28112020Sáb
AtualizadoSex, 27 Nov 2020 1pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

PACIFIC atualiza dados de sobrevida global

Clarissa Baldotto NET OKArtigo de Gray, J.E. et al. na Journal of Thoracic Oncology traz resultados de 3 anos de seguimento do estudo PACIFIC, com dados atualizados de sobrevida global que confirmam o benefício clínico de durvalumabe após quimiorradioterapia no câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP) estádio III e consolidam o regime PACIFIC como padrão de atendimento nessa população. A oncologista Clarissa Baldotto (foto), Diretora de Cuidado Integrado na Oncologia D’Or e membro da Diretoria do GBOT, comenta o trabalho.

O estudo de Fase 3 PACIFIC avaliou pacientes com CPCNP irressecável em estádio III, sem progressão após quimiorradioterapia, e mostrou benefício significativo de durvalumabe em relação ao placebo nos principais endpoints de sobrevida livre de progressão (razão de risco [HR] = 0,52, intervalo de confiança de 95% [IC] : 0,42–65, p <0,0001) e sobrevida global (SG) (HR = 0,68, IC 95%: 0,53–0,87, p = 0,00251), com perfil de segurança gerenciável.

Pacientes estratificados por idade, sexo e histórico de tabagismo foram randomizados (2: 1) para receber durvalumabe, 10 mg / kg por via intravenosa a cada 2 semanas, ou placebo por até 12 meses. A SG foi analisada usando um teste estratificado de log-rank na população por intenção de tratar. As medianas de SG foram estimadas em 12, 24 e 36 meses pelo método de Kaplan-Meier. 

Resultados

Em 31 de janeiro de 2019, 48,2% dos pacientes haviam morrido (44,1% e 56,5% nos grupos durvalumab e placebo, respectivamente). A duração média do acompanhamento foi de 33,3 meses. A SG permaneceu consistente com o relatado anteriormente (HR estratificado = 0,69 [IC 95%: 0,55-0,86]); a SG mediana não foi alcançada com durvalumabe, mas foi de 29,1 meses com placebo. As taxas de SG em 12, 24 e 36 meses com durvalumabe e placebo foram 83,1% versus 74,6%, 66,3% versus 55,3% e 57,0% versus 43,5%, respectivamente. Todos os resultados secundários avaliados mostraram benefícios consistentes com as análises anteriores.

“Os resultados atualizados do PACIFIC, aproximadamente 3 anos após a randomização do último paciente, demonstram que os benefícios clínicos de durvalumabe em termos de SG e tempo para a primeira e segunda terapia subsequente ou morte foram duradouros e mantidos a longo prazo. É importante ressaltar que mais de 50% dos pacientes que receberam durvalumabe estavam vivos aos 36 meses (57,0% versus 43,5%)”, destacam os autores.

Comentários

Por Clarissa Baldotto (foto), Diretora de Cuidado Integrado na Oncologia D’Or e membro da Diretoria do Grupo Brasileiro de Oncologia Torácica (GBOT)

Passaram-se 2 anos desde a primeira publicação, com resultados positivos de sobrevida livre de progressão, do estudo PACIFIC (Antonia SJ et al. N Engl J Med 2017; 377:1919). Desde então, o padrão de tratamento para pacientes com doença localmente avançada foi modificado com a incorporação da imunoterapia ao tradicional esquema combinado de quimioterapia e radioterapia, que há mais de 10 anos permanecia o mesmo.  Em 2018 foram publicados os resultados também positivos de sobrevida global (SG) (Antonia SJ et al. N Engl J Med 2018; 379: 2342).

O recente estudo publicado no Journal of Thoracic Oncology consolida nossa prática, mostrando a manutenção desse benefício com o seguimento mais longo, de 3 anos. Mais da metade dos paciente permanecem vivos em 3 anos, com um benefício de cerca de 30% de SG comparado com o grupo controle.

A partir de agora, com este amadurecimento dos dados, vamos aguardar os próximos passos. Um deles é tentar maximizar os benefícios demonstrados no PACIFIC, como vem sendo feito em estudos combinando radioterapia e imunoterapia. Por outro lado, também precisamos responder algumas perguntas que ficaram abertas no estudo, como o papel do tratamento em pacientes com mutações driver e a influência do PD-L1 ou eventualmente de outros biomarcadores na predição de benefício. E claro, sempre avaliando com nossos dados de mundo real como se comportará o perfil de toxicidade, que no estudo foi muito favorável.

Referência: Gray, J. E., Villegas, A., Daniel, D., Vicente, D., Murakami, S., Hui, R., … Antonia, S. J. (2019). Brief report: Three-year overall survival with durvalumab after chemoradiotherapy in Stage III NSCLC - Update from PACIFIC. Journal of Thoracic Oncology. doi:10.1016/j.jtho.2019.10.002 


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519