30112020Seg
AtualizadoSeg, 30 Nov 2020 1am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Teratoma e valor prognóstico em tumores testiculares

flavio carcano bxArtigo de Taza et. al no JCO discute o valor prognóstico do teratoma em amostras de dissecção de linfonodos retroperitoneais pós-quimioterapia em pacientes com tumor metastático de células germinativas. Os resultados da análise retrospectiva mostram que a presença de teratoma não teve impacto prognóstico. Quem comenta é Flavio Cárcano (foto), oncologista do Hospital de Câncer de Barretos.

Foram incluídos pacientes com tumores testiculares de células germinativas (TCG) metastáticos e não-seminomatoso (NSGCT) avaliados na Universidade de Indiana entre 1990 e 2016, que tiveram amostra primária de tumor testicular por orquiectomia (ORCH). Todos os pacientes foram tratados com quimioterapia combinada à base de cisplatina.

De acordo com a presença ou ausência de teratoma na amostra da orquiectomia, a coorte foi dividida em 2 grupos. Os dados de sobrevida foram correlacionados com os achados histopatológicos. As diferenças na sobrevida livre de progressão (SLP) e na sobrevida global (SG) foram avaliadas usando testes de log-rank e modelos de riscos proporcionais de Cox para ajustar os fatores prognósticos adversos conhecidos.

Resultados 

Foram identificados 1.224 pacientes que preencheram os critérios de inclusão. A idade mediana foi de 27 anos (variação de 13 a 71 anos); 689 pacientes tiveram teratoma na amostra ORCH e 535 não. Com seguimento médio de 2,3 anos, a SLP em 5 anos foi de 61,9% (IC 95%, 57,1% a 66,2%) para aqueles com teratoma versus 63,1% (IC 95%, 58,0% a 67,8%) para aqueles sem (P = 0,66); A SG em 5 anos foi de 82,2% (IC 95%, 77,9% a 85,8%) versus 81,4% (IC 95%, 76,5% a 85,3%; P = 0,91), respectivamente.

Um total de 473 pacientes foi submetido à dissecção de linfonodos retroperitoneais pós-quimioterapia ( PC-RPLND); A SLP em 5 anos para pacientes com teratoma puro na amostra PC-RPLND versus necrose foi de apenas 65,9% versus 79,1% (P = 0,06), e a SG em 5 anos foi de 90,3% versus 93,4% (P = 0,21), respectivamente.

“Neste grande estudo retrospectivo de pacientes com NSGCT, a presença de teratoma em amostras de ORCH e PC-RPLND não foi fator prognóstico”, concluíram os autores.

Comentários

Por Flavio M. Cárcano, oncologista do Hospital de Câncer de Barretos (Hospital do Amor)

Teratomas costumam ser encontrados em NSGCT na sua forma pura, ou mais frequentemente, em tumores mistos junto a outras histologias. Trata-se de uma histologia mais diferenciada e por conta disso não responde ao uso de quimioterapia. Além disso, embora mais raro, estas histologias podem guardar epitélio primitivo e proporcionar uma transformação somática em outros tipos tumorais não germinativos ou levar à Síndrome do Teratoma Crescente, onde em ambos os casos, a cirurgia é a melhor intervenção terapêutica.

Estes são alguns dos argumentos que levam à indicação de RPLND em lesões residuais de NSGCT após a quimioterapia. Taza e colaboradores não encontraram diferenças nos resultados clínicos de acordo com a presença de teratomas no testículo ou no retroperitoneo. Importante ressaltar que todos os pacientes foram submetidos a RPLND por especialistas urológicos em um centro de referência para toda lesão residual > 1 cm. É sabido que tratar pacientes com tumores de testículo em centros de referência impacta diretamente nos desfechos clínicos.

Adicionalmente, os autores encontraram uma sobrevida livre de progressão pior para pacientes com teratoma em espécimes de RPLND após ajustar para idade, IGCCCG e normalização dos marcadores após quimioterapia, mas sem diferenças na sobrevida global, o que pode denotar a necessidade de maior número de intervenções cirúrgicas para este grupo.

Este estudo reforça a necessidade na prática clínica de almejar uma ressecção completa de lesões residuais após quimioterapia no retroperitoneo em centros de grande volume de RPLND com cirurgiões experientes. Além disso, é importante a busca de marcadores moleculares e/ou de imagem que possam predizer melhor a presença ou não de teratoma, carcinoma ou necrose na doença residual após quimioterapia, e assim poupar muitos pacientes de RPLND.

Referência:
Taza, F., Chovanec, M., Snavely, A., Hanna, N. H., Cary, C., Masterson, T. A., … Adra, N. (2020). Prognostic Value of Teratoma in Primary Tumor and Postchemotherapy Retroperitoneal Lymph Node Dissection Specimens in Patients With Metastatic Germ Cell Tumor. Journal of Clinical Oncology, JCO.19.02569. doi:10.1200/jco.19.02569


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519