02122021Qui
AtualizadoSeg, 29 Nov 2021 7pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Anvisa aprova avelumabe no carcinoma urotelial

approved NET OKA Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou uma nova indicação de avelumabe (Bavencio®), agora no tratamento de manutenção de pacientes com carcinoma urotelial irressecável. A nova indicação é baseada nos resultados do estudo randomizado de Fase III JAVELIN Bladder 100, que demonstrou que a imunoterapia estendeu o tempo até a recorrência e aumentou significativamente a sobrevida global. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União dia 28 de dezembro.

O estudo incluiu pacientes com carcinoma urotelial localmente avançado ou metastático que não progrediram após quimioterapia de 1ª linha, randomizados (1:1) para receber melhor tratamento de suporte (BSC) ou avelumabe. Foram elegíveis pacientes que receberam quimioterapia de indução baseada em platina (cisplatina ou carboplatina) em combinação com gemcitabina e doença estável após 4-6 ciclos de tratamento. O endpoint primário foi sobrevida global (SG), avaliada em 2 populações: em todos os pacientes randomizados e naqueles com tumores PD-L1+ (Ventana Ensaio SP263). Endpoints secundários incluíram sobrevida livre de progressão (SLP), resposta objetiva e dados de segurança.

Resultados

Um total de 700 pacientes foram inscritos em 197 centros, em 29 países, randomizados para receber tratamento de manutenção com avelumabe + BSC (N = 350) ou BSC isoladamente (N = 350), acompanhados por uma mediana de 19,6 e 19,2 meses, respectivamente. No geral, 358 (51%) pacientes tinham tumores PD-L1+.

A análise primária mostra que a combinação de avelumabe + BSC prolongou significativamente a sobrevida global em todos os pacientes randomizados ([HR] 0,69; IC95% 0,56, 0,86; p unilateral = 0,0005), com 21,4 meses versus 14,3 meses, respectivamente. Em um ano, 71,3% dos pacientes tratados com avelumabe estavam vivos (95% CI, 66.0% a 76.0%) versus 58,4% (95% CI, 52.7% a 63.7%) dos pacientes do grupo-controle. Os resultados suportam o uso de avelumabe como tratamento de manutenção após quimioterapia, com ganho mediano de sobrevida global de 7,1 meses em relação ao padrão de cuidados. Em pacientes com tumores PD-L1+ (51,1%), avelumabe mostrou ganho de SG ainda maior (HR 0,56; IC95% 0,40, 0,79; p unilateral p = 0,0003); a SG mediana não foi atingida versus 17,1 meses no grupo que recebeu exclusivamente BSC. Em um ano, 79,1% dos pacientes PD-L1+ tratados com avelumabe estavam vivos (95% CI, 72.1% a 84.5%) vs 60.4% (95% CI, 52.0% a 67.7%) no grupo BSC.

Os principais endpoints secundários também mostraram benefício com o tratamento de manutenção. A sobrevida livre de progressão foi maior no grupo tratado com avelumabe, tanto na população geral, com mediana de 3,7 meses vs 2,0 meses (HR, 0,62), quanto na população PD-L1-positiva, com SLP mediana de 5,7 meses vs 2,1 meses (HR, 0,56). Em pacientes com tumores PD-L1 negativos, a SLP mediana foi de 3,0 meses vs 1,9 meses, novamente com benefício de avelumabe (HR, 0,63) em relação ao grupo-controle.

O estudo está registrado em ClinicalTrials.Gov, NCT02603432.

Referências:

A Study Of Avelumab In Patients With Locally Advanced Or Metastatic Urothelial Cancer (JAVELIN Bladder 100) – Disponível em  https://clinicaltrials.gov/ct2/show/NCT02603432

 


Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519