31072021Sáb
AtualizadoQui, 29 Jul 2021 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Microbioma e tratamento com abiraterona no câncer de próstata

DAN WAITZBERGVárias publicações demonstraram que o microbioma humano desempenha papel crítico no desenvolvimento e progressão do câncer, além de influenciar a resposta ao tratamento. Agora, resultados reportados na Nature Communication mostram como a microbiota gastrointestinal (GI) afeta pacientes com câncer de próstata tratados com acetato de abiraterona. Dan Waitzberg (foto), professor associado do departamento de Gastroenterologia da FMUSP e Diretor científico da Bioma4me, analisa os resultados.

O câncer de próstata (CP) se mantém com altas taxas de morbidade e representa enorme pressão financeira para os sistemas de saúde. A progressão do CP depende da ativação do receptor de andrógeno, principalmente por testosterona e dihidrotestosterona. Em pacientes com CP com doença metastática ou localizada de alto risco, a terapia de privação de androgênio (ADT) é parte fundamental do tratamento, com a administração de agonistas do hormônio liberador de gonadotrofina sistêmico (intramuscular ou subcutâneo), como goserrelina, leuprorrelina ou triptorrelina. A doença resistente a castração é comumente tratada com terapias direcionadas ao eixo de receptor de andrógeno, como acetato de abiraterona (AA).

Neste estudo, Daisley et al. avaliaram como ADT sistêmica e AA oral impactam a microbiota GI de pacientes com CP. Os pesquisadores realizaram o sequenciamento do gene 16S rRNA nas amostras fecais coletadas de 68 pacientes e os resultados mostram que a composição da microbiota daqueles que receberam ADT ou ADT combinado com AA oral (ADT +AA) foi significativamente diferente em relação aos pacientes do grupo-controle, que não receberam qualquer forma de terapia.

“Quando os medicamentos são tomados por via oral, eles seguem seu caminho através do trato intestinal, onde entram em contato com bilhões de microorganismos”, diz Jeremy Burton, investigador principal do estudo. São exatamente esses microrganismos que podem estar desempenhando papel significativo nos resultados de alguns pacientes.

Na população tratada com AA, a abundância da comunidade bacteriana Akkermansia muciniphila foi o achado mais significativo. “Este estudo demonstra que o fármaco AA para tratamento oral do CP pode modular as comunidades microbianas GI associadas ao paciente, promovendo o crescimento de A. muciniphila”, afirmam os autores. “Nós concluímos que A. muciniphila é um regulador-chave de comunidades microbianas mediada por AA, e que esta espécie pode afetar a resposta ao tratamento em coortes de pacientes com CP resistente a castração”, destacam. 

Resultados reforçam papel benéfico da A. muciniphila sobre o hospedeiro

Por Dan Waitzberg, professor associado do departamento de Gastroenterologia da FMUSP e Diretor científico da Bioma4me

Daysley e colaboradores, em artigo de alto interesse, contribuem para a melhor compreensão da interrelação entre microbiota intestinal (MI) em câncer. Os autores sequenciaram a MI em pacientes com câncer de próstata sob tratamento que incluiu o acetato de abiraterona (AA), um inibidor da biossíntese de andrógeno. Observaram que com uso de AA oral houve, na MI, enriquecimento da bactéria Akkermancia muciniphila, um comensal associado a saúde.

Simultaneamente, observaram maior biossíntese bacteriana de vitamina K2, que inibe andrógeno e crescimento tumoral. Em paralelo, in vitro, observaram que a metabolização bacteriana de AA produz metabólitos com efeito em crescimento celular.

Estes importantes resultados expandem achados anteriores e reforçam o papel benéfico da A. muciniphila sobre o hospedeiro, que, como sabemos, inclui a maior eficácia dos inibidores checkpoint em imunoterapia de câncer.

No entanto, não foram demonstrados, ainda, efeitos clínicos sobre o câncer de próstata, de maneira que novos futuros estudos devem ser desenvolvidos, talvez ministrando-se vitamina K2 e a própria bactéria Akkermancia muciniphila.

Referência: Daisley, B.A., Chanyi, R.M., Abdur-Rashid, K. et al. Abiraterone acetate preferentially enriches for the gut commensal Akkermansia muciniphila in castrate-resistant prostate cancer patients. Nat Commun 11, 4822 (2020). https://doi.org/10.1038/s41467-020-18649-5


Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519