02082021Seg
AtualizadoSeg, 02 Ago 2021 12am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Caminhos genéticos no câncer colorretal metastático

cancer colorretal 2018 NET OKO câncer colorretal metastático (mCRCs) tem altos níveis de heterogeneidade clínica. No entanto, a contribuição de variações genéticas nesta heterogeneidade não está bem caracterizada. Agora, dados de amplo estudo de sequenciamento genético fornecem novas evidências sobre os caminhos que levam à tumorigênese e progressão no câncer colorretal. 

Um total de 1134 amostras de mCRCs foram sequenciadas utilizando o MSKIMPACT. "Esta captura baseada em uma plataforma de sequenciamento de próxima geração tem o potencial de detectar mutações, copiar o número de alterações e rearranjos selecionados em > 300 genes de câncer (agora 468), mesmo em tecidos fixados em pequenas quantidades de formalina ", explica a primeira autora, Rona Yaeger.

Resultados

A análise de sequenciamento identificou um total de 47 mutações recorrentes, como efeitos na APC (79% das amostras), TP53 (78%), KRAS (44%) e outros. Também foram identificadas potenciais mutações recorrentes em PTPRS, FLT4, IKZF1 e em outros genes. Os autores destacam que em pacientes com estabilidade de microssatélites essas mutações foram encontradas apenas em 1-4% das amostras. Um total de 85% dos pacientes com estabilidade de microssatélites tinham alterações que afetam a sinalização WNT, incluindo os efeitos de novas mutações, tais como alterações em APC e deleções no quadro de CTNNB1 (β-catenina).

“À luz das recentes mudanças em diretrizes clínicas, as diferenças começam na localização do tumor”, lembram os autores. Pacientes com tumores primários do lado direito tinham pior sobrevida em 5 anos na comparação com aqueles com tumores do lado esquerdo (45% versus 67%; P <0,001) e mediana significativamente maior na carga de mutação (7,15 versus 5,92 mutações por Mb; P <0,001).

Tumores localizados do lado direito também foram enriquecidos com mutações oncogênicas em KRAS, BRAF, PIK3CA, PTEN, AKT1. No lado esquerdo, os tumores foram enriquecidos com mutações TP53 e mutações APC.

Esses achados fornecem evidências de uma base genética subjacente para compreender as diferenças nas respostas ao tratamento, além de revelar duas mutações anteriormente não relatadas na APC e CTNNB1.

Referências: Yaeger, R. et al. Clinical sequencing defines the genomic landscape of metastatic colorectal cancer. Cancer Cell 33, 125–136 (2018)


Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519