31072021Sáb
AtualizadoQui, 29 Jul 2021 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Incidência de câncer de mama em mulheres jovens no Brasil

tiezzi bxDaniel Tiezzi (foto), professor associado da Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto, é autor sênior de estudo que explora a incidência, as características de apresentação e os desfechos do câncer de mama em mulheres jovens no Brasil. Os resultados foram publicados no JCO Global Oncology.

“O rastreamento do câncer de mama não é recomendado para mulheres jovens (<40 anos). Portanto, as pacientes diagnosticadas em idade mais jovem têm maior propensão a apresentar doença avançada e metastática, o que reduz os resultados do tratamento”, observa a publicação.

No estudo retrospectivo, os autores analisaram dados epidemiológicos de câncer de mama no Brasil de três bancos de dados disponíveis publicamente e uma coorte de um hospital universitário, e compararam os resultados com o sistema de estadiamento de banco de dados SEER dos Estados Unidos.

Estatísticas descritivas foram realizadas sobre a prevalência da doença e a distribuição dos estágios entre os grupos etários. A incidência foi estimada usando a razão de incidência padronizada por idade. O impacto da idade na sobrevida específica da doença também foi analisado.

Resultados

Os dados de prevalência de câncer de mama invasivo por faixa etária revelaram que 4,4% e 20,6% das pacientes tinham <35 e <45 anos, respectivamente. Nos Estados Unidos, essa prevalência foi de 1,85% e 11,5%, respectivamente (odds ratio [OR], 2,2; P <0,0001). O percentual de doença localizada e metastática foi maior no Estado de São Paulo (Fundação Oncocentro de São Paulo [FOSP]) em comparação com os Estados Unidos (45% e 9,8% v 29% e 5,7%, respectivamente; P <0,0001).

Na FOSP, a prevalência de doença localizada e metastática foi maior entre as pacientes jovens (53,5% e 11,3%, respectivamente). O tamanho médio do tumor em pacientes <40 anos foi maior (25,0 mm × 20,9 mm; P <0,0001), e as pacientes jovens apresentaram maior risco de linfonodos positivos ao diagnóstico (OR, 1,5; P = 0,004) e maior proporção de tumores luminais-B e triplo-negativos.

Além disso, essas pacientes jovens apresentaram baixa sobrevida específica da doença devido o diagnóstico em estágio avançado e subtipos de câncer de mama mais agressivos (HER2+ e triplo-negativo; P <0,0001).

Os resultados demonstram maior prevalência de câncer de mama em mulheres jovens (<40 anos) no Brasil. “Nosso estudo sugere que a alta prevalência de câncer de mama em mulheres jovens no Brasil pode estar relacionada com um aumento da incidência da doença nesta população. Não sabemos ao certo qual o motivo que leva ao aumento da incidência do câncer de mama em mulheres jovens em nosso país. Fatores hereditários/familiares foram pouco estudados e os aspectos ambientais são de difícil exploração”, observa Tiezzi. “Estamos desenvolvendo um estudo para coleta de dados online da população feminina com o objetivo de rastrear a magnitude do padrão familiar da doença. O projeto está em fases finais de elaboração e pretendemos disponibilizar o questionário online em breve”, acrescenta.

Outro fato relevante apontado pelo especialista diz respeito à análise de dados da coorte do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP, que compreende mais de 1.900 casos tratados com um seguimento de longo prazo. “Observamos que a sobrevida de mulheres jovens é inferior, e esta diferença é muito influenciada pelo diagnóstico tardio. Esta população é de difícil rastreamento, tanto pela baixa sensibilidade dos métodos tradicionais, como pelo custo e complexidade de incluir metodologias de maior acurácia como a ressonância magnética. No entanto, investimentos em melhorias ao acesso ao sistema de saúde, na conscientização da população sobre o problema e no treinamento dos agentes de saúde seriam ações viáveis para reduzir o número de casos avançados e metastáticos”, avalia.

“O investimento na detecção precoce de casos sintomáticos parece ser urgente. É necessário primeiramente cuidar do grande número de mulheres sintomáticas, mas ainda sem doença avançada, para depois ser implementado um programa de detecção da doença subclínica”2, conclui Tiezzi.

Referência:  

1 - Epidemiological Analyses Reveal a High Incidence of Breast Cancer in Young Women in Brazil - Leonardo Fleury Orlandini, MD1; Maria Vitória do Nascimento Antonio2; Claiver Renato Espreafico Jr2; Priscila Longhin Bosquesi, PhD2; Omero Benedito Poli-Neto, MD, PhD1; Jurandyr Moreira de Andrade, MD, PhD1; Francisco José Cândido dos Reis, MD, PhD1; and Daniel Guimarães Tiezzi - DOI: 10.1200/GO.20.00440 JCO Global Oncology no. 7 (2021) 81-88. Published online January 12, 2021.

2 - Tiezzi, Daniel Guimarães. (2013). Rastreamento do câncer de mama no Brasil: ainda há tempo para refletirmos. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 35(9), 385-387. https://doi.org/10.1590/S0100-72032013000900001


Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519