13062021Dom
AtualizadoQui, 10 Jun 2021 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Microbioma e câncer de mama na pré e pós-menopausa

DAN WAITZBERGCada vez mais evidências sugerem que a microbiota intestinal desempenha papel na patogênese do câncer de mama. Análise metagenômica que comparou a microbiota de controles saudáveis e de pacientes com câncer de mama pré e pós-menopausa em termos de perfil taxonômico, capacidade funcional genética e associação com índices clínicos mostrou que a composição e a funcionalidade do microbioma diferiram em mulheres com câncer de mama na pós-menopausa. Dan Waitzberg (foto), professor associado do departamento de Gastroenterologia da FMUSP e Diretor científico da Bioma4me, analisa os resultados.

Um total de 133 amostras fecais foram sequenciadas de pacientes com câncer de mama na pré-menopausa (n = 18), controles saudáveis ​​na pré-menopausa (n = 25), pacientes com câncer de mama na pós-menopausa (n = 44) e controles saudáveis ​​na pós-menopausa (n = 46). Pacientes e controles foram semelhantes quanto à idade, IMC e etnia (P> 0,05).

Os resultados mostram que a diversidade microbiana foi maior em pacientes com câncer de mama. A abundância relativa de espécies na microbiota intestinal não diferiu significativamente entre pacientes com câncer de mama na pré-menopausa e controles com mesmo status menopausal. No entanto, houve diferença significativa em 45 espécies entre pacientes pós-menopáusicas e controles correspondentes: 38 espécies foram enriquecidas nas pacientes pós-menopáusicas, incluindo Escherichia coli, Klebsiella sp_1_1_55, Prevotella amnii, Enterococcus gallinarum, Actinomyces sp. HPA0247, Shewanella putrefaciens e Erwinia amylovora e 7 espécies foram menos abundantes em pacientes na pós-menopausa, incluindo Eubacterium eligens e Lactobacillus vaginalis. Acinetobacter radioresistens e Enterococcus gallinarum foram positivamente associados à expressão da proteína C reativa de alta sensibilidade; Shewanella putrefaciens e Erwinia amylovora foram fracamente associadas aos níveis de estradiol. Actinomyces sp. HPA0247 negativamente, mas fracamente correlacionado com o número de células T CD3 + CD8 +.

Zhu et al. destacam que o status do câncer de mama, o status menopausal e a idade foram fatores significativos para explicar a variação nas amostras de microbiota intestinal examinadas (P <0,05).  Essas descobertas fornecem evidências adicionais para a ideia de que alterações na comunidade microbiana intestinal estão associadas ao câncer de mama. Por exemplo, uma diminuição na Roseburia inulinivorans pode tornar as mulheres pós-menopáusicas mais propensas à inflamação e, portanto, em maior risco de câncer de mama”, explicam.

A caracterização da capacidade funcional indicou que os metagenomas intestinais de pacientes com câncer de mama na pós-menopausa foram enriquecidos em genes que codificam a biossíntese de lipopolissacarídeos, sistema de transporte do complexo de ferro, sistema PTS, sistema de secreção e beta-oxidação.

Esses resultados são consistentes com a ideia de que a microbiota intestinal pode influenciar ou ser afetada pelo metabolismo do estrogênio e, assim, fornecer um biomarcador independente de câncer de mama.

“Em conclusão, a composição e funções da comunidade microbiana intestinal diferem entre pacientes com câncer de mama na pós-menopausa e controles saudáveis”, descrevem os autores. “Dessa forma, nosso estudo sugere uma associação entre a microbiota intestinal e o desenvolvimento de câncer de mama na pós-menopausa. No entanto, nossos dados não nos permitem determinar se o metagenoma intestinal alterado é consequência do processo da doença ou está de alguma forma envolvido em sua patogênese”.

A íntegra do artigo está disponível em acesso aberto, na Microbiome.

Dados sugerem efeito da microbiota intestinal sobre equilíbrio metabólico e imunidade

Por Dan Waitzberg

Nos últimos anos, aumentaram os estudos sobre inter-relações entre microbiota intestinal (MI) e câncer, particularmente em cólon e mama. A microbiota intestinal de pacientes com câncer de mama parece ser distinta da encontrada em mulheres controles em termos de diversidade, riqueza e espécies bacterianas, conforme estudos em material fecal realizados com a técnica de sequenciamento genético 16s.

A contribuição do estudo de Zhu e colaboradores, do Centro de Genômica e Medicina Personalizada na Universidade Médica Guangxi, na China, foi estudar a MI de pacientes com câncer de mama e mulheres controles, nas condições de pré e pós-menopausa, com técnicas avançadas de shotgun ( rastreamento completo do genoma microbiano) associadas a metagenômica, que permite avaliação funcional da microbiota intestinal.

Deste modo, os autores observaram que a MI de pacientes em pós-menopausa com câncer de mama diferenciou-se de controles sem câncer por maior diversidade e maior presença de 38 espécies, com destaque para Escherichia coli, Klebsiella sp, Prevotella amnii, Enterococcus gallinarum, Actinomyces sp., Shewanella putrefaciens, e Erwinia amylovora.  Os pesquisadores também observaram 7 espécies menos abundantes, entre elas Eubacterium eligens, Lactobacillus vaginalis. Acinetobacter radioresistens e Enterococcus gallinarum.

A originalidade do estudo está no achado de associações significativas, embora fracas, de determinadas espécies bacterianas com componente inflamatório (proteína C reativa), níveis de estradiol, e números de linfócitos T CD3+CD8+, ao lado de outras alterações do metagenoma funcional.

Ainda não se pode afirmar se as alterações encontradas na microbiota intestinal podem ser causa ou consequência do câncer de mama, mas os dados sugerem seu efeito sobre o equilíbrio metabólico e imunidade do hospedeiro.

Referência: Zhu, J., Liao, M., Yao, Z. et al. Breast cancer in postmenopausal women is associated with an altered gut metagenome. Microbiome 6, 136 (2018). https://doi.org/10.1186/s40168-018-0515-3.


 

Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519