15062021Ter
AtualizadoSex, 11 Jun 2021 12pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

IMpower132: atezolizumabe, carboplatina e pemetrexede no CPNPC

Pulm o DEZ NET OKApresentado na sessão plenária da 19ª Conferência Mundial sobre Câncer de Pulmão (WCLC 2018) em Toronto, Canadá, o estudo de fase III IMpower132 demonstrou que o uso do inibidor de PD-L1 atezolizumabe em combinação com carboplatina e pemetrexede como terapia de primeira linha, seguido de pemetrexede como terapia de manutenção, melhora a sobrevida livre de progressão (SLP) em pacientes com câncer de pulmão não pequenas células (CPCNP) não-escamoso estádio IV. Os dados foram apresentados por Vassiliki A. Papadimitrakopoulou, chefe da Seção de Oncologia Torácica do MD Anderson Cancer Center.

O IMpower132 é um estudo global, randomizado, aberto, de Fase III, com 578 pacientes com CPNPC não escamoso estádio IV sem tratamento prévio com quimioterapia. Os pacientes elegíveis apresentavam doença mensurável pelo RECIST v1.1 e status ECOG PS 0-1. Os critérios de exclusão incluíam tumores conhecidos por abrigarem mutações no EGFR ou mutações driver ALK, metástases não tratadas do sistema nervoso central (SNC), doença autoimune e exposição prévia a imunoterapia.

Os pacientes foram randomizados 1:1 para receber quatro ou seis ciclos de carboplatina (AUC 6 mg/mL/min) ou cisplatina (75 mg/m2) mais pemetrexede (500 mg/m2) Q3W, seguido por pemetrexede como terapia de manutenção (braço B), ou carboplatina-pemetrexede ou cisplatina-pemetrexede mais atezolizumabe 1200 mg, seguido por pemetrexede mais atezolizumabe como terapia de manutenção (braço A).

Resultados

Os resultados do estudo mostraram que a quimioterapia com atezolizumabe mais pemetrexede (braço A) resultou em melhora na SLP (mediana de 7,6 meses versus 5,2 meses para o grupo controle) associada a 40% de redução no risco de progressão (HR 0,60, 95 IC: 0,49, 072) em todos os pacientes e subgrupos clínicos, incluindo pacientes asiáticos (HR 0,42; 95% IC: 0,28-0,63), nunca fumantes (HR 0,49; 95% IC 0,28-0,87), fumantes atuais e ex-fumantes (HR 0,61 95% IC 0,50-0,74). Além disso, na análise interina de sobrevida global, a quimioterapia com atezolizumabe mais pemetrexede demonstrou uma melhoria na sobrevida global de 4,5 meses em relação à quimioterapia baseada em pemetrexede isolado (HR 0,46; 95% IC: 0,22-0,96).

"Os resultados indicam que a adição de atezolizumabe à quimioterapia com carboplatina e pemetrexede oferece melhor eficácia clínica do que a carboplatina e o pemetrexede isolados", disse Papadimitrakopoulou. "Ao inibir a interação de PD-L1 com seus receptores PD-1 e B7.1, o atezolizumabe restaura a imunidade de células T tumorais específicas, oferecendo uma valiosa opção de tratamento que prolonga a sobrevida de pacientes com CPNPC não escamoso estádio IV", concluiu.


Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519