15052021Sáb
AtualizadoSex, 14 Maio 2021 2am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Vacina contra covid em pacientes com câncer – resultados da Pfizer – BioNTech mostram importância da dose de reforço

vacina covid 19 bxLetícia Monin e colegas reportaram no Lancet Oncology dados da análise interina de segurança e imunogenicidade da vacina BNT162b2 (Pfizer – BioNTech) em pacientes com câncer, o primeiro relatório sobre segurança e imunogenicidade de uma vacina contra COVID-19 em populações imunocomprometidas.  “Uma dose da vacina BNT162b2 produziu pouca eficácia. A imunogenicidade aumentou significativamente em pacientes com tumores sólidos 2 semanas após o reforço da vacina 21 dias depois da primeira dose. Esses dados apoiam a priorização de pacientes com câncer para uma segunda dose precoce (dia 21) da vacina BNT162b2”, analisam.

Neste estudo observacional e prospectivo foram recrutados pacientes com câncer e controles saudáveis ​​de três hospitais de Londres, entre 8 de dezembro de 2020 e 18 de fevereiro de 2021.

Os autores descrevem que participantes vacinados entre 8 de dezembro e 29 de dezembro de 2020 receberam duas doses de 30 μg de BNT162b2 administradas com 21 dias de intervalo por via intramuscular; os pacientes vacinados após esta data receberam apenas uma dose de 30 μg com reforço planejado em 12 semanas. “Amostras de sangue foram coletadas antes da vacinação e de 3 a 5 semanas depois da primeira vacinação. Sempre que possível, testes de swab nasofaríngeo em tempo real (rRT-PCR) foram realizados a cada 10 dias ou em casos de COVID-19 sintomático”, detalham. Os endpoints co-primários foram a soroconversão para a proteína spike (S) SARS-CoV-2 em pacientes com câncer após a primeira dose da vacina BNT162b2 e o efeito do reforço da vacina depois de 21 dias da soroconversão.

Resultados

151 pacientes com câncer foram inscritos (95 pacientes com câncer sólido e 56 com câncer hematológico) e 54 controles saudáveis​​.

Para esta análise foram consideradas amostras e dados obtidos até 19 de março de 2021. Após a exclusão de 17 pacientes expostos ao SARS-CoV-2 (detectado por soroconversão de anticorpos ou teste de swab por rRT-PCR positivo), a proporção de IgG anti-S positivo 21 dias depois de uma única dose da vacina foi de 32 (94%; IC 95% 81–98) de 34 controles saudáveis; 21 (38%; 26–51) de 56 pacientes com câncer sólido e oito (18%; 10–32) de 44 pacientes com câncer hematológico.

Após 21 dias, 16 controles saudáveis, 25 pacientes com câncer sólido e seis pacientes com câncer hematológico receberam uma segunda dose. Dos pacientes com amostras de sangue disponíveis 2 semanas após essa dose de reforço, foram soropositivos 18 (95%; IC 95% 75–99) de 19 pacientes com câncer sólido, 12 (100%; 76–100) de 12 controles saudáveis ​​e três (60%; 23–88) de cinco pacientes com câncer hematológico, em comparação com dez (30%; 17-47), 18 (86%; 65-95) e quatro (11%; 4-25) das coortes que receberam apenas uma dose.

A vacina foi bem tolerada e nenhuma toxicidade foi relatada em 54% de pacientes com câncer após a primeira dose de BNT162b2, e em 71% dos pacientes com câncer após a segunda dose. Da mesma forma, nenhuma toxicidade foi relatada em 15 (38%) de 40 controles saudáveis ​​após a primeira dose e em cinco (31%) de 16 após a segunda dose.

Não houve nenhuma morte relacionada à vacina. Dor no local da injeção dentro de 7 dias após a primeira dose foi a reação local mais frequente, relatada por 35% dos pacientes com câncer e 48% dos controles saudáveis.

“A vacina de mRNA BNT162b2 da SARS-CoV-2 foi geralmente bem tolerada em pacientes com câncer, mesmo naqueles em imunoterapia que poderiam apresentar respostas imunes inflamatórias exageradas, mas 3 semanas após a vacinação em dose única (30 μg), a imunogenicidade era baixa, 38% em pacientes com câncer sólido e 18% naqueles com câncer hematológico, e não melhorou nas 2 semanas seguintes. No entanto, cada métrica imunológica medida foi substancialmente melhorada em pacientes com câncer sólido dentro de 2 semanas após receberem um reforço da vacina no dia 21”, concluem os autores.

A íntegra do artigo está disponível, em acesso aberto.

Este estudo tem financiamento do King's College London, Cancer Research UK, Wellcome Trust, Rosetrees Trust e Francis Crick Institute.

Referência: Monin, L et al. Safety and immunogenicity of one versus two doses of the COVID-19 vaccine BNT162b2 for patients with cancer: interim analysis of a prospective observational study. DOI:https://doi.org/10.1016/S1470-2045(21)00213-8

 

Publicidade
MULHERES NA CIÊNCIA
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519