03122020Qui
AtualizadoQua, 02 Dez 2020 8pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Abordagens para cessação do tabagismo

cessacao tabagismo NET OKEstudo pragmático publicado no NEJM1 avaliou diferentes estratégias para cessação do tabagismo entre mais de 6 mil funcionários de 54 empresas nos Estados Unidos. Os resultados mostram que a intervenção mais eficaz produziu uma taxa de abstinência em 6 meses de apenas 2,9%, o que abre espaço para avançar nos programas antitabaco.

Foram randomizados 6.006 fumantes empregados por 54 empresas para receber uma das quatro intervenções de cessação do tabagismo ou para cuidados habituais. Os cuidados habituais consistiram no acesso a informações sobre os benefícios da cessação do tabagismo e a um serviço de mensagens de texto motivacional. As quatro intervenções consistiram em cuidados habituais e mais: 1) terapia de reposição de nicotina ou farmacoterapia, com a possibilidade de cigarros-eletrônicos na falha às terapias padrão; 2) cigarros eletrônicos gratuitos, sem exigência de terapias padrão; 3) US$ 600 em recompensas por abstinência prolongada; 4) US$ 600 em fundos resgatáveis, depositados em uma conta para cada participante, com a condição de que o dinheiro seria retirado quando os marcos da cessação não fossem atingidos.

O endpoint primário foi a manutenção da abstinência tabágica por 6 meses após a data de cessação desejada.

Resultados

As taxas de abstinência sustentada ao longo de 6 meses foram de 0,1% no grupo de cuidados habituais, 0,5% no grupo de cessação gratuita, 1,0% no grupo de cigarros eletrônicos gratuitos, 2,0% no grupo de recompensas e 2,9% no grupo de depósito reembolsável. Com relação às taxas de abstinência sustentada, os depósitos e recompensas resgatáveis ​​foram superiores aos auxílios para cessação livre (P <0,001 e P = 0,006, respectivamente.

Os depósitos resgatáveis ​​foram superiores aos cigarros eletrônicos gratuitos (P = 0,008). No entanto, os chamados e-cigarettes não foram superiores aos cuidados habituais (P = 0,20) ou às ajudas de cessação gratuitas (P = 0,43).

Os resultados mostram que entre os 1.191 funcionários (19,8%) que participaram ativamente do estudo, grupo considerado como a coorte “engajada”, as taxas de abstinência sustentada foram quatro a seis vezes mais altas do que aquelas observadas entre os participantes que não aderiram ativamente à proposta de parar de fumar (Figura1).

“O segundo grande achado deste estudo foi identificar que, entre os fumantes que tiveram acesso a informações sobre cessação do tabagismo e a oportunidade de receber mensagens de texto motivacionais, a oferta adicional e gratuita de cigarros eletrônicos não teve impacto significativo nas taxas de abstinência”, observaram os autores.

A conclusão do estudo mostra que o incentivo financeiro adicional foi a intervenção que mais promoveu a cessação do tabagismo, mesmo quando as terapias de cessação farmacológicas e de reposição de nicotina estavam rotineiramente disponíveis. “Os incentivos triplicam as taxas de cessação, independentemente de os auxílios de cessação gratuita serem oferecidos concomitantemente”, aponta o estudo.

Para os autores, esses achados devem ser interpretados no contexto das limitações do estudo, a começar da estratégia pragmática de recrutamento, características demográficas e relacionadas ao tabagismo dos participantes (ClinicalTrials.gov nº NCT02328794).


tabagismo NEJM NET OK
















Referências: A Pragmatic Trial of E-Cigarettes, Incentives, and Drugs for Smoking Cessation - Scott D. Halpern, Michael O. Harhay, Kathryn Saulsgiver, Christine Brophy, Andrea B. Troxel and Kevin G. Volpp - June 14, 2018 - N Engl J Med 2018; 378:2302-2310 - DOI: 10.1056/NEJMsa1715757


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519