27092021Seg
AtualizadoSex, 24 Set 2021 3pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Combo adjuvante aumenta sobrevida no câncer pancreático

PancreasA combinação de SBRT mais pembrolizumabe e trametinibe pode ser uma nova opção de tratamento para pacientes com câncer pancreático recorrente após a cirurgia, como sugerem resultados de estudo de Fase II publicado 5 de julho no Lancet Oncology.

Nosso objetivo foi avaliar a eficácia da radioterapia estereotáxica corporal (SBRT) associada a pembrolizumabe e trametinibe nesses pacientes.

Neste estudo aberto, randomizado, de Fase II, foram considerados pacientes adultos (≥18 anos) do Changhai Hospital, China, com adenocarcinoma ductal pancreático confirmado histologicamente, com KRAS mutado e coloração imunohistoquímica positiva de PD-L1. Os pacientes elegíveis apresentavam bom status de desempenho (ECOG 0 ou 1) e recorrência local documentada após cirurgia seguida de quimioterapia (mFOLFIRINOX ou 5-fluorouracil) e foram randomizados (1: 1) para receber SBRT com doses variando de 35-40 Gy em cinco frações, pembrolizumabe intravenoso 200 mg uma vez a cada 3 semanas e trametinibe oral 2 mg/ dia ou SBRT (mesmo regime) e gencitabina intravenosa (1000 mg / m2) nos dias 1 e 8 de um ciclo de 21 dias por oito ciclos, até a progressão da doença, morte, toxicidade inaceitável ou retirada do consentimento. O endpoint primário foi a sobrevida global na população com intenção de tratar. A segurança foi avaliada em todos os participantes que receberam pelo menos uma dose do tratamento do estudo.

Resultados

Entre 10 de outubro de 2016 e 28 de outubro de 2017, 170 pacientes foram inscritos e randomizados para receber SBRT mais pembrolizumabe e trametinibe (n = 85) ou SBRT mais gencitabina (n = 85). Na data de corte (30 de novembro de 2020), com acompanhamento médio de 23,3 meses (IQR 20,5–27,4), a sobrevida global mediana foi de 24,9 meses (23,3–26,5) com SBRT mais pembrolizumabe e trametinibe e de 22,4 meses (IC 95% 21,2-23,6) com SBRT mais gencitabina (razão de risco [HR] 0, 60 [IC 95% 0, 44–0, 82]; p = 0, 0012).

Em relação ao perfil de segurança, os efeitos adversos de grau 3 ou 4 mais frequentes foram aumento da alanina aminotransferase ou aspartato aminotransferase (10 [12%] de 85 no grupo SBRT mais pembrolizumabe e trametinibe vs 6 [7%] de 85 no grupo SBRT mais gencitabina), aumento da bilirrubina no sangue (4 [5%] vs nenhum), neutropenia (1 [1%] vs 9 [11%]) e trombocitopenia (um [1%] vs 4 [5%]). Eventos adversos graves foram relatados por 19 (22%) participantes no grupo SBRT mais pembrolizumabe e trametinibe e 12 (14%) no grupo SBRT mais gencitabina. Nenhuma morte ocorreu relacionada ao tratamento.

“A combinação de SBRT mais pembrolizumabe e trametinibe pode ser uma nova opção de tratamento para pacientes com câncer pancreático recorrente após a cirurgia. Estudos de Fase III são necessários para confirmar nossos achados”, concluem os autores.

Este ensaio está registrado na plataforma ClinicalTrials.gov: NCT02704156.

Referência: Zhu X et al. Stereotactic body radiotherapy plus pembrolizumab and trametinib versus stereotactic body radiotherapy plus gemcitabine for locally recurrent pancreatic cancer after surgical resection: an open-label, randomised, controlled, phase 2 trial. Lancet Oncology. DOI:https://doi.org/10.1016/S1470-2045(21)00286-2

 

Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519