20042019Sáb
AtualizadoQui, 18 Abr 2019 1am

banner_freud_adv_468x60.jpg

Gastrectomia no câncer gástrico inicial

CIRURGIA NET OKEstudo clínico randomizado que avaliou 1.416 pacientes com câncer gástrico inicial mostrou que as taxas de sobrevida global em 5 anos foram de 94,2% no grupo de gastrectomia laparoscópica e de 93,3% no grupo de gastrectomia aberta. Os resultados foram publicados no JAMA Oncology e indicam que a gastrectomia distal laparoscópica é uma alternativa oncologicamente segura à cirurgia aberta para câncer gástrico estágio I.

A gastrectomia distal laparoscópica tem ganhado popularidade sobre a gastrectomia distal aberta em razão dos melhores resultados pós-operatórios imediatos. No entanto, os autores argumentam que nenhum estudo havia demonstrado a não inferioridade da gastrectomia distal laparoscópica em termos de segurança oncológica.

Agora, os dados do estudo KLASS-01 mostram que as taxas de sobrevida câncer específica em 5 anos foram semelhantes entre os dois grupos: 97,1% no grupo de gastrectomia laparoscópica e 97,2% no grupo de gastrectomia aberta, assim como a sobrevida global.

Este estudo de fase 3, multicêntrico, incluiu 15 cirurgiões de 13 instituições para avaliar pacientes com diagnóstico clínico e histologicamente comprovado de adenocarcinoma gástrico estágio I. De 5 de janeiro de 2006 a 23 de agosto de 2010, o estudo inscreveu 1.416 pacientes, randomizados (1: 1) para gastrectomia distal laparoscópica (n = 705) ou gastrectomia distal aberta (n = 711). Destes pacientes, 85 receberam uma abordagem cirúrgica oposta àquela para a qual foram randomizados (63 randomizados para o grupo de cirurgia aberta e 22 para o grupo de laparoscopia). A sobrevida e o status de recorrência foram determinados em dezembro de 2016.

Resultados

Entre os 1416 pacientes avaliados, as taxas de sobrevida global em 5 anos foram de 94,2% no grupo de abordagem laparoscópica e de 93,3% no grupo de cirurgia aberta (log-rank P = 0,64). A análise por intenção de tratar confirmou a não inferioridade da abordagem laparoscópica comparada à abordagem aberta (diferença, 0,9 pontos percentuais; IC de 1, 5 e 97,5%). As taxas de sobrevida câncer específica em 5 anos foram semelhantes entre os dois grupos (97,1% no grupo laparoscópico e 97,2% no grupo de cirurgia aberta, log-rank P = 0,91).

Em conclusão, o estudo KLASS-01 revelou taxas de sobrevida global e sobrevida câncer específica semelhantes entre pacientes que receberam gastrectomia laparoscópica e distal aberta, mostrando que a gastrectomia distal laparoscópica é uma alternativa oncologicamente segura para câncer gástrico estágio I.

O estudo está registrado na ClinicalTrials.gov :NCT00452751.

Referência: Kim, H.-H., Han, S.-U., Kim, M.-C., Kim, W., Lee, H.-J., … Ryu, S. W. (2019). Effect of Laparoscopic Distal Gastrectomy vs Open Distal Gastrectomy on Long-term Survival Among Patients With Stage I Gastric Cancer. JAMA Oncology. doi:10.1001/jamaoncol.2018.6727


Publicidade
banner modelo3 newsletter onconews 300x150 pixels
Publicidade
banner astellas2018 v1
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner teva inst 300x250