19072018Qui
AtualizadoQua, 18 Jul 2018 5pm

PUBLICIDADE
banner pfizer instuc 2018 468x60px

Banco de câncer testicular estimula contribuição à pesquisa brasileira

DIOGO BASTOS LACOG GU NEW NET OKO primeiro Banco Brasileiro de Câncer Testicular conquistou novas adesões e continua aberto à participação de pesquisadores e centros brasileiros, reforçando a importância da pesquisa cooperativa. Em abril, 4 novas instituições ingressaram no Banco e outras 9 aguardam o processo de análise ética. Criado como uma grande base de dados para abrigar informações de pacientes, o banco multicêntrico pretende conhecer mais de perto a realidade do câncer testicular no Brasil. “Como esses pacientes estão sendo tratados em nosso País? Como estão nossas taxas de resposta? São dados que ajudam a conhecer nossa realidade e estabelecer ações para a melhoria contínua”, explica o investigador principal, o oncologista Diogo Bastos (foto), médico do ICESP e do Hospital Sírio-Libanês, que agora espera estimular novas adesões e fomentar ainda mais a participação de pesquisadores e instituições de assistência.

 

Serviços públicos e privados envolvidos no cuidado com o paciente podem contribuir. Para participar, seja com a inserção de dados ou até para explorar os dados disponíveis no banco, cada instituição precisa submeter o protocolo de pesquisa aos processos de análise ética. “A ideia é fomentar diferentes iniciativas de pesquisa no cenário da oncologia brasileira, com foco no câncer testicular. É só cumprir as exigências regulatórias de avaliação ética e o protocolo de pesquisa passa a integrar o Banco”, diz Diogo.

Instituições de assistência e pesquisadores interessados em ingressar no Banco e contribuir com a pesquisa brasileira podem contatar o escritório do LACOG, através do telefone (51) 3384-5334.

Além do ICESP, até agora já participam desse esforço cooperativo o Hospital Israelita Albert Einstein e a BP, a Beneficência Portuguesa de São Paulo, além do Hospital de Câncer de Barretos. Dados de 277 pacientes já estão disponíveis e a expectativa é duplicar essa base de dados com a participação de outros 9 centros que aguardam a aprovação regulatória (veja abaixo):

O câncer testicular é a neoplasia sólida mais curável, mas infelizmente tem o agravante de ser mais frequente na população jovem. Segundo o INCA, a incidência é de três a cinco casos para cada grupo de 100 mil indivíduos.

Estudo inédito que avaliou o custo do câncer nos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) mostra que o câncer testicular foi o que mais impactou a economia brasileira por mortes prematuras e perda de produtividade, superando o câncer de pulmão. Conhecer mais de perto o cenário da doença no Brasil é um bom caminho para começar a mudar esses resultados.

Quem participa:

- ICESP (SP): investigador principal - Diogo Assed Bastos

- Hospital Israelita Albert Einstein (SP) - investigador principal: Oren Smaletz

- Hospital do Câncer de Barretos (SP) - investigador principal: Flávio Cárcano

- Hospital BP/Mirante (SP) - investigador principal: Fábio Schutz


Centros em aprovação regulatória:

- Hospital Sírio-Libanês (SP) - investigador principal: Carlos Dzik

- Oncocentro Fortaleza (CE) - investigador principal: Karina Trindade

- PUC-RS (RS) - investigador principal: André Fay

- Centro Paulista de Oncologia (SP): Andrey Soares

- CECON Manaus (AM): Gilmara Resende

- Hospital Amaral Carvalho (Jaú - SP) - investigador principal: Marina Piva

- CEHON (Salvador, BA) - investigador principal: Loana Valença

- Clínica AMO (Salvador, BA) - investigador principal: Vinícius Carrera

- UCS (Caxias do Sul - RS) - investigador principal: Rita Costamilan


Publicidade
banner_assine_300x250.jpg
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner Sanofi 2017 300x250
Publicidade
banner astellas2018 v1
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner logoBMS 2018 300x250