03122020Qui
AtualizadoQua, 02 Dez 2020 8pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Especialista brasileiro apoia recomendação do NCCN

Especialista brasileiro apóia recomendação do NCCNBenedito Mauro Rossi (foto), do Grupo de Estudo de Tumores Hereditários (GETH) e presidente da International Society for Gastrointestinal Hereditary Tumours, apoia a recomendação do NCCN para a triagem para a síndrome de Lynch. “Sou totalmente favorável ao rastreamento universal para a Síndrome de Lynch, em pacientes portadores de câncer colorretal”, diz o especialista. “Seria muito interessante do ponto de vista de prevenção e também científico, por várias razões, inclusive porque ninguém sabe ao certo qual a prevalência da síndrome na população, ainda mais no Brasil, com toda a miscigenação de etnias”, completa Rossi.

A triagem para a síndrome de Lynch durante anos tem sido um tema de discussão nos círculos da oncologia e da gastroenterologia. Agora, a recomendação formal do NCCN dá um passo importante para realizar o rastreamento em todos os novos pacientes com câncer colorretal. Esta é uma recomendação chave no contexto das novas diretrizes anunciadas pelo NCCN para a oncologia genética e a avaliação familial, tema que repercutiu em edição do ASCO Post publicada na primeira quinzena de março.

A síndrome de Lynch, até recentemente chamada de câncer colorretal hereditário sem polipose, é detectada em 1 a cada 35 pacientes com câncer colorretal recém-diagnosticados nos Estados Unidos. Trata-se de uma herança autossômica dominante com alta penetrância, que promove alterações em genes de reparo do DNA e predispõe ao câncer colorretal. Também traz risco aumentado para câncer de endométrio, estômago, intestino delgado e sistema hepatobiliar, entre outros.

Diagnóstico

O diagnóstico diferencial começa com a determinação do número de pólipos. Pacientes com menos de 10 pólipos colorretais devem ser considerados para a síndrome de Lynch. Este subgrupo é diferenciado a partir de testes genéticos e se caracteriza por apresentar instabilidade cromossômica (85%) ou de microssatélites (15%), perfil que tem implicações na vigilância e no tratamento.

Triagem

Nas orientações do NCCN, os testes para a síndrome de Lynch cumprem dois critérios: os clínicos, com base na história pessoal e familiar, e os critérios baseados nos testes de rotina. Neste caso estão a pesquisa de instabilidade de microssatélites (MSI), com resultado positivo em até 89% dos casos de síndrome de Lynch e a coloração imuno-histoquímica, positiva em 96% das vezes. Confira: Asco Post.


96%
A seleção por imunohistoquímica faz parte do diagnóstico diferencial para a síndrome de Lynch, com positividade de até 96%

89%
O teste genético de instabilidade de microssatélites (MSI) apresenta resultado positivo em até 89% dos casos de síndrome de Lynch


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519