16042021Sex
AtualizadoQui, 15 Abr 2021 7pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Novas aprovações de tratamentos contra o câncer

Medicamentos DiversosEntre as drogas aprovadas pela Anvisa em dezembro de 2017 estão a lenalidomida (Revlimid®) em combinação com a dexametasona para o tratamento de pacientes com mieloma múltiplo refratário ou recidivado; durvalumabe (Imfinzi®), para carcinoma urotelial localmente avançado ou metastático; olaratumabe (Lartruvo®), indicado para pacientes com sarcoma de tecido mole avançado não candidatos à radioterapia ou cirurgia e que não foram previamente tratados com antraciclínicos; e a combinação de netupitanto + palonosetrona (Akynzeo®), para a prevenção de náuseas e vômitos agudos ou tardios em pacientes em quimioterapia.

As aprovações foram publicadas dia 26 de dezembro de 2017 no Diário Oficial da União. A Agência também aprovou uma nova indicação do daratumumabe, agora em associação com lenalidomida e dexametasona, para pacientes com mieloma múltiplo que já receberam pelo menos uma terapia anterior.

Mieloma múltiplo

A lenalidomida (Revlimid®, Celgene) associada à dexametasona possui indicação para o tratamento de pacientes com mieloma múltiplo refratário/recidivado que receberam ao menos um esquema prévio de tratamento. O medicamento também é indicado também para o tratamento de pacientes com anemia dependente de transfusões decorrente de síndrome mielodisplásica (SMD) de risco baixo ou intermediário-1, associada à anormalidade citogenética de deleção 5q, com ou sem anormalidades citogenéticas adicionais.

O agente terapêutico teve o registro indeferido duas vezes no Brasil, o que colocou em xeque os critérios da agência regulatória e estimulou a judicialização da saúde. O medicamento é utilizado em mais de 80 países, isoladamente ou em combinação com outras drogas. Os estudos fase III - MM009 e MM010 embasaram a decisão de agências reguladoras na aprovação.

“Acrescentar lenalidomida ao arsenal terapêutico do mieloma múltiplo significa aumentar a sobrevida e qualidade de vida destes pacientes”, diz a oncohematologista Vânia Hungria, Professora Adjunta da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Registrado na forma de cápsulas nas concentrações de 2,5mg, 5 mg, 10 mg e 25mg, o agente também é indicado para pacientes com anemia dependente de transfusões decorrentes de síndrome mielodisplásica.

Antes do registro, a Anvisa definiu regras específicas para o seu controle, pois o medicamento pode provocar malformação congênita grave (efeito teratogênico).

Para pacientes com mieloma múltiplo que já receberam pelo menos uma terapia anterior, a Anvisa também aprovou a utilização de daratumumabe em associação com lenalidomida e dexametasona - esquema capaz de reduzir em 59% o risco de progressão ou morte pela doença, quando comparado com o esquema padrão com lenalidomida e dexametasona.

Dados do estudo Pollux, apresentados durante o Congresso Americano de Oncologia (ASCO), demonstram que a adição de daratumumabe ao regime padrão (lenalidomida e dexametasona) prolonga o tempo sem piora da doença e aumenta de 76% para 93% a taxa de resposta global ao tratamento. Além disso, mais da metade dos pacientes que utilizaram a combinação dos três medicamentos teve resposta completa ou melhor (51% vs. 21% com o regime padrão).

Carcinoma urotelial

O durvalumabe (Imfinzi®, Astrazeneca) foi aprovado para o tratamento de pacientes com carcinoma urotelial localmente avançado ou metastático com progressão da doença durante ou após a quimoterapia à base de platina. O produto também é indicado para pacientes que tiveram progressão da doença em até 12 meses de tratamento neoadjuvante ou adjuvante com quimioterapia contendo platina.

O imunoterápico constituído por anticorpo monoclonal humano (mAb) se liga ao PD-L1 e bloqueia sua interação com o PD-1 nas células T e CD80 nas células imunes. O mecanismo antagoniza o efeito inibitório de PD-L1 nas células T humanas primárias, resultando na proliferação restaurada e liberação da interferona gama.

Sarcoma de tecido mole

Indicado para pacientes com sarcoma de tecido mole avançado que não são candidatos à radioterapia ou cirurgia e não foram previamente tratados com antraciclínicos, o anticorpo monoclonal olaratumabe (Lartruvo®, Eli Lilly) reconhece e liga-se especificamente a uma proteína conhecida como receptor-a do fator de crescimento derivado das plaquetas (PDGFR-a). O PDGFR-a encontra-se em grandes quantidades em algumas células cancerígenas, nas quais estimula o crescimento e divisão das células. Quando olaratumabe se liga ao PDGFR-a, pode impedir o crescimento e a sobrevivência das células cancerígenas.

Náuseas e vômitos

O netupitanto + palonosetrona (Akynzeo®, Mundipharma) é indicado para a prevenção de náuseas e vômitos agudos ou tardios em pacientes submetidos à quimioterapia antineoplásica altamente emetogênica baseada em cisplatina ou associados com quimioterapia antineoplásica moderadamente emetogênica.


Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519