28092021Ter
AtualizadoSeg, 27 Set 2021 6pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Avanços no tratamento da LLC

ASH Sangue NET OK 2Revisão de Burger et al. publicada na New England Journal of Medicine (NEJM) discute o uso de acalabrutinibe e outras inovações terapêuticas no tratamento de pacientes com leucemia linfocítica crônica (LLC). Acalabrutinibe é um inibidor seletivo de quinase de Bruton (BTK) e recebeu aprovação do FDA como tratamento de primeira linha para pacientes com LLC e na doença recidivada, com base em dois ensaios randomizados (ELEVATE-TN e ASCEND).

O ensaio ELEVATE-TN mostrou sobrevida livre de progressão significativamente superior nos grupos tratados com acalabrutinibe com ou sem obinutuzumabe. O ensaio ASCEND, que comparou acalabrutinibe com o inibidor de PI3K idelalisibe mais rituximabe ou bendamustina mais rituximabe também mostrou sobrevida livre de progressão superior no grupo acalabrutinibe.

Em relação ao perfil de segurança, a revisão de Burger et al. na NEJM lembra que os eventos adversos mais reportados com acalabrutinibe no ensaio ASCEND (acompanhamento médio, 16,1 meses) foram fibrilação atrial (em 5% dos pacientes), sangramento grau 3 ou superior (em 26%), infecções (em 15%) e cânceres secundários (em 14%).

No ensaio ELEVATE-TN (mediana de acompanhamento, 28 meses), Burger et al. apontam que os eventos adversos mais associados ao tratamento com acalabrutinibe incluíram  fibrilação atrial (em 3% dos pacientes no grupo de acalabrutinibe como monoterapia e em 4% no grupo da combinação acalabrutinibe-obinutuzumabe), sangramento de grau 3 ou superior (em 2% de pacientes em ambos os grupos), e hipertensão grau 3 ou superior (em 3% dos pacientes no grupo de acalabrutinibe isoladamente e 2% no grupo de acalabrutinibe-obinutuzumabe.

“A pesquisa básica e translacional destacou a importância do receptor de células B, do microambiente da LLC, assim como das proteínas antiapoptóticas e agora podemos olhar para trás e ver que em uma década a pesquisa clínica foi transformadora no tratamento da LLC”, destacam os autores. “Em pouco tempo, os inibidores de BTK e os inibidores de PI3K, como venetoclax, derrubaram o tratamento de LLC à base de quimioterapia para a maioria dos pacientes. Os inibidores de BTK (ou seja, ibrutinibe e acalabrutinibe) são capazes de induzir remissões duráveis ​​na maioria dos pacientes”, acrescentam.

Em conclusão, Burger et al. sustentam que o uso de quimioimunoterapia está diminuindo constantemente, “dado os melhores perfis de efeitos colaterais e melhor sobrevida com os novos agentes. Claramente, os novos agentes já melhoraram o prognóstico e a qualidade de vida para muitos pacientes com LLC, especialmente aqueles com LLC de alto risco. O desafio para esta nova década é capitalizar o sucesso inicial de regimes que reduzem a duração da exposição a drogas e os riscos associados a efeitos tóxicos, incluindo resistência, bem como os custos do tratamento”.

Referência: Burger, J. A. (2020). Treatment of Chronic Lymphocytic Leukemia. New England Journal of Medicine, 383(5), 460–473. doi:10.1056/nejmra1908213 


Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519