27092021Seg
AtualizadoSex, 24 Set 2021 3pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

ANVISA aprova dupla imunoterapia no tratamento de primeira linha do câncer de pulmão em primeira linha

approved NET OKA Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso de nivolumabe em combinação com ipilimumabe e dois ciclos de quimioterapia à base de platina para o tratamento de primeira linha do câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP) metastático em adultos cujos tumores não têm mutação EGFR sensibilizante ou translocação de ALK. A decisão é baseada nos resultados do ensaio CheckMate-9LA.

Realizado em 103 hospitais em 19 países, o ensaio clínico Fase III CheckMate-9LA, randomizado, aberto, incluiu pacientes com 18 anos ou mais, sem tratamento prévio, com câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP) estágio IV confirmado histologicamente ou CPCNP recorrente e status ECOG 0-1.

Os pacientes foram randomizados (1: 1) para nivolumabe (360 mg por via intravenosa a cada 3 semanas) mais ipilimumabe (1 mg/kg por via intravenosa a cada 6 semanas) combinado com histologia - quimioterapia baseada em doublet de platina (por via intravenosa a cada 3 semanas por dois ciclos; grupo experimental) ou quimioterapia isolada (a cada 3 semanas por quatro ciclos; grupo controle). A randomização foi estratificada por histologia do tumor, sexo e expressão de PD-L1.

O endpoint primário foi a sobrevida global em todos os pacientes designados aleatoriamente e a segurança foi analisada em todos os pacientes tratados.

Resultados

Entre 24 de agosto de 2017 e 30 de janeiro de 2019, 1150 pacientes foram inscritos e 719 (62,5%) designados aleatoriamente para nivolumabe mais ipilimumabe com dois ciclos de quimioterapia (n = 361 [50%]) ou quatro ciclos de quimioterapia sozinha (n = 358 [50%]). Na análise intermediária pré-planejada (acompanhamento médio de 9,7 meses [IQR 6,4-12,8]), a sobrevida global em todos os pacientes designados aleatoriamente foi significativamente maior no grupo experimental do que no grupo controle (mediana 14 · 1 mês [IC 95% 13 · 2–16 · 2] vs 10 · 7 meses [9 · 5–12 · 4]; [HR] 0 · 69 [96 · 71% CI 0 · 55–0 · 87]; p = 0 · 00065).

Com acompanhamento mediano de 3,5 meses a mais (mediana de 13,2 meses [IQR 6,4-17,0]), a sobrevida global mediana foi de 15,6 meses (IC de 95% 13,9-20,0) no grupo experimental versus 10 · 9 meses (9 · 5–12 · 6) no grupo de controle (HR 0 · 66 [IC 95% 0 · 55–0 · 80]).

Os eventos adversos relacionados ao tratamento de grau 3-4 mais comuns foram neutropenia (em 24 [7%] pacientes no grupo experimental vs 32 [9%] no grupo controle), anemia (21 [6%] vs 50 [14%]), diarreia (14 [4%] vs dois [1%]), aumento da lipase (22 [6%] vs três [1%]) e neutropenia febril (14 [4%] vs dez [3%]). Eventos adversos graves relacionados ao tratamento de qualquer grau ocorreram em 106 (30%) pacientes no grupo experimental e 62 (18%) no grupo controle. Sete (2%) mortes no grupo experimental (insuficiência renal aguda, diarreia, hepatotoxicidade, hepatite, pneumonite, sepse com insuficiência renal aguda e trombocitopenia; um paciente cada) e seis (2%) mortes no grupo de controle (anemia, neutropenia febril, pancitopenia, sepse pulmonar, insuficiência respiratória e sepse (um paciente cada) foram relacionadas ao tratamento.

Em conclusão, nivolumabe associado a ipilimumabe com dois ciclos de quimioterapia proporcionou uma melhora significativa na sobrevida global em comparação com a quimioterapia isolada e apresentou um perfil de risco-benefício favorável.

O estudo está registrado no ClinicalTrials.gov, NCT03215706.


Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519