26112020Qui
AtualizadoTer, 24 Nov 2020 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Oncologia brasileira aposta em áreas livres de COVID-19

coronavirus covid 19 bxA curva ascendente mostra que o ritmo da pandemia continua a pressionar o sistema de saúde. Mas mesmo diante da COVID-19, a oncologia brasileira decidiu manter o ritmo da assistência. “Temos seguido a orientação do Comitê Estadual de Oncologia de São Paulo. A orientação inicial foi no sentido de criar corredores livres de COVID-19 para tratar esses pacientes de câncer em segurança”, explica a oncologista Daniela Ramone, do Hospital de Amor, em Barretos.

Considerada referência no tratamento do câncer, a instituição no interior paulista criou uma unidade exclusiva para tratamento da COVID-19 e passou a realizar uma triagem respiratória fora da unidade oncológica.” Aqui dentro de um centro de câncer não entra ninguém com sintoma respiratório. Só entra no hospital o funcionário e  o paciente. Nem acompanhante temos recomendado, exceto em casos realmente necessários”, conta Daniela. “Com isso tentamos proteger o ambiente oncológico para o tratamento, mas é uma recomendação que vale agora, na semana que vem isso pode mudar. É um cenário de guerra, com estratégias que podem mudar, dependendo da evolução”, completa a oncologista de Barretos.

O mastologista Ruffo de Freitas, coordenador do Programa de Mastologia da Universidade Federal de Goiás, é nome de referência na especialidade e reforça a importância de áreas “COVID free”. “Essa tem sido a tônica, reservar áreas exclusivas para o atendimento dos casos de COVID-19 e outras áreas livres, que temos chamado de COVID free”, prossegue Ruffo, também titular do Hospital Araújo Jorge, da Associação de Combate Ao Câncer de Goiás. “Com o afastamento social, aqueles pacientes que estavam em tratamento continuaram recebendo quimioterapia, seja na clínica privada, em hospital filantrópico e na rede 100% SUS, como é no nosso caso o hospital universitário, controlado pela regulação”, esclarece.

Em termos de cirurgia, a orientação foi suspender e reprogramar os procedimentos não oncológicos, incluindo reconstrução mamária tardia, mas manter a cirurgia para pacientes que precisam ser operadas de câncer de mama. “Aqui, o presidente da Associação de Combate ao Câncer de Goiás, que é a maior instituição de câncer de todo o Centro-Oeste, ele foi a mídia dizer que paciente de câncer não tem que ficar em casa; paciente de câncer tem que fazer seu tratamento. Então, nós continuamos com tudo”, diz Ruffo.

Pelo menos duas grandes sociedades médicas, a SBOC e a SBCO reforçam a proposta de manter o tratamento de pacientes de câncer em áreas COVID-free. “É inviável você sentar e ficar esperando três meses até essa pandemia passar. A gente acaba condenando o paciente potencialmente curável, porque o risco é maior de morrer de câncer do que de ser contaminado”, avalia Daniela Ramone.

 

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519