15062021Ter
AtualizadoSex, 11 Jun 2021 12pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

FDA aprova primeira terapia-alvo anti FLT3 em LMA

Otavio Baiocchi ASH2018A agência norte-americana Food and Drug Administration (FDA) aprovou dia 29 de novembro o registro de XOSPATA® (nome genérico: gilteritinib) para o tratamento de pacientes adultos com leucemia mieloide aguda (LMA) recidivada ou refratária, com mutação FLT3. O novo agente é de uso oral e representa a primeira terapia-alvo anti-FLT3 aprovada para esta população de pacientes. Otávio Baiocchi (foto), chefe do Departamento de Oncologia Clínica da Unifesp e coordenador de hematologia do Americas Centro de Oncologia Integrado, comenta a aprovação.

A decisão do FDA é baseada nos resultados do estudo ADMIRAL (NCT02421939), randomizado fase III que inscreveu 371 pacientes com LMA FLT3 mutados. Os resultados mostram taxa de remissão completa com recuperação hematológica parcial (CR/CRh) de 21%, com duração média de 4,6 meses. A taxa de conversão da dependência de transfusão para independência de transfusão a partir de 56 dias após o baseline foi de 31,1%. Para os pacientes que alcançaram CR / CRh, o tempo médio para a primeira resposta foi de 3,6 meses (variando de 0,9 a 9,6 meses).

A avaliação de segurança de XOSPATA baseou-se em 292 doentes com LMA recidivada ou refratária, tratados com 120 mg de gilteritinib por dia. A duração mediana da exposição ao XOSPATA foi de 3 meses (intervalo de 0,1 a 42,8 meses). As reações adversas graves não hematológicas mais frequentes (≥5%) foram pneumonia (19%), sépsis (13%), febre (13%), dispneia (7%) e comprometimento renal (5%). No total, 22 de 292 pacientes (8%) descontinuaram o tratamento devido a uma reação adversa. As reações adversas mais frequentes (> 1%) que levaram à descontinuação foram pneumonia (2%), sepse (2%) e dispneia (1%).

Xospata demonstrou ação em duas mutações FLT3, na duplicação interna em tandem (ITD) e no domínio de tirosina quinase (TKD). A mutação FLT3-ITD afeta aproximadamente 30% dos pacientes com LMA e está associada à piora da sobrevida livre de doença e sobrevida global. A mutação FLT3-TKD afeta aproximadamente 7% dos pacientes com LMA e, embora o impacto seja menos claro, tem sido associada à resistência ao tratamento.

“O tratamento da LMA pouco evoluiu nos últimos 30 anos, apesar de um grande avanço no conhecimento da doença e estratificação de grupos de melhor e pior prognóstico. A aprovação desta droga pelo FDA certamente beneficiará os pacientes com leucemia mieloide aguda e mutação do FLT3, que confere um pior prognóstico para estes pacientes”, afirmou Baiocchi.


Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519