30062022Qui
AtualizadoQua, 29 Jun 2022 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Biossimilares na oncologia brasileira, como estamos?

heloisa rezende 2021 bxO nível atual de conhecimento sobre biossimilares, conforto de uso, indicações de extrapolação e as práticas dos oncologistas brasileiros são tema de artigo de Heloisa Resende (foto) e colegas publicado no JCO Global Oncology, com dados de um survey que envolveu 144 oncologistas das cinco regiões do país.

A pesquisa analisou o conhecimento básico sobre biossimilares, biossimilares de trastuzumabe, nível de conforto com extrapolação e mudança de regimes de tratamento, além de opiniões sobre o custo da terapia do câncer de mama HER2-positivo. Os dados foram coletados entre julho e setembro de 2019 a partir de 24 questões do survey, que ficou à disposição dos respondentes em uma plataforma online.

No total, 95% dos entrevistados conseguiram identificar a definição mais adequada de biossimilares e 96% revelaram que se sentem confortáveis ​​ao prescrever biossimilares de trastuzumabe. Embora 63% dos entrevistados usem o biossimilar em todos os ambientes onde o biológico de referência foi aprovado, 35% declaram que usariam o biossimilar para casos envolvendo doença metastática. Embora 82% dos oncologistas sejam a favor da mudança de um biológico de referência para um biossimilar, 18% evitariam a troca de regimes. A falta de estudos detalhando a mudança para outros regimes e o momento correto para a mudança foram as principais preocupações. O custo da terapia anti-HER2 também aparece como preocupação significativa.

“Nossos dados demonstraram boa compreensão e aceitação dos biossimilares pelos prescritores. O conhecimento moderado dos estudos clínicos que suportam a aprovação, o nível de conforto na extrapolação e as preocupações sobre a mudança de regimes de tratamento apareceram entre os principais aspectos que requerem mais pesquisas”, destacam os autores.

Resende et al. lembram que a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA e a European Medicines Agency (EMA) definem biossimilar como um produto de molécula biológica altamente semelhante a um produto de referência aprovado. Sua semelhança com o biológico originador é estabelecida por meio de estudos de comparabilidade com o produto de referência para demonstrar alta similaridade na estrutura química, função biológica, eficácia, segurança e imunogenicidade.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desenvolveu diretrizes para a avaliação de biossimilares oncológicos e também exige uma comparação extensa do biossimilar com o produto de referência para autorizar o registro. 

Trastuzumabe de referência (Herceptin; Hoffmann-La Roche Ltd, Kaiseraugst, Suíça) teve sua primeira aprovação pela Anvisa em 1999. O primeiro oncológico biossimilar de trastuzumabe (Zedora®, Libbs) foi aprovado pela Anvisa em 2017 para câncer de mama HER2+ e para o tratamento do câncer gástrico avançado.

As principais vantagens dos biossimilares incluem preços mais baixos em comparação com o medicamento de referência. “Futuras iniciativas educacionais entre os oncologistas brasileiros podem contribuir para uma compreensão mais ampla dos conceitos que envolvem os biossimilares e a extrapolação de indicações. A adesão a um regime terapêutico envolvendo biossimilares pode ampliar o acesso a tratamentos de alto custo “, reforça a publicação.

Referência: Biosimilar Use in Breast Cancer Treatment: A National Survey of Brazilian Oncologists' Opinions, Practices, and Concerns - Resende et al - DOI: 10.1200/GO.20.00649 JCO Global Oncology no. 7 (2021) 1316-1324. Published online August 20, 2021

 

 

Publicidade
Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
FARMAUSA
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519