25102021Seg
AtualizadoSeg, 25 Out 2021 12am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Imunoterapia em associação com eribulina não mostra benefício no câncer de mama metastático

romulado barroso 2019 bxOs resultados de estudo randomizado de Fase II não suportam o uso de pembrolizumabe em combinação com eribulina para pacientes com câncer de mama metastático receptor hormonal positivo (HR+)/ERBB2-negativo, independente do status do PD-L1. Os dados foram publicados no JAMA Oncology. O oncologista Romualdo Barroso, coordenador de Pesquisa Translacional do Hospital Sírio-Libanês em Brasília e coautor do estudo, comenta os resultados.

Trabalhos anteriores demonstraram que apenas uma pequena proporção de pacientes com câncer de mama HR+ metastático apresenta benefício com inibidores de PD-1/PD-L1 administrados em monoterapia. Existem dados que sugerem que a atividade pode ser maior com estratégias de combinação.

Nesse estudo multicêntrico, randomizado, de Fase II, os pesquisadores avaliaram a eficácia da eribulina associado ou não a pembrolizumabe em pacientes com câncer de mama metastático HR+/ERBB2-negativo que receberam previamente duas ou mais linhas de terapia hormonal e 0-2 linhas de quimioterapia.

Os pacientes foram randomizados 1:1 para eribulina 1,4 mg/m2 por via intravenosa nos dias 1 e 8 mais pembrolizumabe 200 mg/m2 por via intravenosa no dia 1 de um ciclo de 21 dias ou eribulina isolada. No momento da progressão, os pacientes no braço da monoterapia com eribulina poderiam receber a monoterapia com pembrolizumabe.

O desfecho primário foi a sobrevida livre de progressão (SLP). Desfechos secundários incluíram a taxa de resposta objetiva (ORR) e a sobrevida geral (SG). As análises exploratórias avaliaram a associação entre SLP e status de PD-L1, linfócitos tumorais infiltrantes (TILs), carga mutacional tumoral (TMB) e alterações genômicas.

Resultados

Oitenta e oito pacientes iniciaram a terapia do protocolo; a mediana de idade foi 57 anos (30-76), o número médio de linhas anteriores de quimioterapia foi 1 (0-2) e a mediana de linhas anteriores de terapia hormonal foi 2 (0- 5). O acompanhamento médio foi de 10,5 meses (95% CI, 0,4-22,8). As medianas de SLP e ORR não foram diferentes entre os dois grupos (SLP, 4,1 vs 4,2 meses; hazard ratio 0,80; 95% CI, 0,50-1,26; P = 0,33; ORR, 27% vs 34%, respectivamente; P = 49).

Quatorze pacientes iniciaram o tratamento cruzado com pembrolizumabe; 1 paciente apresentou doença estável. Eventos adversos ocorreram em todos os pacientes (grau ≥3, 65%) incluindo duas mortes relacionadas ao tratamento no grupo de combinação, ambas por colite relacionada ao sistema imunológico no cenário de sepse, atribuídas a ambos os medicamentos.

O ensaio PD-L1 22C3 foi realizado em amostras de tumor em 65 pacientes: 24 (37%) tinham tumores PD-L1 positivos. A análise indicou que o status PD-L1, TILs, TMB e alterações genômicas não foram associados com a sobrevida livre de progressão.

Em conclusão, a adição de pembrolizumabe à eribulina não aumentou a sobrevida livre de progressão, taxa de resposta objetiva ou sobrevida global em comparação com a eribulina isolada tanto na população por intenção de tratamento como naquela PD-L1 positiva.

“Na população geral, fora de estudos clínicos, não existem evidências que suportem o uso de pembrolizumabe em pacientes com câncer de mama RH+ nesse momento”, ressalta Barroso.

O oncologista observa que a principal limitação do estudo é que o desfecho primário escolhido, de sobrevida livre de progressão (o mais comum em estudos de Fase 2), provavelmente não é o melhor desfecho para avaliar o benefício da imunoterapia no câncer de mama. “O estudo não tinha poder adequado para avaliar sobrevida global”, diz Barroso, acrescentando que mais estudos são necessários para o desenvolvimento clínico da imunoterapia no câncer de mama RH+/ERBB2-. “Tanto novas combinações de terapêuticas contento inibidores de checkpoint imune devem ser exploradas, como deve-se tentar incluir pacientes em estágios mais precoces da doença (menos politratados). Por fim, a condução de estudos translacionais acoplados a esses estudos clínicos é fundamental para o desenvolvimento de biomarcadores preditivos de resposta e o desenvolvimento racional de estudos clínicos com hipóteses mais claras”, conclui.

O estudo está registrado no ClinicalTrials.gov, NCT03051659.

Referência: Tolaney SM, Barroso-Sousa R, Keenan T, et al. Effect of Eribulin With or Without Pembrolizumab on Progression-Free Survival for Patients With Hormone Receptor–Positive, ERBB2-Negative Metastatic Breast Cancer: A Randomized Clinical Trial. JAMA Oncol. Published online September 03, 2020. doi:10.1001/jamaoncol.2020.3524

 

Publicidade
Outubro Rosa A.C.Camargo 2021
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519