01122020Ter
AtualizadoSeg, 30 Nov 2020 1am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Carcinoma de células de Merkel e resposta à imunoterapia

Melanoma v3 NET OKArtigo de Knepper et al publicado na Clinical Cancer Research discute a paisagem genômica do carcinoma de células de Merkel (MCC) e biomarcadores clínicos de resposta à imunoterapia. “Realizamos o maior estudo de genômica no MCC até o momento para caracterizar a paisagem molecular e avaliar correlações clínicas e genômicas com a resposta ao tratamento com inibidor de checkpoint imune”, sustentam os autores.

O carcinoma de células de Merkel (MCC) é um câncer de pele raro e agressivo que demonstrou sensibilidade ao tratamento com imunoterapia. Neste estudo, Knepper e colegas analisaram o perfil molecular de 317 tumores, considerando a avaliação de mutações oncogênicas, carga mutacional tumoral (TMB), assinaturas mutacionais e o Polyomavirus Merkel Cell (MCPyV). Em um subconjunto de 57 pacientes, uma análise retrospectiva buscou correlacionar achados clínicos e moleculares com a resposta a inibidores de checkpoint imune e dados de sobrevida da doença.

Resultados 

As análises genômicas revelaram dois subgrupos molecularmente distintos. 94% (n = 110) dos espécimes com TMB alto exibiram uma assinatura mutacional de luz ultravioleta (UV). As sequências de DNA genômico de MCPyV não foram identificadas em nenhum caso com TMB alto (0/117), mas em 63% (110/175) dos casos com TMB baixo.

Em 36 pacientes avaliáveis ​​tratados com imunoterapia, a taxa de resposta global foi de 44% e a resposta correlacionou-se com a sobrevida no momento da revisão (100% vs. 20%, p <0,001). A taxa de resposta foi de 50% nos tumores TMB alto / UV e 41% nos tumores TMB baixo / MCPyV positivos (p = 0,63). Os autores descrevem que a taxa de resposta foi significativamente correlacionada com a linha de tratamento: 75% na primeira linha, 39% na segunda linha e 18% na terceira linha ou além (p = 0,0066). A expressão de PD-1, mas não de PD-L1, foi associada à resposta à imunoterapia (77% vs. 21%, p = 0,00598, para PD-1 positivo e negativo, respectivamente).

Segundo os autores, este é o maior estudo do gênero já realizado, com implicações para médicos e pacientes. “Fornecemos uma paisagem genômica abrangente do CCM e demonstramos correlações clínicas e genômicas de resposta à imunoterapia”, concluem.

Referência: The Genomic Landscape of Merkel Cell Carcinoma and Clinicogenomic Biomarkers of Response to Immune Checkpoint Inhibitor Therapy. Todd C. Knepper, Meagan Montesion, Jeffery Russell, Ethan S Sokol, Garrett M. Frampton, Vincent A. Miller, Lee A. Albacker, Howard L McLeod, Zeynep Eroglu, Nikhil I Khushalani, Vernon K. Sondak, Jane L. Messina, Michael J. Schell, James A. DeCaprio, Kenneth Y. Tsai and Andrew S Brohl. Clin Cancer Res August 9 2019 DOI: 10.1158/1078-0432.CCR-18-4159

Leia mais: 
FDA concede revisão prioritária ao avelumab para o tratamento do carcinoma de células de Merkel
Avelumabe obtém precificação da CMED para carcinoma de células de Merkel


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519