25112020Qua
AtualizadoTer, 24 Nov 2020 4pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

Estudo brasileiro discute caminhos para o tratamento do câncer de bexiga

ANDREY NET OKO oncologista Andrey Soares (foto) é autor sênior de estudo de revisão publicado no Journal of Global Oncology, que discute medidas para substituir a terapia intravesical com Bacillus Calmette-Guérin (BCG) no carcinoma urotelial de bexiga não músculo invasivo. “A escassez mundial de BCG nos últimos anos e a oferta intermitente podem afetar os cuidados dos pacientes com câncer de bexiga, impondo decisões clínicas difíceis para urologistas e oncologistas”, sustentam os autores, em artigo que propõe alternativas para enfrentar o problema no cenário brasileiro e em outros países de baixa e média renda com dificuldades semelhantes.

No Brasil, apenas um laboratório, a Fundação Ataulpho Paiva, é responsável pela produção e fornecimento de BCG para terapia Intravesical. “Temos enfrentado vários períodos de escassez de fabricação, afetando negativamente o tratamento de vários pacientes”, descreve o artigo, contextualizando um cenário que não é exclusividade brasileira. Na última década, vários outros países também sofreram com a escassez de oferta de BCG, dimensionando a extensão do problema.

Para auxiliar oncologistas clínicos e urologistas na tomada de decisões durante períodos de desabastecimento de BCG, o estudo brasileiro argumenta que a administração dependerá da estratificação de risco do paciente, considerando características clínicas e patológicas: tumores multicêntricos, tamanho do tumor, estágio T1, grau, histórico de recorrência, carcinoma in situ (CIS) associado e localização desfavorável. A partir dessas características, os pacientes podem ser estratificados de acordo com o risco de recorrência da doença (baixo, intermediário e alto – Tabela 1). 

Alternativas

Os autores sustentam que uma opção razoável para superar a escassez de suprimento de BCG no Brasil é importar outras cepas, principalmente para pacientes de alto risco, ainda que existam limitações relacionadas ao tempo, além do custo dos impostos e das remessas de importação.

Com base nas evidências disponíveis, a redução da dose e / ou da duração dos ciclos de indução e manutenção também figuram entre as recomendações, assim como a cistectomia radical, que pode ser uma alternativa e deve ser considerada em locais com problemas de acesso à terapia com BCG. “Os riscos e benefícios da cistectomia radical, incluindo mortalidade, morbidade e qualidade de vida devem ser discutidos com os pacientes”, defende o estudo.

Na escassez de BCG Intravesical, outras drogas também foram avaliadas após ressecção transuretral (TURBT) e são consideradas na revisão brasileira, como mitomicina-C, epirrubicina e tiotepa. “A lógica para administrar quimioterapia intravesical 24 horas após TURBT é impedir a implantação de células tumorais, reduzindo assim a recorrência”, esclarecem os autores. Outra terapia promissora é a gemcitabina, especialmente para pacientes de risco intermediário e alguns pacientes de alto risco. “A gemcitabina pode ser considerada, principalmente quando a mitomicina-C não estiver disponível”, propõem.

O estudo tem a participação de Marcelo Langer Wroclawski, Jonathan Doyun Cha, Fabio A. Schutz e Andrey Soares.

Para conferir a íntegra, acesse:

https://ascopubs.org/doi/full/10.1200/JGO.19.00112

TABLE 1. NMIUCB Risk of Recurrence Stratification

Risk Group

Clinical and Patologic Features

Low

First occurrence AND

Single lesion AND

Stage Ta or PUNLMP AND

Low-grade tumor AND

Tumor size , 3 cm AND

Favorable location AND

Absence of CIS

                

                   Intermediate Not low risk and not high risk

High

Stage T1 OR

 

High grade OR

 

Presence of CIS OR

 

Unfavorable location OR

 

Recurrent tumor, with multiple lesions, tumor size . 3 cm, but with a low grade

Abbreviation: CIS, carcinoma in situ; NMIUCB, nonmuscle invasive urothelial carcinoma of the bladder; PUNLMP, papillary urothelial neoplasm of low malignant potential.

Referência: Wroclawski, M. L., Schutz, F. A., Cha, J. D., & Soares, A. (2019). Alternative Therapies to Bacillus Calmette-Guérin Shortage for Nonmuscle Invasive Bladder Cancer in Brazil and Other Underdeveloped Countries: Management Considerations. Journal of Global Oncology, (5), 1–9. doi:10.1200/jgo.19.00112 


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519