08042020Qua
AtualizadoTer, 07 Abr 2020 3pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

Inteligência Artificial e discordância diagnósticas em pólipos colorretais

polipos colorretal bxEm artigo publicado em janeiro, a NEJM Journal Watch discute um tema que está em alta: a inteligência artificial pode ajudar a resolver discrepâncias entre diagnósticos endoscópicos e patológicos de pólipos colorretais ≤ 3 mm?

 

A histologia dos pólipos colorretais pode ser prevista com precisão durante a endoscopia, a partir de critérios validados, sendo a análise de patologia o padrão-ouro. No entanto, em estudo recente, 15% dos pólipos ≤ 3 mm classificados como adenomas foram interpretados como tecido normal na patologia (Endoscopy 2019 51; 221).

Estudo de Shahidi N et al (Gastroenterology, 2019) avaliou se uma ferramenta de inteligência artificial (IA) poderia resolver essas discrepâncias. O conjunto de dados incluiu 644 pólipos ≤ 3 mm com diagnóstico endoscópico prévio de adenoma. Os resultados mostraram que a taxa de discordância entre diagnósticos endoscópicos e patológicos foi de 29%, sendo a maioria dos pólipos interpretados como pólipo hiperplásico ou mucosa normal.

O diagnóstico de IA foi discordante com o diagnóstico endoscópico em 11% dos pólipos, a maioria interpretada como mucosa normal. O sistema de IA concordou com o diagnóstico endoscópico em 90% dos casos em que as análises foram discordantes da patologia. Para os 99 pólipos considerados como adenoma na endoscopia e relatados como mucosa normal na patologia, a IA concordou com o diagnóstico endoscópico em 91% dos casos.

Charles J. Kahi, que revê Shahidi N et al (Gastroenterology, 2019) sustenta que o estudo destaca uma nova aplicação da IA na colonoscopia. “A maior concordância entre os diagnósticos histológicos endoscópicos e derivados da IA ​​não é surpreendente, uma vez que ambos são baseados nos mesmos critérios visuais que avaliam as características da superfície do pólipo. Uma observação importante é a taxa substancial de discordância entre os diagnósticos endoscópicos e patológicos para pólipos ≤ 3 mm”, argumenta. Segundo os autores, as discordâncias podem ocorrer devido a erros na recuperação ou processamento da amostra. “Nesses casos, o diagnóstico endoscópico de adenoma deve prevalecer ao determinar os intervalos de vigilância pós-polipectomia”, acrescenta.

Referência: Shahidi N et al. Use of endoscopic impression, artificial intelligence, and pathologist interpretation to resolve discrepancies between endoscopy and pathology analyses of diminutive colorectal polyps. Gastroenterology 2019 Dec 18; [e-pub]. (https://doi.org/10.1053/j.gastro.2019.10.024)


Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519