17092019Ter
AtualizadoTer, 17 Set 2019 10pm

PUBLICIDADE
topbanner novartis2019 468x60

Nova diretriz traz recomendações para radioterapia no câncer de pâncreas

Hanriot Net OKUma nova diretriz da American Society for Radiation Oncology (ASTRO) traz recomendações sobre o uso de radioterapia no tratamento de pacientes com câncer de pâncreas, com orientações sobre a dosagem, época e fracionamento ideais. A diretriz também descreve estratégias para prevenir e mitigar os efeitos da radioterapia pancreática, em publicação na Practical Radiation Oncology, periódico da ASTRO. O rádio-oncologista Rodrigo Hanriot (foto), coordenador do serviço de Radioterapia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, comenta o trabalho.

 

A diretriz se concentra em quatro áreas básicas: (1) o uso de radioterapia nos cenários pré-operatório, pós-operatório, radical e paliativo; (2) radioterapia estereotática versus convencional; (3) aspectos técnicos da radioterapia e, finalmente (4) estratégias para mitigar efeitos colaterais comuns. Os autores reforçam que a diretriz enfatiza a importância de uma abordagem centrada nos valores e preferências dos pacientes nas decisões de tratamento, assim como valoriza consultas multidisciplinares no planejamento e acompanhamento terapêutico.

Avanços recentes, incluindo novas terapias sistêmicas e o surgimento da radioterapia estereotática, provocaram mudanças significativas no tratamento do câncer de pâncreas. "Historicamente, taxas muito altas de metástase à distância eram observadas no câncer de pâncreas. Nos últimos anos, as terapias sistêmicas têm se mostrado mais eficazes no controle da doença, o que torna a radioterapia um tratamento ainda mais importante para gerenciar o câncer de pâncreas", explicou Manisha Palta, radio-oncologista da Universidade de Duke, que participou da definição das diretrizes.

No cenário adjuvante, a radioterapia fracionada é recomendada após ressecção cirúrgica para pacientes com características de alto risco, como linfonodos e margens positivas. A SBRT é recomendada apenas se o paciente estiver inscrito em um protocolo clínico de pesquisa.

No cenário neoadjuvante, a recomendação é a radioterapia fracionada ou SBRT após quimioterapia para pacientes com doença ressecável. A quimioterapia neoadjuvante mais radioterapia (convencional ou estereotática) é recomendada após terapia sistêmica para pacientes selecionados com doença ressecável limítrofe.

Para pacientes com doença localmente avançada, que não são candidatos à cirurgia, a quimioterapia sistêmica seguida de quimio-radioterapia convencional ou SBRT é recomendada como opção para o tratamento definitivo.

A diretriz também enfatiza a recomendação para uso da radioterapia de intensidade modulada (IMRT), assim como preconiza a irradiação paliativa.

Apesar de ser o 11º câncer mais comum entre adultos nos EUA, o câncer de pâncreas é a terceira causa de morte por câncer na população americana, com estimativa de 45.570 mortes e 56.770 novos diagnósticos em 2019. A sobrevida em cinco anos é de 9%, apontada entre as mais baixas entre os diversos tipos de câncer. Mais da metade dos diagnósticos ocorre após a disseminação metastática, quando a sobrevida relativa em cinco anos cai para 2,9%.

“Este é o primeiro guideline sobre câncer de pâncreas que inclui SBRT como opção terapêutica válida. Enquanto em outros sítios, como pulmão, próstata e osso o uso de SBRT já foi extensamente estudado, em pâncreas esta recomendação é recente”, explica Hanriot.

O especialista observa que os dados anteriores de irradiação em fracionamento convencional, mesmo utilizando IMRT, têm se mostrado limitados. “Aparentemente SBRT tem eficácia igual ou mesmo superior em controle local e é promissor para associação com novas drogas, especialmente imunoterápicos, uma vez que apresenta potencial interessante de melhores taxas de resposta quando associado a estas drogas”, afirma.

O rádio-oncologista acrescenta que cerca de 80 clinical trials estão em andamento com SBRT em pâncreas em diversos regimes de tratamento (pré-operatório, pós-operatório, radical em conjunto a quimoterapia e/ou imunoterápicos). “Após décadas de tratamentos pouco eficazes em doença de alta letalidade, essa nova abordagem tem perspectiva promissora”, conclui.

Referência: Palta, Manisha et al.Radiation Therapy for Pancreatic Cancer: Executive Summary of an ASTRO Clinical Practice Guideline. Practical Radiation Oncology, Volume 9, Issue 5, 322 – 332. DOI: https://doi.org/10.1016/j.prro.2019.06.016


Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner teva inst 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner ibcc2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519