26112020Qui
AtualizadoQui, 26 Nov 2020 3pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

OMS lança estratégia global para erradicação do câncer de colo do útero

jesus 2020A Organização Mundial de Saúde lançou uma estratégia global para eliminar o câncer de colo do útero como um problema de saúde pública e conclamou os 194 países signatários a se comprometerem com a eliminação da doença. A iniciativa é composta de três principais pilares - vacinação, rastreamento e tratamento – que juntas poderiam reduzir mais de 40% dos novos casos e 5 milhões de mortes relacionadas à doença até 2050. “Este é um marco histórico. É a primeira vez que se determina um tipo de câncer para ser eliminado do planeta”, avalia Jesus Paula Carvalho (foto), coordenador da equipe de ginecologia do ICESP.

O câncer de colo do útero é uma doença evitável e, se detectado precocemente e tratado adequadamente, curável. No entanto, é o quarto tipo de câncer mais comum entre as mulheres em todo o mundo. “Sem medidas adicionais, o número anual de novos casos de câncer do colo do útero deverá aumentar de 570.000 para 700.000 entre 2018 e 2030, enquanto o número anual de mortes deverá aumentar de 311.000 para 400.000. Em países de baixa e média renda, a incidência é quase o dobro e suas taxas de mortalidade três vezes mais altas em comparação com países de alta renda”, destaca o comunicado divulgado pela OMS.

A estratégia estabelece como metas até 2030 a vacinação contra o vírus do HPV em 90% das meninas até os 15 anos de idade; a avaliação por meio de um teste de alto desempenho de 70% das mulheres aos 35 anos e novamente aos 45; e o tratamento de 90% das mulheres identificadas com doença cervical (90% das mulheres com pré-câncer e 90% das mulheres com câncer invasivo).

“Os conhecimentos técnicos e científicos atuais são mais do que suficientes para eliminar o câncer do colo do útero. Entretanto, é necessário ação, logística e comprometimento. Precisamos vencer os interesses corporativos, os interesses comerciais, político-partidários, a desinformação e a desorganização das ações”, ressalta Carvalho. “O trabalho conjunto de instituições acadêmicas, profissionais de saúde de todos os níveis, agentes leigos, sociedade civil e formadores de opinião pode superar estes obstáculos”, acrescenta o especialista.

A estratégia também enfatiza que o cumprimento dessas metas pode gerar retornos econômicos e sociais substanciais. As estimativas sustentam que US$ 3,20 serão devolvidos à economia para cada dólar investido até 2050 devido aos aumentos na participação das mulheres na força de trabalho. O valor sobe para US$ 26 quando considerados os benefícios da melhoria da saúde das mulheres nas famílias, comunidades e sociedades.

O comunicado ressalta que a estratégia é lançada em um momento desafiador.

A pandemia da COVID-19 apresenta desafios para a prevenção de mortes por câncer, incluindo a interrupção dos serviços de vacinação, triagem e tratamento; o fechamento de fronteiras que reduziu a disponibilidade de suprimentos e impediu o trânsito de engenheiros biomédicos qualificados para a manutenção de equipamentos; novas barreiras que impedem mulheres em áreas rurais de viajarem para centros de referência para tratamento; e fechamentos de escolas que interrompem programas de vacinação. “Na medida do possível, a OMS estimula todos os países a garantir que a vacinação, a triagem e o tratamento possam continuar com segurança, com todas as precauções necessárias”, afirma.

“O mundo moderno nos oferece soluções tecnológicas criativas e de custo cada vez mais acessíveis. É preciso implementá-las. Telemedicina, telediagnóstico, tratamentos monitorados à distância, são recursos modernos de grande impacto em áreas de pobreza”, conclui Carvalho.


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519