27092021Seg
AtualizadoSex, 24 Set 2021 3pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

CoVID-TE: avaliação de risco para tromboembolismo venoso em pacientes hospitalizados com câncer e COVID-19

Gilberto Lopes 2019Para construir um modelo de avaliação de risco para VTE em pacientes oncológicos com COVID-19, estudo publicado no Journal of Thrombosis and Haemostasis avaliou a incidência de tromboembolismo venoso e arterial em 90 dias de hospitalização associada a COVID-19 entre pacientes do estudo de coorte COVID-19 and Cancer Consortium (CCC19). O oncologista Gilberto Lopes (foto), chefe interino da Divisão de Oncologia Médica no Sylvester Comprehensive Cancer Center, da Universidade de Miami, é coautor do trabalho.

Pacientes hospitalizados com COVID-19 apresentam riscos aumentados de tromboembolismo venoso (VTE) e arterial (ATE), assim como o diagnóstico e o tratamento de câncer. No entanto, falta um modelo de avaliação de risco para VET em pacientes com câncer e COVID-19.

“Foi construído um modelo de regressão logística multivariável especificamente para tromboembolismo venoso usando fatores de risco clínicos determinados a priori, e um modelo de avaliação de risco (RAM) simplificada foi derivada e validada internamente usando bootstrap.

Resultados 

Entre 17 de março de 2020 e 30 de novembro de 2020, foram analisados ​​2.804 pacientes internados. A incidência de tromboembolismo venoso e arterial foi de 7,6% e 3,9%, respectivamente. A incidência de VTE, mas não de ATE, foi maior em pacientes que receberam terapia anticâncer recente. Um RAM simplificado para VTE foi derivado e denominado CoVID-TE. O modelo considera o subtipo de câncer de alto a muito alto risco pelo escore original Khorana (+1), histórico de tromboembolismo venoso (+2), admissão na UTI (+2), elevação do dímero D (+1), tratamento anticâncer sistêmico recente (+1) e etnia não hispânica (+1).

O RAM estratificou os pacientes em duas coortes (baixo risco, 0-2 pontos, n = 1423 vs. alto risco, 3+ pontos, n = 1034), onde o tromboembolismo venoso ocorreu em 4,1% dos pacientes de baixo risco e 11,3% dos pacientes de alto risco (estatística c 0,67, 95% CI 0,63-0,71). O RAM teve um desempenho semelhante em subgrupos de pacientes que não usavam anticoagulante antes da admissão e em pacientes com doença moderada que não precisaram de admissão direta na UTI.

“Pacientes hospitalizados com câncer e COVID-19 apresentam riscos trombóticos elevados. O CoVID-TE RAM para previsão de VTE pode ajudar nas decisões baseadas em dados em tempo real nesta população vulnerável”, concluem os autores.

Referência: The CoVID-TE Risk Assessment Model for Venous Thromboembolism in Hospitalized Patients with Cancer and COVID-19. Ang Li et al, on behalf of The CCC19 consortium, Journal of Thrombosis and Haemostasis, https://doi.org/10.1111/jth.15463


Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519