao tratamento e prognóstico. O tratamento sistêmico é geralmente incorporado no manejo do carcinoma de células escamosas localmente avançado de cabeça e pescoço, e o uso de quimioterapia de indução tem benefícios teóricos na redução do risco de metástase à distância, fornece um teste in vivo de resposta e biologia tumoral e tem potencial para permitir um tratamento local mais personalizado e menos tóxico após o downstaging. 

No artigo, os autores discutem ensaios clínicos que analisam esta estratégia de tratamento em pacientes com doença ressecável, seguida de cirurgia, e na doença irressecável, seguida de (quimio) radioterapia ou cirurgia, apontando pontos fortes e limitações desses dados e destacando o tratamento padrão em cada cenário clínico. 

“A cirurgia seguida por (quimio)radioterapia é o padrão de tratamento para pacientes com câncer de cavidade oral ressecável, e a quimiorradioterapia é o padrão para aqueles considerados irressecáveis. Entretanto estudos avaliando o papel de quimioterapia neoadjuvante em pacientes com doença ressecável sugerem subgrupos de pacientes com portencial benefício desta estratégia, como aqueles com doença linfonodal mais avançada (N2-N3). Para pacientes com doença irressecável ou borderline ressecável, estudos retrospectivos sugerem papel desta estratégia na tentativa de “conversão” de alguns pacientes para ressecabilidade com bons resultados. Por fim, estudos prospectivos e randomizados tentaram estabelecer o papel da quimioterapia de indução seguida de quimiorradioterapia em pacientes não candidatos à cirurgia, com resultados controversos.

A expectativa é que ensaios futuros com a incorporação de imunoterapia e melhor seleção de pacientes com base em biomarcadores clínicos e moleculares podem trazer novas esperanças para melhores resultados terapêuticos nesses pacientes”, avaliam.

O artigo conta com a participação do rádio-oncologista Gustavo Nader Marta, do oncologista clínico Gilberto de Castro Junior, e do cirurgião de cabeça e pescoço Luiz Paulo Kowalski.

Referência: de Oliveira, T.B., Marta, G.N., de Castro Junior, G. et al. Induction Chemotherapy for Advanced Oral Cavity Cancer. Curr Oncol Rep 23, 129 (2021). https://doi.org/10.1007/s11912-021-01119-6

 

 

Publicidade
Outubro Rosa A.C.Camargo 2021
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519