28072021Qua
AtualizadoTer, 27 Jul 2021 2pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

O avanço do ano

Jacques Tabacof 200x110A cada ano, a Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) lança seu clássico relatório sobre os avanços clínicos em câncer (Clinical Cancer Advances), publicado no Journal of Clinical Oncology. Este ano, o painel de especialistas considerou os estudos com CAR T-cells a área de pesquisa com maior progresso, nomeada como o avanço do ano. "A indicação como avanço clínico do ano foi merecidíssima. Os resultados obtidos no estudo ZUMA foram impressionantes e o potencial de aplicação das células CAR T em outras doenças oncológicas e em fases mais precoces é muito grande", afirma o oncohematologista Jacques Tabacof (foto), coordenador geral de oncologia e hematologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz e médico do Centro Paulista de Oncologia.

O presidente da ASCO, Bruce E. Johnson, descreveu a técnica e lembrou que "permite que os clínicos reprogramem geneticamente as próprias células imunes dos pacientes para encontrar e atacar as células neoplásicas". O relatório da ASCO argumenta que as terapias CAR T-Cells “representam uma inovação emocionante, que tem o potencial de transformar os cuidados em câncer”.

Em agosto de 2017, a agência norte-americana FDA aprovou a primeira imunoterapia baseada em receptores de antígeno quimérico de células T (CAR T-cells), o agente Tisagenlecleucel, para leucemia linfoblástica aguda pediátrica. Em outubro de 2017 foi a vez da segunda aprovação de uma CAR T-cell, axilabtageno ciloleucel (axi-cel), desta vez para tratar adultos com certos tipos de linfoma.

Os receptores de antígeno quimérico de células T consolidam resultados de eficácia e segurança e despontam como uma nova e promissora estratégia de imunoterapia. O estudo ZUMA-1 mostrou na ASH 2017 os resultados de fase II com dados de eficácia e segurança da terapia axi-cel. Neste estudo multicêntrico de fase II foram considerados 108 pacientes com linfoma difuso de grandes células B agressivo e refratário para avaliar a taxa de resposta e a duração de resposta. Após 15,4 meses, 42% dos pacientes permaneciam livres de progressão da doença e 56% continuavam vivos, com mediana de sobrevida global ainda não alcançada. A taxa de resposta objetiva foi de 82%, incluindo 58% de resposta completa. Os resultados do estudo foram publicados no New England Journal of Medicine.

“Os resultados obtidos no estudo ZUMA impressionam muito os especialistas em linfoma devido a profundidade e duração das respostas em pacientes previamente tratados com várias linhas de tratamento, para os quais não há opção efetiva”, afirma Tabacof. “As toxicidades das células CAR T, como a síndrome de liberação de citoquinas e neurotoxicidade, mostraram-se manejáveis", acrescenta.

A terapia CAR T- cells também mostrou dados de remissão no mieloma múltiplo e agora a expectativa é ampliar os estudos também em tumores sólidos.

O relatório da ASCO foi elaborado sob a direção de um conselho de mais de 20 especialistas, das diferentes áreas da Oncologia. O painel lembrou que o câncer é hoje um dos mais urgentes desafios para a saúde global, com mais de 14 milhões de diagnósticos por ano.


Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519