27112020Sex
AtualizadoSex, 27 Nov 2020 1am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

DNA tumoral circulante e biópsia líquida em tumores geniturinários

manuel maia whats bxO oncologista Manuel Caitano Maia (foto), médico do Centro de Oncologia do Paraná, em Curitiba e ex-fellow de oncologia clínica do City of Hope Cancer Center, é primeiro autor de artigo de revisão publicado na Nature Reviews Urology que discute as implicações ​​para a prática clínica das técnicas de biópsia líquida, especialmente o uso da análise do DNA tumoral circulante (ctDNA) em tumores geniturinários.

“É a primeira ampla revisão sobre o uso de DNA tumoral circulante em tumores geniturinários a ser publicada. O artigo faz um apanhado sobre as bases biológicas do DNA tumoral circulante (ctDNA), as técnicas utilizadas para avaliação de ctDNA, como o ctDNA se compara à avaliação do DNA tumoral em tecido e as aplicações clínicas do ctDNA no diagnóstico, estadiamento e tratamento do câncer de próstata, rim e bexiga”, esclarece Maia.

O artigo destaca que comparado com a análise de DNA tumoral com base em tecido, o ctDNA no plasma é mais conveniente, facilmente acessível, mais rápido e menos invasivo, minimizando os riscos relacionados aos procedimentos para biópsia tecidual e oferecendo a oportunidade de realizar o monitoramento seriado das alterações.

Além disso, os perfis genômicos do ctDNA refletem a heterogeneidade do tumor, o que tem implicações importantes para a identificação de clones resistentes e seleção da terapias-alvo muito antes da ocorrência de alterações clínicas e radiográficas. “O teste de ctDNA no plasma também pode ser aplicado para o rastreamento do câncer, estratificação de risco e quantificação de doença residual mínima. Esses recursos oferecem uma oportunidade sem precedentes para o tratamento precoce de pacientes, aumentando as chances de sucesso do tratamento”, avalia.

O trabalho enfatiza ainda a possibilidade de identificação de biomarcadores preditivos para seleção e inscrição de pacientes em ensaios clínicos.

“O rendimento do ctDNA depende de vários fatores, incluindo o tempo de aquisição da amostra de sangue em relação ao tratamento e resposta, carga mutacional, volume de doença e a quantidade de DNA livre circulante (cfDNA) que deve ser considerado ao solicitar e interpretar o teste”, observam os autores.

Segundo Maia, com o advento e avanço da oncologia de precisão, tornou-se imprescindível o desenvolvimento de técnicas capazes de analisar o DNA tumoral de forma mais fácil e rápida. “Sabemos que o uso de tecido tumoral deixa muito a desejar, pois muitas vezes a biópsia é difícil de ser feita e acarreta inúmeros riscos. Além disso, é relativamente comum nos frustrarmos com a presença de material insuficiente ou inviável para análise molecular. Nesse sentido, o uso de plasma para análise de ctDNA é revolucionário na medida em que nos permite fazer as análises moleculares de forma muito prática”, conclui o oncologista.

Referência: Maia, M.C., Salgia, M. & Pal, S.K. Harnessing cell-free DNA: plasma circulating tumour DNA for liquid biopsy in genitourinary cancers. Nat Rev Urol (2020). https://doi.org/10.1038/s41585-020-0297-9


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519