28102021Qui
AtualizadoQua, 27 Out 2021 8pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Modelo preditivo baseado em ressonância magnética para estratificação de risco de biópsia da próstata

rubens chojniakComo selecionar os pacientes com achados positivos na ressonância magnética da próstata que podem se beneficiar de uma biópsia da próstata? Um estudo publicado no JAMA Oncology demonstrou que um modelo preditivo baseado em parâmetros clínicos e de ressonância magnética reduziu o número de biópsias de próstata desnecessárias. O médico radiologista Rubens Chojniak (foto), diretor do Departamento de Imagem do A.C.Camargo Cancer Center, comenta os achados.

A ressonância magnética multiparamétrica (MRI) em conjunto com as biópsias dirigida por ultrassonografia transretal (TRUS) melhoraram a detecção de câncer de próstata. Ainda não está claro se a própria ressonância magnética acrescenta valor adicional a modelos preditivos multivariáveis com base em parâmetros clínicos.

Agora, estudo publicado em fevereiro no JAMA Oncology buscou determinar se um modelo preditivo baseado em MRI pode reduzir biópsias desnecessárias em pacientes com suspeita de câncer de próstata.

Métodos

Os pacientes foram submetidos a MRI, biópsia guiada por fusão MRI-TRUS e uma sessão de core biópsia sistemática padrão (12 núcleos). A coorte de desenvolvimento utilizada para derivar o modelo preditivo foi constituída por 400 pacientes de 1 instituição inscritos entre 14 de maio de 2015 e 31 de agosto de 2016. A coorte de validação incluiu 251 pacientes de 2 instituições independentes que foram submetidos a biópsias entre 1º de abril de 2013 e 30 de junho de 2016, em 1 instituição, e entre 1 de julho de 2015 e 31 de outubro de 2016, na outra instituição.

O modelo de estratificação de risco incluiu parâmetros clínicos e achados de ressonância magnética. O risco de câncer de próstata clinicamente significativo foi definido como escore de Gleason de 3 + 4 ou superior em pelo menos uma core biópsia.

Resultados

No geral, 193 (48,3%) dos 400 pacientes na coorte de desenvolvimento (idade média na biópsia, 64,3 [7,1] anos) e 96 (38,2%) dos 251 pacientes na coorte de validação (mediana de idade na biópsia, 64,9 [7,2] anos) apresentaram câncer de próstata clinicamente significativo, definido como escore de Gleason maior ou igual a 3 + 4. Ao aplicar o modelo à coorte de validação externa, a área sob a curva aumentou de 64% para 84% em relação ao modelo basal (P <0,001).

Com um limite de risco de 20%, o modelo de MRI apresentou uma menor taxa de falso positivo em comparação com o modelo do baseline (46% [95% IC, 32% -66%] vs 92% [95% IC, 70% -100%]), com apenas uma pequena redução na taxa de positivo verdadeiro (89% [95% IC, 85% -96%] vs 99% [95% IC, 89% -100%]).

Os autores concluíram que a inclusão de parâmetros derivados de MRI em um modelo de risco poderia reduzir o número de biópsias desnecessárias, mantendo uma alta taxa de diagnóstico de câncer de próstata clinicamente significativo.

“É um resultado muito promissor. Novos estudos nesta linha, aliados a estudos de impacto de custo, podem estabelecer quando e como devemos incluir a ressonância magnética nos algoritmos de rastreamento do câncer de próstata”, afirma Chojniak.

"O artigo está alinhado com a tendência que temos observado de crescente incorporação da ressonância magnética na investigação do câncer de próstata. O modelo foi capaz de manter níveis semelhantes de detecção de câncer de próstata clinicamente significativo, definido no estudo como câncer Gleason > 7 (3+4), reduzindo o número de biópsias em cerca de 18%”, observa o especialista.

Referência:  A Magnetic Resonance Imaging–Based Prediction Model for Prostate Biopsy Risk Stratification - JAMA Oncol. Published online February 22, 2018. doi:10.1001/jamaoncol.2017.5667


Publicidade
Outubro Rosa A.C.Camargo 2021
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519